Pesquisar
Pesquisar

Água: Eixo da paz e da guerra

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Walter Tesch*
Participação Construtiva evita a tragédia dos usos comuns

Agua eixoA água é recurso natural de valor econômico e imprescindível a vida e sobrevivência de uma comunidade. Só se reconhece quando falta. São Paulo é o Estado de maior PIB no Brasil, primeiro que implantou uma gestão participativa e o maior conglomerado humano da América Latina que enfrenta uma crise de grande impacto econômico, social e político..

A gestão da Bacia Hidrográfica como base de planejamento para a preservação das condições de produção e conservação da água é o único caminho frente ao aumento das necessidades de água para energia, alimentos e abastecimento. Um recurso limitado demanda racionalizar pactuar sua gestão para evitar conflito de uso.
Os Comitês de Bacias é o espaço público apto a desenvolver conceitual e praticamente a gestão descentralizada pacífica de bens naturais limitados.
É neste contexto que situamos este dossier da gestão das águas em uma perspectiva de território sustentável.
Os atores que intervém nos Comitês de Bacias podem ter que enfrentar dois tipos de tragédias com pactos inadequados: a Tragédia de Usos Comuns, a situação em que vários indivíduos (usuários agindo racionalmente e com interesses imediatistas se colocam de acordo para exaurir os recursos comuns limitados como pastagens, águas superficiais e subterrâneas, florestas, resistindo a uma gestão compartilhada comum. A outra face da moeda é a Tragédia dos anti usos comuns, neste caso, quando arguindo direito individual ou propriedade de patentes, um ou vários proprietários podem limitar o acesso a um bem comum necessário. Se o bem não é vital pode não ser significativo, mas se ele for vital como a água pode provocar tragédias concretas.
Por esta razão, o desafio da espécie humana é gerir com racionalidade bens limitados de uso comum evitando conflitos e tragédias de alto custo econômico e social ou até extinções (recorde Ilha da Pascoa, Lago Aral). Este é o desafio mediador da gestão pública das águas.
*Jornalista e sociólogo, colabora com Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia