Pesquisar
Pesquisar

Ameaça de morte contra González é novo capítulo da violência política na Colômbia

Ministério Público investiga pessoa que teria afirmado possuir bombas para atentar contra a candidata à presidência favorita nas pesquisas
Redação Hora do Povo
Hora do Povo
São Paulo (SP)

Tradução:

A candidata oposicionista à presidência do Equador, Luisa González, denunciou nesta sexta-feira (2) ter sido ameaçada de morte e que, pelo clima reinante no país, aceitou receber segurança das Forças Armadas até o segundo turno das eleições, no dia 15 de outubro.

“Hoje recebi ameaças contra a minha vida por ser a candidata com maior probabilidade de ganhar a presidência”, declarou a representante do movimento Revolução Cidadã, do ex-presidente Rafael Correa (2007-2017), atualmente exilado político na Bélgica.

Assista na TV Diálogos do Sul

De acordo com González, “o Ministério Público está investigando uma pessoa, de sobrenome Mansilla, que teria afirmado possuir bombas para atentar contra a minha vida”. “Diante disso, tenho que dar uma triste notícia: estou usando colete à prova de balas”, assinalou a candidata, ressaltando que os equatorianos voltarão às urnas para “defender a democracia e fazer com que a segurança seja para todos”.

Vitoriosa nas urnas em 20 de agosto, Luisa, obteve 33,61% do eleitorado contra 23,47% do direitista Daniel Noboa, filho do bilionário Álvaro, alcançando mais de 10% de diferença, mas não os 40% de votos necessários para definir a disputa já no primeiro turno.

Vencedora do 1º turno, Luisa convoca Equador a derrotar multimilionário Noboa, o “Lasso 2.0”

Única mulher na cédula à presidência, despontava em todas as pesquisas por seu amplo favoritismo, até que o assassinato, com três tiros na cabeça, do candidato Fernando Villavicencio, no dia 10 de agosto, alterou bruscamente o quadro.

Com grande parte da mídia identificando nos “correístas” como os “inimigos de morte de Villavicencio”, a até então obscura candidatura – que oscilava na lanterna – ganhou projeção, retirando votos de Luisa. Assim, com Villavicencio substituído na cédula pelo também jornalista Christian Zurita, que com ele havia feito uma série de reportagens sobre “casos de corrupção” de Correa, cravou 16,37% dos votos, chegando em terceiro lugar.

Continua após o banner

Na avaliação de Fidel Narvaez, ex-cônsul equatoriano em Londres, Villavicencio foi “o candidato mais anti-Correa”, sendo martirizado em um cenário de “consternação, indignação e medo” para viabilizar a realização do segundo turno.

“O assassinato de um candidato presidencial é a prova de que o Equador atinge o nível máximo de insegurança, agora refletido na violência política. Depois de ser o 2º país mais seguro da América Latina sob o governo de Rafael Correa, em apenas seis anos de governos neoliberais somos agora o 2º mais perigoso da região. A criminalidade quintuplicou devido à destruição de instituições e à falta de investimento social”, sublinhou o diplomata.

Redação | Hora do Povo


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Hora do Povo

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei