Pesquisar
Pesquisar

Além de analistas, ONU, União Europeia e EUA também expressam preocupação com destituição da Suprema Corte de El Salvador

Tanto Bukele quanto seus deputados e seus apoiadores alegam que esse tipo de expurgo foi confiado a eles pelo povo
Charly Morales Valido
Prensa Latina
San Salvador

Tradução:

El Salvador vive, embora suas autoridades o neguem, uma nova crise política: as demissões no aparelho judicial e fiscal impostas pela maioria governante no início da legislatura 2021-2024 não atingiram apenas a débil institucionalidade desta nação centro-americana, senão sua imagem internacional.
A leitura que o mundo faz do que aconteceu na sessão inaugural da nova Assembleia Legislativa (Parlamento) é que o Presidente da República, Nayib Bukele, pretende monopolizar todos os poderes do Estado, após vencer o Executivo e o Legislativo nas urnas e apreender o Judiciário ao infringir as leis.

Até a Organização dos Estados Americanos, que fez vista grossa quando Bukele militarizou a Assembleia em fevereiro de 2020, rejeitou a destituição dos magistrados da Câmara Constitucional do Supremo Tribunal de Justiça e do procurador-geral, Raúl Melara, por meio de procedimentos irregulares.

As Nações Unidas, a União Europeia, os observatórios internacionais dos direitos humanos e mesmo o governo dos EUA, que Bukele costumava considerar o seu “parceiro de confiança”, expressaram preocupação com a violação do princípio da separação de poderes e a falta de independência do sistema judicial.

Tanto Bukele quanto seus deputados e seus apoiadores alegam que esse tipo de expurgo foi confiado a eles pelo povo

Prensa Latina
El Salvador vive, embora suas autoridades o neguem, uma nova crise política.

Por sua vez, tanto Bukele quanto seus deputados e seus apoiadores alegam que esse tipo de expurgo foi confiado a eles pelo povo, que votou em massa pela mudança nas eleições presidenciais de 2019 e em fevereiro passado, quando o partido no poder obteve 64 dos 84 assentos da Assembleia.

“O povo não nos mandou negociar. Eles estão indo embora. Todos”, frisou Bukele em seu relato na rede social Twitter, de onde alertou a comunidade internacional o que acontece em El Salvador não é de sua conta.

No entanto, várias vozes dentro da sociedade civil não acreditam que a mudança exigida nas urnas fosse que os recém-chegados reproduzissem vícios de outrora, e fizessem e quebrassem conforme a conveniência, em nome do “povo”.

Analistas de reconhecida objetividade, como a consultora política Nayda Acevedo, observaram que ninguém garantirá que os novos magistrados e funcionários que chegarem não atenderão aos interesses daqueles que os nomearam.

Por enquanto, tudo indica que o governante vai agora buscar o atual Ministério Público de Defesa dos Direitos Humanos, o Tribunal de Contas, o Procurador-Geral da República e o Tribunal Superior Eleitoral, que são um dos poucos mecanismos que ainda propõem um contrapeso democrático neste país.

Ao mesmo tempo, os apelos à mobilização popular não penetraram muito numa cidadania dividida entre os que mais se preocupam com a sobrevivência cotidiana e os que presumem que com Bukele estão a fazer história.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Charly Morales Valido

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei