Pesquisar
Pesquisar

Algo além da hegemonia dos EUA está em jogo na Guerra na Ucrânia: a ideia de democracia

Para o economista Michael Hudson, Washington representa o império global hostil às sociedades que não se abrem para que sejam saqueadas
Alfredo Jalife-Rahme
La Jornada
Cidade do México

Tradução:

Enquanto lia o livro seminal O Destino da Civilização: Capitalismo Financeiro, Capitalismo Industrial ou Socialismo, o investigador econômico da Universidade do Missouri e associado do Instituto Levy, Michael Hudson, epitomiza um dos mais lúcidos economistas  – na minha opinião, com o francês Thomas Piketty – com uma abordagem geopolítica no Ocidente, que deixou muito para trás os vencedores artificiais do Prêmio Nobel norte-americano Paul Krugman e Joseph Stiglitz, ligados aos interesses financeiros de Wall Street e dos Clintons.

A partir do fractal da sua lucidez atípica, no meio do desastre ocidental, Michael Hudson toma o tempo sereno para meditar sobre o inelutável epílogo do Ocidente (seja lá o que isso significa). Ele não está sozinho: o notável judeu gaulês progressista Thierry Meyssan também aborda impecavelmente “A Agonia do Ocidente”.

Assista na TV Diálogos do Sul

Nos antípodas da respeitável cosmogonia judaica, o czar neoliberal globalista, o mega-especulador com a máscara de um filantropo, George Soros, no Fórum de Davos, proclamou o perigo de extinção da civilização ocidental face à Rússia e à China (bit.ly/3O2dQ0V). Depois advertiu no portal Die Welt que num futuro próximo a UE poderia tornar-se um “regime repressivo”. Como se já não fosse!

Para o economista Michael Hudson, Washington representa o império global hostil às sociedades que não se abrem para que sejam saqueadas

Capa do livro “Desintegração: indicadores do próximo colapso do império americano” (Reprodução)
Michael Hudson recomenda restaurar um Estado forte que possua os bens e serviços públicos e que não os entregue aos interesses privados




Dívida dos impérios

MH aborda o impublicável tema da dívida desde os impérios grego e romano, passando pelas aristocracias medievais, até a hegemonia da dupla Wall Street/ City (Londres), que fraturou as sociedades entre uma classe rentista e as plebes endividadas. 

Comenta que seu país, EUA, representam o império global que ameaçam, pela via hostil, a todas as sociedades que não se abrem aos seus mercados financeiros para serem saqueadas pelos oligarcas estadunidenses.

Bem: até na Suíça se preocupam pelo atraco das reservas da Rússia por mais de 350 bilhões de dólares, como parte das sanções catastróficas de Biden.

Na opinião de Hudson, tal cleptocracia financista global constitui o núcleo do conflito conforme a China, a Rússia, o Irã e a Venezuela, que se desenvolveram a partir de diferentes tradições. Essas nações se recusam sucumbir às demandas dos EUA, os quais “costumam resolver tais ‘problemas’ pela força, mas que, agora, sejam provavelmente demasiado débeis para consegui-lo”. Os “EUA, com sua nova guerra fria, tem o objetivo de assegurar justamente tal tributo econômico de outros países”. O conflito seguinte pode durar talvez 20 anos e determinará que gênero de sistema econômico e político terá o mundo. 

Para Hudson, está em jogo mais que a hegemonia dos EUA e seu controle dolarizado das finanças internacionais e da criação de dinheiro já que, do ponto de vista político, o tema nodal é a ideia de democracia que se tornou um eufemismo para uma oligarquia financeira agressiva que busca impor-se globalmente mediante seu controle econômico e político respaldado pela força militar. Nada mais que agora, no meu entender, a economia da China é mais poderosa e o poder militar da Rússia ultrapassou os EUA com seus miríficos mísseis hipersónicos nucleares.

Ao declarar fim da era unipolar, Tony Blair admite os erros do Ocidente

Michael Hudson aconselha que é mais necessário que nunca acabar com a classe rentista – no meu entender, disfarçados de filantropos que hoje com seu 0,2% controlam a Ucrânia, com o oligarca gangster Ihor Kolomoisky, imerso com o comediante Zelensky nos Pandora Papers.

Finalmente, Michael Hudson recomenda restaurar um Estado forte que possua os bens e serviços públicos e que não os entregue aos interesses privados.

Vaticina que o mal-estar iminente pode ajudar a consegui-lo. 

Alfredo Jalife-Rahme | Especial La Jornada
Tradução de Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Alfredo Jalife-Rahme

LEIA tAMBÉM

Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Palestina-EUA-Israel
EUA tentam se safar! Israel usa, sim, armas estadunidenses para matar palestinos em Gaza
Bandeira-Geórgia
Geórgia: lei sobre “agentes estrangeiros” aumenta tensão entre governo e oposição