Pesquisar
Pesquisar

Ambiente político brasileiro precisa se normalizar para o dólar cair, diz economista

Segundo o economista Otto Nogami, professor do Insper, o déficit em transações correntes faz com que o investidor estrangeiro se afaste do Brasil
Redação Sputnik Brasil
Sputnik Brasil
Rio de Janeiro (RJ)

Tradução:

O dólar fechou nesta última terça-feira (26) cotado a R$ 4,239. Durante o dia chegou a bater R$ 4,27, o maior valor nominal da história sobre o real.

A alta foi uma reação dos investidores às declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, que afirmou que o câmbio de equilíbrio “tende a ir para um lugar mais alto”.

Na segunda-feira (25), o ministro disse, em entrevista coletiva na embaixada brasileira em Washington, que “é bom se acostumar com juros mais baixos por um bom tempo e com o câmbio mais alto por um bom tempo”.

Em entrevista à Sputnik Brasil, o economista Otto Nogami, professor do Insper, disse que um dos motivos principais que levaram a alta do dólar é o ambiente político brasileiro.

Segundo o economista Otto Nogami, professor do Insper, o déficit em transações correntes faz com que o investidor estrangeiro se afaste do Brasil

PxHere
Nesta última terça-feira (26), o dólar chegou a bater R$ 4,27, o maior valor nominal da história sobre o real.

“A tendência é que na medida que o ambiente econômico se normalize, a taxa de câmbio retroceda. Essa é pelo menos a percepção que a gente tem levando-se em conta que, teoricamente falando, a taxa de câmbio deveria estar em um patamar bem mais baixo”, disse.

Segundo Otto Nogami, a curto prazo é possível que os efeitos mais imediatos no bolso do consumidor é de que ele verá um aumento no preço dos produtos, já que a indústria brasileira depende de produtos importados.

“A indústria vai depender do produto importado então há um arrefecimento com relação a produtos que se destinam ao consumo das famílias”, afirmou.

Leia também

Brasil já detém 7,2% dos desempregados do planeta, resultado das medidas pós-golpe

O Brasil viu nos últimos meses uma piora dos números das suas contas externas. Dados divulgados pelo Banco Central mostram que o país teve déficit em transações correntes de US$ 45,657 bilhões nos dez primeiros meses deste ano, um aumento de 41% na comparação com o mesmo período de 2018.

Otto Nogami diz que o déficit em transações correntes faz com que o investidor estrangeiro se afaste do Brasil.

“O investidor estrangeiro direto, aquele que vem investir no setor produtivo da economia, sem dúvida alguma ele terá uma certa cautela em função do cenário que se apresenta”, analisou.

Leia também

Com reforma previdenciária, bancos vão estourar de ganhar dinheiro, diz economista

De acordo com Otto Nogami a maneira como o governo do presidente Jair Bolsonaro se comunica acaba gerando uma incerteza na sociedade brasileira em relação à economia.

“Na medida que a própria sociedade começa a ter uma percepção de incerteza com relação tanto ao cenário político quanto ao cenário econômico, isso faz com que a percepção de uma retomada do crescimento acabe se postergando”, completou o economista.

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Sputnik Brasil

LEIA tAMBÉM

crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor
Javier_Milei_and_Santiago_Abascal_(cropped)
Superávit de Milei é ilusionismo contábil: a verdade sobre a economia Argentina
Desigualdade_FMI_Banco-Mundial
Em Washington, Brasil adverte: FMI e BM seguem privilegiando EUA e outros países poderosos