Pesquisar
Pesquisar

Alba: Intentona separatista de 2009 foi mais séria ameaça contra integridade da Bolívia

"Mercenários foram trazidos ao país para organizar um exército irregular e executar um plano separatista", afirma secretário executivo da aliança
Redação Pátria Latina
Prensa Latina
Caracas

Tradução:

O secretário executivo da Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa AméricaTratado de Comércio dos Povos, Sacha Llorenti, avaliou, na última quinta-feira (29), como a mais séria ameaça contra a integridade da Bolívia a intentona separatista de 2009.

“Mercenários foram trazidos ao país para organizar um exército irregular e executar um plano separatista. Essa é uma verdade histórica”, afirmou o político de origem boliviana em sua conta no Twitter.

Assista na TV Diálogos do Sul

Llorenti enfatizou que essa intentona separatista, derrotada na Bolívia em 2009, “foi a mais séria e grave ameaça à integridade territorial desde a Guerra do Chaco”. 

Entre 2008-2009, forças reacionárias nacionais da direita, com o apoio de mercenários estrangeiros, tentaram dividir o país ao provocar violência e caos no Estado plurinacional, além de planejar um magnicídio contra o então presidente Evo Morales.

Nessa ocasião, foi aberto o denominado Julgamento por Terrorismo Separatista, que enviou à prisão alguns dos que promoveram a intentona divisionista. Eles foram libertados pela justiça após o golpe de estado de 2019, depois de umas eleições nas quais Morales foi vencedor.

"Mercenários foram trazidos ao país para organizar um exército irregular e executar um plano separatista", afirma secretário executivo da aliança

Prachatai – Flickr

Em sua conta no Twitter, Evo demandou que o Ministério da Justiça reabra processo para enviar à prisão de maneira exemplar os implicados




“Defender a Pátria do Separatismo”

Há alguns dias, o tema novamente saiu à luz com a divulgação de um documento firmado por 49 ex-ministros e ex-ministras, intitulado “Defender a Pátria do Separatismo junto a Evo”, no qual reafirmaram a posição de compromisso daqueles que enfrentaram a intentona separatista.

Em sua conta no Twitter, o líder boliviano demandou na véspera ao Ministério da Justiça reabrir esse processo para enviar à prisão de maneira exemplar os implicados no plano separatista orquestrado pela direita.

Morales assinalou que o Ministério da Justiça confirmou que o processo foi arquivado arbitrariamente pelo governo de Jeanine Áñez, a qual cumpre hoje sanção pelos acontecimentos de novembro de 2019. 

“Corresponde a esse Ministério denunciar esse fato e reabrir o caso para alcançar uma sanção exemplar aos que atentaram contra a unidade da Pátria”, expressou o líder do Movimento ao Socialismo – Instrumento Político pela Soberania dos Povos. 

Redação Prensa Latina


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Pátria Latina

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei