Pesquisar
Pesquisar

Agências de inteligência estrangeiras, como a CIA, estão intervindo nas eleições, diz sociólogo

Alinhamento automático de Bolsonaro ao presidente Donald Trump seria de grande interesse para os Estados Unidos
Redação Prensa Latina
Prensa Latina

Tradução:

O que vem sucedendo hoje no Brasil evidencia a intervenção de agências de inteligência estrangeiras, principalmente a norte-americana CIA, na disputa eleitoral, alertou o especialista em relações internacionais Marcelo Zero.

O modus operandi exibido nesta reta final é idêntico ao utilizado em outros países e demanda recursos técnicos e financeiros em um grau de sofisticação manipulativa dos quais a campanha do candidato da extrema direita Jair Bolsonaro não parece dispor, sublinhou o sociólogo.

Alinhamento automático de Bolsonaro ao presidente Donald Trump seria de grande interesse para os Estados Unidos

Prensa Latina
Ilustração

A julgamento do assessor do Partido dos Trabalhadores (PT) no Senado, “a CIA e outras agências estão aqui, atuando de forma extensa”, o que demandaria uma investigação séria que aparentemente não ocorrerá, salvo que alguém da esquerda difunda alguma informação duvidosa.

Em um comentário publicado no diário digital Brasil 247, Zero assinalou ademais que o crescimento do “fascismo bolsonarista” na reta final da campanha, impulsionado entre outros fatores por uma avalanche de fake news (notícias falsas) disseminadas pela internet, não chega a surpreender.

Trata-se, explicou, de uma tática já antiga desenvolvida pelas agências americanas e britânicas de inteligência, com o propósito de manipular a opinião pública e influir em processos políticos e eleições.

Nesse sentido aludiu aos milhares de ataques lançados nos últimos dias através das redes sociais contra os candidatos a presidente e vice-presidente da República pela coalizão O povo feliz de novo, Fernando Haddad e Manuela D’Ávila, mediante a manipulação de fotos, vídeos e a difusão de declarações absolutamente falsas.

‘Por isso, nos parece óbvio que há um dedo, ou mãos inteiras, de agências de inteligência estrangeiras, principalmente norte-americanas, na disputa eleitoral do Brasil’, alertou.

O sociólogo enfatizou assim mesmo que um eventual triunfo do protofascista Bolsonaro agravaria a crise político-institucional e econômica pela qual atravessa o Brasil e isso resultaria de muita utilidade aos interesses daqueles que pretendem apoderar dos recursos estratégicos do país e das empresas brasileiras.

Levado ao limite, o golpe poderá ser aprofundado por uma “solução de força” apoiada pelo Poder Judicial e pelos militares, o qual abriria as portas a retrocessos ainda maiores que os conseguidos pelo atual governo de Michel Temer.

Ademais, desde o ponto de vista geoestratégico, o novo alinhamento automático de Bolsonaro ao presidente Donald Trump seria de grande interesse para os Estados Unidos na região, que teria no Brasil a uma ponta de lança não só contra Venezuela, mas também contra China e Rússia, indicou.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei