Pesquisar
Pesquisar

Aldeia indígena atingida pela lama reclama do descaso da Vale e de autoridades de MG

A comunidade Pataxó com 65 índios vive em função do Rio Paraopeba, a 22 km de Brumadinho. O nível da água já subiu e peixes mortos foram retirados do local
Pedro Durán
Revista IHU On-line

Tradução:

A lama que escorreu da barragem de Feijão chegou até a aldeia indígena de uma tribo Pataxó que tem 65 índios. A tribo vive às margens do Rio Paraopeba, por onde escorreu a lama, a 22 km de Brumadinho. Eles vieram para cá de vários lugares em novembro de 2017. Juntando as etnias Pataxó e Pataxó Hã-hã-Hãe, que vieram da Bahia, mas também já tem mistura de negros e europeus.

As águas do rio serviam de lazer e sustento para 17 crianças, dois idosos, sete mulheres grávidas e 34 adultos. O cacique Hayô conta que a comunidade vivia em função do Rio. “A água para gente é tudo. Não só para a gente, como também para os animais. Agora, não podemos usar para mais nada”, lamenta.

A equipe da CBN foi com eles até um acesso à margem do rio, que fica a poucos metros da aldeia por uma pequena trilha. Na beira, a vara enfiada na margem mostrava que de ontem pra hoje o Paraobeba já subiu de nível, como explicou o guarda indígena Tarrão. “Já dá para ver que a lama invadiu um pouco mais. Peixe aqui não existe. Só morto”, conta o guarda.

A comunidade Pataxó com 65 índios vive em função do Rio Paraopeba, a 22 km de Brumadinho. O nível da água já subiu e peixes mortos foram retirados do local

Racismo Ambiental
A comunidade Pataxó com 65 índios vive em função do Rio Paraopeba

Ontem, a Funai esteve no local e trouxe doações, especialmente de água potável já que eles bebiam a água do Rio. A mulher do cacique é presidente da Federação dos Povos Indígenas do Brasil. Ãngohó cobra explicações das autoridades, já que nem a Vale e nem a Defesa Civil não visitaram a tribo desde a tragédia.

“Ficamos olhando até onde vai a ganância dos homens. Queria saber dos governantes e do pessoal da Vale se o cérebro deles é de minério. Eles não raciocinam. Será que eles consegue dormir em paz? Imagina se o filho deles pede água e na torneira deles saísse essa água vermelha”, Lamenta Ãngohó.

Tradicionalmente, os índios fazem a Festa das Águas e fumam o timberio, um cachimbo que leva aneska, capim de aruanda, alecrim em uma mistura que eles chamam de Xanduca. Nos últimos rituais, eles agradeceram por não terem sido atingidos pela lama e pediram desculpas para natureza pelo que aconteceu.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Pedro Durán

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda