Pesquisar
Pesquisar

Alinhados aos EUA, Reino Unido e Austrália defendem Apartheid israelense contra resistência árabe

Junto aos Estados Unidos e Canadá, os países anglo-saxões formam o Sistema Cinco Olhos, a aliança incondicional que comuta dados de inteligência e operam instalações conjuntas
Bruno Beaklini
Diálogos do Sul Global
Porto Alegre (RS)

Tradução:

Estamos diante de uma nova ofensiva sionista dentro da opinião publicada dos países ocidentais. Ao mesmo tempo, o debate na esfera pública é contaminado pela ação direta e indireta de institutos, redes de influência, empresas de marketing digital e movimentos identitários relacionados aos postulados do Ministério de Assuntos Estratégicos e Diplomacia Pública do Estado Colonial do Apartheid na Palestina Ocupada

A etapa contemporânea da luta pela libertação de todo o Bilad al-Sham (atuais territórios do Líbano, Palestina, Síria e parte da Jordânia) é  marcada pela disputa por “corações e mentes”, principalmente em países onde há uma grande colônia e diáspora árabe (caso brasileiro), ou onde o núcleo central das estruturas de poder são aliadas da entidade invasora.

Diante disso, a partir de outubro de 2015, o inimigo orienta seu ministério específico a lutar contra as campanhas de tipo boicote, desinvestimento e sanções (BDS), e também em oposição às bandeiras políticas das forças que lideram a resistência em nossos países de origem. Segundo o próprio site oficial, as “Responsabilidades do Ministério” são: 

“Liderando a campanha contra as ações de deslegitimação anti-Israel e boicote. A formação, inclusão e coordenação de esforços governamentais para o enfrentamento do fenômeno em todas as suas vertentes. Isso inclui diplomacia, consciência, atividade acadêmica, econômica, cultural e jurídica. Inclui orientação profissional aos ministérios do governo em todos os assuntos relacionados às suas atividades relacionadas à campanha, incluindo atividades e eventos em Israel e no exterior, ao mesmo tempo em que fortalece as atividades de órgãos civis que operam no campo. A formação de banco de dados atual e atualizado com foco na construção da infraestrutura de conhecimento da campanha e sua acessibilidade às autoridades competentes. Representar a posição do governo (de Tel Aviv) em relação às campanhas das organizações não governamentais em Israel e ao redor do mundo, e trabalhar com elas para promover os objetivos da campanha e suas estratégias”.

O ministério acima é um complemento das pastas da “Defesa” do Estado invasor e de relações exteriores também. Na guerra de ocupação, assim como as forças alemãs invasoras da França, os ocupantes se esforçam para ilegalizar e perseguir as redes da sociedade civil que apoiam a resistência. Qualquer semelhança com o magistral filme de Costa Gravas, “Sessão especial de Justiça”, não é nenhuma coincidência. 

Sorrateiramente, novo governo sionista de Israel continua colonização de terras palestinas

Israel condenada pela Anistia Internacional 

Trinta dias antes dessas decisões absurdas de Londres Camberra, o Ministério da Defesa de Israel classifica como “terrorista” seis ONGs palestinas. Alegam que estas entidades são vinculadas à Frente Popular pela Libertação da Palestina, partido histórico da esquerda palestina, que disputa eleições e postos-chave dentro da pouca institucionalidade permitida pelo ocupante. 

Em 22 de outubro, o ministro Benny Gantz – ex-quase premiê ao lado de Bibi Netanyahu – também conhecido como o “carniceiro de Gaza”, criminaliza as seguintes organizações: Addameer (palavra em árabe para “consciência”), al-Haq (palavra para “justiça”, Defesa das Crianças da Palestina (DCI), União dos Comitês de Trabalho Agrícola, Centro Bisan para Pesquisa e Desenvolvimento e Comitê da União das Mulheres Palestinas.

Na frente internacional não é diferente. As operações pró-Apartheid são contínuas e implicam na tentativa de criminalizar os atos e campanhas nacionais a favor das organizações que lideram a resistência árabe (como conjunto de povos árabes invadidos por europeus) contra o belicismo sionista. Vejamos, a seguir, dois casos de novembro de 2021.

Junto aos Estados Unidos e Canadá, os países anglo-saxões formam o Sistema Cinco Olhos, a aliança incondicional que comuta dados de inteligência e operam instalações conjuntas

Reprodução
Estamos diante de uma nova ofensiva sionista dentro da opinião publicada dos países ocidentais.

Reino Unido e Austrália são braços do anglossionismo 

Austrália é uma colônia de povoamento branca, que fala inglês. Foi “colonizada” pelo Reino Unido (a Grã Bretanha liderada pela Inglaterra). A frota naval inglesa levou milhares e milhares de camponeses “indesejados”, ex-presidiários em reabilitação, penas comutadas e uma meta: “Povoar” a ilha continente e coloca-la na órbita do mundo anglossaxão. O mesmo vale para a Nova Zelândia, a irmã mais nova. Camberra e Wellington conformam almas gêmeas cuja “alma mater” está na potência separada do continente europeu pelo Canal da Mancha, outrora formada por corsários e flibusteiros. No século XXI e em especial após o Brexit, foi alimentada pela canalização da agiotagem mundial. 

Não é exagero deste que escreve, mas uma constatação. Junto aos Estados Unidos e Canadá, os países anglo-saxões formam o Sistema Cinco Olhos, a aliança incondicional que comuta dados de inteligência e operam instalações conjuntas, como a base de Pine Gap, no “outback”, o equivalente ao sertão australiano – “naturalmente” uma base militar sobre território aborígene invadido.  

Em 23 de novembro de 2021, a Ministra dos Assuntos Internos da Austrália, Karen Andrews, afirmou que: “A organização xiita apoiada pelo Irão “continua a ameaçar com ataques terroristas e a apoiar organizações terroristas” e é uma ameaça ‘real’ e credível à Austrália”. O governo de Camberra classificou a totalidade do Hezbollah como “organização terrorista”, comparando o partido líder da resistência libanesa com movimentos neonazistas e supremacistas brancos. A absurda comparação foi feita com um partido político, participante do parlamento do Líbano e sempre com presença em ministérios de seguidos governos. 

Já no dia 26 de novembro de 2021, o parlamento britânico aprova a proposta do primeiro ministro do Partido Conservador, Boris Johnson, classificando a integralidade do Hamas como “organização terrorista”. Diante dessa decisão legal, passa a ser crime com penas de até 14 anos, difundir as posições políticas do partido líder da resistência palestina e responsável pela organização do mundo da vida em Gaza, sob o cerco da entidade sionista desde o ano de 2006.

Embora a classificação integral de “terrorista” seja nova, a criminalização da luta e da resistência não é nada nova. 

“Eu era manipulado a achar que palestinos eram terroristas”, diz cartunista Joe Sacco

Quem são os terroristas?

Quando um caça israelense bombardeia uma área residencial densamente povoada, pratica um ato terrorista autorizado pelo parlamento do Estado do Apartheid e pelo congresso do Império estadunidense. Quando agentes do Mossad sequestram e assassinam militantes políticos da resistência árabe ao redor do mundo, cometem atos terroristas. 

Quando a população nativa, composta por famílias que residem no local há milênios, se organiza e busca formas para assegurar suas terras e lares, estão cometendo atos de resistência. Quase sempre, os imperialistas e seus prepostos classificam quem resiste como “terrorista” e a si como “forças da ordem”.  

Imperialismo e disputa de poder no Sistema Internacional no século 21: periodização e conceitos básicos

O Reino Unido denominou como “terrorista” ou “bandido” a uma parcela considerável da humanidade, criminalizando todas as organizações que tentaram se livrar do império britânico. A Austrália secundou os Estados Unidos em todas as suas guerras asiáticas – incluindo Afeganistão e Iraque – “caçando” terroristas, justamente quem se organiza para de alguma forma defender suas terras. 

Como todo território organizado como “colônia de povoamento” de invasores europeus, a única forma de garantir essa troca de população é promover a limpeza étnica através de seguidos pogroms. Talvez por isso exista tanta consonância entre os gabinetes ingleses, australianos, estadunidenses e sionistas no seu ódio e cinismo aos partidos da resistência dos povos árabes. 


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Bruno Beaklini

LEIA tAMBÉM

Pedro Sánchez Apresenta Plano de Regeneração Democrática no Congresso Espanhol
Pedro Sánchez apresenta ações contra fake news enquanto lei mordaça segue em pauta
Afeganistão: os talibãs avançam rumo ao reconhecimento internacional
Talibãs no Afeganistão ampliam cooperação e avançam para ganhar legitimidade internacional
Republicanos atraem voto latino para Trump em meio a ataques a imigrantes
Republicanos prometem 50% do voto latino enquanto líderes atacam imigração ilegal na convenção
China e Rússia iniciam manobras militares conjuntas em resposta à expansão da OTAN
Manobras militares China Rússia são uma resposta à expansão da Otan na Ásia