Pesquisar
Pesquisar

América Latina: Tentativas de golpe aparecem quando imperialismo sente a força do povo

Nesse mês de setembro, que possamos trazer a memória do povo chileno e o exemplo de sua luta contra o sangrento golpe militar patrocinado pelos EUA
Danilo Nunes
Diálogos do Sul Global
São Paulo (SP)

Tradução:

O século XX foi um dos períodos mais movimentados e conturbados da história mundial. Marcado por duas grandes guerras, pela ascensão do nazi fascismo na Europa e pela crise liberal de 1929, o século XX também marcou brutalmente a nossa América Latina pela imposição das ditaduras militares violentas e sangrentas que se instalaram no continente, gerando consequências tristes e desastrosas devido às repressões desumanas sofridas por toda a população.

Muitos (as) se foram e outros (as) ficaram, mas o gosto amargo da pólvora e as inesquecíveis feridas das torturas, permaneceram tatuadas nas memórias e corpos que carregam esse fardo como preço das lutas e conquistas dos direitos sociais e democracias latino-americanas. 

Entre as décadas de 60 e 80 do século passado, a América Nuestra foi tomada, ao mesmo tempo, em diferentes países pelo desespero imperialista que viveu o medo do “inimigo vermelho” e da perda de sua soberania sobre a América.

De Salvador Allende a Pablo Neruda: as perdas memoráveis de setembro no Chile

A Guerra Fria foi o contexto que levou os Estados Unidos a patrocinarem as mais violentas formas de repressão em nosso continente que já havia passado pelo sucesso da Revolução Cubana e se alinhava, cada vez mais, às ideias socialistas encabeçadas pela União Soviética.

Os ideais e as perspectivas de justiça e igualdade social, direitos dos (as) trabalhadores (as), quebra dos monopólios comerciais, econômicos e as conquistas dos direitos da mulher, negro(a), comunidade LGBTQI+, sempre assombraram o sistema que vive da exploração de uma classe hegemônica composta por uma minoria abastada sobre uma maioria vista como ameaça ao imperialismo estadunidense.

Nesse mês de setembro, que possamos trazer a memória do povo chileno e o exemplo de sua luta contra o sangrento golpe militar patrocinado pelos EUA

Reprodução
No mês de setembro, torna-se impossível apagar de nossa memória o sangrento golpe militar no Chile.

Setembro no Chile

No mês de setembro, torna-se impossível apagar de nossa memória o sangrento golpe militar no Chile, patrocinado pelos Estados Unidos que nomeou como seu representante o cruel general Augusto Pinochet que, além de roubar o poder com suas forças armadas, torturou e matou milhares de chilenos(as) artistas, professores(as), estudantes, trabalhadores(as), homens e mulheres que tombaram sonhando com um país livre e uma América Latina integrada.  

Pinochet não só afrontou os direitos humanos com suas ações cruéis e desumanas como também afrontou a vontade do povo chileno que elegeu Salvador Allende como seu Presidente e representante. 

Desde as lutas por independência nos países latinoamericanos, encabeçadas por Simón Bolívar, San Martín, entre outros, o ideal integracionista percorre toda a América Latina e sua chama acende de tempos em tempos, principalmente nos momentos em que o fascismo coloca sua cabeça para fora do armário.

Assassinato de Víctor Jara, um crime pelo qual ainda o Chile ainda chora

Vivemos esse ciclo, onde as tentativas de golpe voltam a aparecer nos momentos em que o imperialismo e o poder do capital sente a ameaça do povo que desperta em sua consciência de classe. Luta de Classe! Essa é a chave do porquê.

Nesse mês de setembro, levando em conta todas as ameaças que continuamos a sofrer, assim como no Brasil com o presidente genocida, que possamos trazer a memória do povo chileno e o exemplo de sua luta.

Allende e Victor Jara

Lembremos Salvador Allende e Victor Jara, heróis que nos mostraram caminhos para um mundo melhor e que sonhos são combustíveis para a luta.

Que possamos sonhar e lutar por direitos de classe, direitos sociais, democracia, direitos humanos e respeito. Que possamos quebrar o monopólio econômico e os bloqueios que são determinados pelo capitalismo a países como Cuba.

Assassinos de Victor Jara são condenados no Chile

Que todos os países sejam livres e soberanos e que o espírito de Bolívar se faça presente cada dia mais para que a integração latinoamericana saia da ideia para a realidade, assim seremos muito mais fortes. Como já diz a canção de Gil: Soy Loco por Ti America! 

Para saber mais, acompanhe a Sacada Cultural e a prosa com a musicista e ativista cultural chilena Cecilia Concha que falou sobre os eventos de setembro, o golpe militar do Chile e o nascimento e morte do cantor, compositor e poeta chileno Victor Jara.

Danilo Nunes é músico, ator, historiador e pesquisador de cultura popular brasileira e latinoamericana

Instagram: @danilonunes013 | Facebook: @danilonunesbr 


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Danilo Nunes

LEIA tAMBÉM

10259
A epopeia da Marselhesa: hino da revolução francesa
Octavio_Brando
O marxismo de Octávio Brandão, um barbeiro e trabalhador itinerante
Jose_Marti_Ismaelillo
Ismaelillo: o legado poético de Martí e sua relevância na América Latina
Gibiteca Balão - Foto Equipe atual e antigos integrantes_foto de João Martins_JUNHO 2024
10 anos de Gibiteca Balão: refúgio de cultura e inclusão na periferia de São Paulo