Pesquisar
Pesquisar

Agricultores da Europa intensificam protestos e alcançam reivindicações na UE e Itália

A mobilização segue intensa na Catalunha, onde setor pede o fim dor normas que qualificam como "competição desleal"
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

Os agricultores da Catalunha intensificaram seus protestos depois de alguns dias de trégua e após conseguir entrar em Barcelona e ter reuniões com as principais instituições da comunidade autônoma

A Unión de Pageses, que agrupa a maioria dos trabalhadores do campo, se mobilizou com seus tratores na região e bloquearam algumas rodovias da comarca, além de bloquear a circulação no principal mercado de Barcelona, Mercabarna, e do Porto de Tarragona. O governo espanhol decidiu finalmente se reunir com os representantes da mobilização para tentar alcançar um acordo que ponha fim à paralisação nacional indefinida em curso.

Impacto de mudança climática na agricultura coloca Europa em sério risco de crise alimentar

O setor primário catalão, assim como no resto da Espanha, continua se mobilizando e reclama pelo fim ao que eles chamam de “a competição desleal dos produtos que não cumprem os estândares europeus, a defesa do modelo europeu na fronteira e a necessidade de uma reciprocidade nas relações comerciais sobre o uso de fitossanitários, medicamentos e medidas veterinárias, e condições ambientais”. 

Só na Catalunha, onde se registraram os protestos mais importante da jornada, os tratores se deslocaram até Mercabarna a partir de várias comarcas agrícolas, como o Baix Llobregat e Anoia, enquanto os que se dirigiram ao Porto de Tarragona procediam dos municípios agrícolas dessa província e das Terras do Ebro. Durante seus deslocamentos, fizeram barricadas com pneus e fogueiras que geraram tensão com a polícia.

Além dos protestos na Catalunha, também houve bloqueios de tráfego nas províncias de Sevilha, Granada, Jaén, Cádiz, Zaragoza, Burgos, Soria, Valladolid e Madri, entre outras.  

A mobilização segue intensa na Catalunha, onde setor pede o fim dor normas que qualificam como "competição desleal"

Foto: Union de Uniones / X
Tratores mobilizados em Mercabarna, na Espanha

Detenção e multas

O ministério do Interior espanhol informou que desde o princípio dos protestos foram detidas 33 pessoas, identificadas 8.415 e multadas 3.176. 

Após o governo espanhol, nos primeiros dias das mobilizações, chamar os agricultores de “manipulados pela extrema-direita”, retificou e decidiu convocar uma reunião com as principais organizações do setor, como Asaja, COAG e UPA, com as quais se encontraria nesta quinta-feira (15), na sede do Ministério de Agricultura e Pesca, em Madri. 

Ações do Governo da Catalunha para enfrentar seca histórica atingem 6 milhões de pessoas

Entretanto, em Bruxelas, a Comissão Europeia aprovou o regulamento pelo qual se suspende durante 2024 a obrigação prevista de que os agricultores mantenham uma porcentagem de suas terras cultiváveis em repouso. A medida entrou em vigor nesta quarta-feira (14) e será aplicada de maneira retroativa.

Na Itália, o governo aprovou medidas de redução fiscal para neutralizar o protesto dos agricultores, ao anunciar que firmou um pacto para desbloquear em torno de 200 milhões de euros para o setor, a redução de 50% do Imposto sobre a Renda das Pessoas Físicas, além incluir uma emenda no decreto-lei sobre prorrogações normativas e obrigações fiscais, que deverá passar pelo Parlamento.

Armando G. Tejeda | La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Lin Jian - China
China expõe contradições da UE sobre Direitos Humanos e critica interferências
sudao-refugiados
Fugir da guerra para passar fome nos países vizinhos: o martírio dos refugiados do Sudão
ngel Víctor Torres
Abandono da memória histórica deu espaço à ultradireita na UE, afirma ministro espanhol
berlim-afd-alemanha
Leste da Alemanha votou na ultradireita por revolta contra desigualdade, afirma especialista