Pesquisar
Pesquisar

Além do petróleo, Rússia e Venezuela caminham para cooperação bilateral no espaço

Durante encontro entre diplomatas, os países conversaram ainda sobre as sanções aplicadas à Rússia, criticadas pela Venezuela
Redação Telesur
Telesur
Caracas

Tradução:

O chanceler da Venezuela, Carlos Faría, reuniu-se nesta segunda-feira (4) em Moscou com seu homólogo da Rússia, Serguéi Lavrov, para abordar, entre outros temas, o fortalecimento da cooperação bilateral frente às sanções do Ocidente.

Em conferência de imprensa conjunta com Lavrov, o ministro das Relações Exteriores afirmou que o Governo venezuelano “condena de maneira firme a grande quantidade de sanções que foram impostas à Federação Russa e a seus habitantes”.

Pilhagem, sanções, roubo: Até onde vão os EUA para devastar economia da Venezuela

Faría assegurou que os planos por trás dessas sanções “não cumpriram suas expectativas e a economia da Rússia segue em frente, com certos inconvenientes, mas reduzido o prejuízo que se quiz ocasionar”.

O chanceler venezuelano assegurou que a “intenção” das potências ocidentais é “fazer com que o conflito se mantenha”, enquanto elogiava a “disposição da Rússia” para sentar-se a uma mesa de diálogo para chegar a um acordo que possa satisfazer os interesses tanto da Rússia como da Ucrânia.

“Condenamos a aplicação dessas sanções ilegais contra qualquer país. Para isso existe a ONU, para atender qualquer problemática e quando qualquer de seus membros assim considerar, pode fazer uma ação desse tipo, mas não desta maneira”, acrescentou.

No encontro, ambos chanceleres ratificaram a vontade de continuar a cooperação petroleira mediante a aplicação de um acordo bilateral frente às sanções ocidentais, como afirmou Lavrov.

O alto diplomata sul-americano aproveitou para comunicar o agradecimento do governo bolivariano ao apoio de Moscou “com sua mediação na mesa de diálogo com a oposição venezuelana”.

Previamente, o titular da diplomacia russa festejou “a normalização da situação na Venezuela; vemos que graças à política responsável e competente do Governo dirigido pelo presidente Nicolás Maduro o país volta ao caminho de um desenvolvimento sustentável”.

Durante encontro entre diplomatas, os países conversaram ainda sobre as sanções aplicadas à Rússia, criticadas pela Venezuela

Carlos Faría – Twitter
O chanceler da Rússia enfatizou a capacidade de resistência do povo venezuelano frente às pressões dos EUA

Lavrov insistiu em que a economia do país sul-americano demonstra sua capacidade de resistência frente à pressão.

Além disso, observou que Moscou e Caracas consideram o congelamento das contas de Estados soberanos como “um roubo flagrante, no espírito do Velho Oeste, assim como uma violação brutal dos direitos econômicos e sociais dos cidadãos”.

Aproximação dos EUA à Venezuela prova que petróleo foi razão de ofensiva contra Maduro

Observou também que ambas as nações opõem-se às tentativas do Ocidente de promover a chamada “ordem baseada em regras”, porque “ressuscita” os costumes colonialistas do século XIX. Lavrov reiterou que a ordem internacional deve reger-se pela Carta da ONU.

Os diálogos, que se realizam com a presença do embaixador da Rússia em Caracas, Serguéi Mélik-Bagdasárov, ocorrem como parte da primeira visita como chanceler de Faría à Rússia, que se estenderá até a próxima terça-feira.

Depois do encontro, Rússia e Venezuela concordaram em promover projetos na área energética, farmacêutica, industrial, de transportes e a colaboração técnico-militar. 

Em particular, Moscou e Caracas finalizaram os procedimentos necessários para a entrada em vigor do acordo de colaboração no espaço. O convênio permitirá colocar na Venezuela uma estação do sistema russo de posicionamento global Glonass.

Redação Telesur | Caracas
Tradução de Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Telesur

LEIA tAMBÉM

Venezuela-acordo (3)
Acordo de respeito às eleições entre Maduro e oposição é marco histórico para Venezuela
Rússia-Coreia-do-Norte2
Putin: Aliança com Coreia do Norte não deve preocupar, a menos que um de nós seja atacado
ngel Víctor Torres
Abandono da memória histórica deu espaço à ultradireita na UE, afirma ministro espanhol
Pierre-Yevenel-Stephan
Pierre Stephan: conheça o primeiro ginasta do Haiti a disputar as Olimpíadas em 124 anos