Pesquisar
Pesquisar

Ações militares dos EUA na península coreana são "intoleráveis", denuncia Coreia do Norte

Todos os treinamentos militares dos inimigos com caráter demonstrativo insinuam claramente que se trata de intoleráveis ações para o ataque preventivo
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Pyongyang

Tradução:

O governo da República Popular Democrática da Coreia denunciou hoje as ações militares que os Estados Unidos levam a cabo na península, com a assistência das Forças Armadas da Coreia do Sul.

Em um comunicado oficial, Pyongyang informou que a partir de 20 de março último, Washington e Seul reiniciaram o exercício conjunto de desembarque de grande envergadura “Sangryong”, suspenso desde 2018.

Assista na TV Diálogos do Sul

O Sangryong, que levava um lustro interrompido, tem como principal objetivo a tomada de Pyongyang; aos treinamentos foi incorporado o navio anfíbio de assalto Makin Island das forças navais norte-americanas.

Esta unidade é reconhecida como porta-aviões ligeiro capaz de carregar 20 caças Stealth F-35B e dezenas de navios, além de mais de 70 caças de diferentes níveis, 50 carros blindados de ataque para o desembarque e mais de 10 mil efetivos, adverte a nota.

De acordo com o texto, também estão presentes na região o porta-aviões nuclear Nimitz da 11ª divisão de assalto, e os destroyers Aegis Wayne E. Meyer e Decatur, que participaram na véspera de um exercício naval nas imediações ao sul da ilha JejuPorto de Pusan.

A RPDC afirmou que estes treinamentos coordenados demonstram que a opção dos Estados Unidos já não se limita a uma operação militar, mas estendeu-se a uma nova etapa de execução.

“Todos os treinamentos militares dos inimigos com caráter demonstrativo insinuam claramente que se tratam de intoleráveis ações para o ataque preventivo que se realizam considerando como um fato consumado a guerra de agressão contra a RPDC, pondo em risco a península coreana e todo o nordeste asiático.

A delicada situação atual deve-se inteiramente a Washington e seus satélites, desejosos de esmagar a todo custo a RPDC por via militar, razão pela qual é inquestionável a preparação da força física capaz de frear tal tentativa, o que corresponde a nosso direito à autodefesa.

É natural que as forças armadas nucleares da RPDC cumpram sua missão frente à severa situação atual em que se veem ameaçadas a soberania e a segurança do Estado”, conclui a nota.

Redação | Prensa Latina
Tradução: Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

2560px-Hotel_InterContinental_(Madrid)_01
Grupo que articula ataques a Obrador faz novo encontro da ultradireita global em Madri
netanyahu-genocidio-Palestina
Pogroms, censura, manipulação midiática: o que Ocidente esconde sobre o genocídio palestino
Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso