Pesquisar
Pesquisar

“Afronta para democracia”, diz Fernández sobre Clarín convocar escracho à casa de Kirchner

Mobilizações nas quais se rechaçou a gestão governamental ante a pandemia, o uso de máscaras e a crise econômica também foram realizadas em outros pontos do país
Stella Calloni
Diálogos do Sul
Buenos Aires

Tradução:

Em uma marcha convocada pela aliança direitista opositora Juntos por el Cambio e a oposição midiática encabeçada pelo diário Clarín, um grupo de manifestantes rodeou o edifício de apartamentos onde mora a vice-presidenta, Cristina Fernández de Kirchner, cujo endereço foi divulgado na página principal desse jornal, o que foi condenado por funcionário, partidos e movimentos políticos e sociais. 

A principal gestora desta marcha, Patricia Bullrich,  polêmica e denunciada ex-ministra de Segurança do passado governo de Mauricio Macri (2015-2019) insinuou recentemente a possibilidade de “produzir” uma mudança de governo em 2021, pelo qual todas estas ações têm como característica o discurso do ódio violento e intolerante, que se dirige aos jornalistas atacados e ameaçados na cobertura desses acontecimentos e são caracterizados como “desestabilizadores e destruidores”.  

Mobilizações similares nas quais se rechaçou a gestão governamental ante a pandemia da Covid-19, o uso de máscaras e a crise econômica também foram realizadas em Mar del Plata, Corrientes, Salta e Córdoba. 

Mobilizações nas quais se rechaçou a gestão governamental ante a pandemia, o uso de máscaras e a crise econômica também foram realizadas em outros pontos do país

Twitter / Cristina Kirchner
O presidente argentino considerou que rodear a moradia da ex-presidenta Cristina Kirchner “prejudica a convivência democrática”.

O presidente, Alberto Fernández, considerou que rodear a moradia da também ex-presidenta Fernández de Kirchner (2007-2015) “só fomenta a brecha e prejudica a convivência democrática” e agregou que “dissentir com um governo é parte da democracia, mobilizar-se, ainda com o risco que a pandemia implica, também, mas promover uma convocação a um protesto no domicílio de uma pessoa é uma afronta para a democracia”.  

Por sua parte, o chefe de gabinete, Santiago Cafiero questionou severamente que se incluísse o endereço da vice-presidenta como um dos pontos de concentração. Sustentou que é evidente que estes opositores “não defendem a República nem respeitam as instituições, são os profetas do ódio; nós propomos a esperança e a democracia”. 

Por sua vez, o ministro de Defesa, Agustín Rossi, assinalou que tanto Bullrich como Macri ao convocar para a frente da casa de Fernández de Kirchner se mostram como “covardes e canalhas”. Junto com eles cita os diários Clarín e La Nación que “são os que querem socavar nosso governo”.

O ministro do Interior, Wado de Pedro recordou que o governo de Macri deixou um “país quebrado, endividado, com alta inflação. Perderam as eleições. É a primeira vez que um presidente não é reeleito, nem sequer pode passar ao segundo turno. No entanto, há seis meses saem em caravana, insultam, agridem e não se responsabilizam com nada” e agregou que “o macrismo e o Clarín” ao convocar a uma marcha diante do domicílio da vice-presidenta, “não defendem a República nem respeitam as instituições, são os profetas do ódio”. 

Em outra tentativa de escracho, alguns grupos foram decididos a rodear a residência presidencial de Olivos, mas se encontraram com que antes haviam chegado vários movimentos políticos e sociais para resguardar o lugar e esteve a ponto de produzir-se um enfrentamento. Também foi denunciado que um grupo foi diante do sanatório do sindicato do Caminhoneiro convertido em um local para pacientes com Covid-19, e não só gritaram mas bateram panelas, apesar de haver pacientes internados.

Nesta situação, a militância peronista da Frente de Todos, se preparava para sair este 17 de outubro em manifestações multitudinárias como sempre se fez, recordando o mesmo dia de outubro de 1945, quando uma multidão de operários abandonou seu trabalho e marchou para a Praça de Maio para pedir a liberdade do então coronel Juan Domingo Perón encarcerado pelo governo militar de 1943 e quem, como secretário de Trabalho começou a defender os operários.  

Histórico momento foi esse 17 de outubro quando meio milhão de trabalhadores conseguiu a liberdade de Perón. Nesse dia nasceu o peronismo que continua até hoje como o maior partido político do país. 

Para recordar este dia e levando em consideração a situação sanitária o governo de Fernández, centrais sindicais e todos os que apoiam à oficialista Frente de Todos, propuseram reunir virtualmente um milhão de pessoas, em distintos lugares, diante das quais falará o presidente para recordar esse Dia da Lealdade. 

Isto tem sido muito difícil de acertar, porque são milhares de militantes que creem que “já é hora de mostrar a realidade”, a capacidade do peronismo no governo de mover verdadeiras multidões, o que a direita nunca pode conseguir neste país, “nem nesses momentos quando está aproveitando o tema da pandemia e da quarentena, desafiando tudo e sabendo que a Frente de Todos deve mostrar sua responsabilidade perante a população em momentos em momentos em que os contágios dispararam, a partir da saída à rua sem controle como dispõe o governo da cidade”, sustentaram dirigentes sociais. 

Em alguns lugares do interior saíram também alguns tratores em representação dos grande produtores agrários. Embora não tenha havido marchas importantes em números, a forma violenta de agir agregada ao recente protesto policial, quando fardados com armas rodearam a residência presidencial e também em La Plata a casa do governador do província, Axel Kicillof, deixaram uma imagem muito perigosa nestes momentos que vive a região. 

* Stella Calloni é colaboradora de Diálogos do Sul desde Buenos Aires.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Stella Calloni Atuou como correspondente de guerra em países da América Central e África do Norte. Já entrevistou diferentes chefes de Estado, como Fidel Castro, Hugo Chávez, Evo Morales, Luiz Inácio Lula da Silva, Rafael Correa, Daniel Ortega, Salvador Allende, etc.

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei