Pesquisar
Pesquisar

Amigo de Flávio Bolsonaro, novo ministro da Justiça já foi acusado de sequestro e tortura

Anderson Gustavo Torres, delegado federal, foi nomeado nessa segunda-feira (29) para comandar o Ministério da Justiça e Segurança Pública
Redação Esquerda Diário
Esquerda Diário
São Paulo (SP)

Tradução:

Evidentemente, para o capitão, históricos de tortura nunca foram um problema. Afinal, Bolsonaro homenageou algumas vezes um torturador confesso, como o Coronel Carlos Brilhante Ustra.

Leia também
“Acompanhei situações de tortura das mais terríveis”, diz padre Júlio sobre vida nas ruas

Mas dessa vez o presidente trouxe para dentro do governo, Anderson Gustavo Torres, um homem acusado de sequestrar e torturar dois rapazes suspeitos de terem assaltado uma casa de um agente da Polícia Federal de Brasília em 2007.

Anos depois, em 2018, o Ministério Público entrou com pedido de absolvição de Anderson Gustavo Torres “com base na inexistência dos fatos”, ainda que uma das vítimas torturadas recorreu ao STF e teve pedido rejeitado.

Anderson Gustavo Torres, delegado federal, foi nomeado nessa segunda-feira (29) para comandar o Ministério da Justiça e Segurança Pública

Facebook | Reprodução
Torres é acusado de sequestrar e torturar dois rapazes

Caso sinistro

O caso é sinistro, segundo denúncia dos procuradores na época, em reportagem que pode ser lida aqui, Torres e mais outros agentes da PF teriam sequestrado dois rapazes à luz do dia e diante de testemunhas.

Segundo a reportagem da revista Época: “Os dois, segundo os procuradores, foram levados para locais ermos. Algemados, foram submetidos a espancamentos em uma sessão de tortura para confessar o crime. Coelho e Castro teriam sido submetidos a asfixia por saco plástico, uma técnica muito praticada nos porões da ditadura militar (1964-1985) e imortalizada em uma cena brutal no filme Tropa de elite.

De acordo com a denúncia, dois dias depois da sessão de tortura, Coelho e Castro passaram por exames no Instituto Médico-Legal. Apesar de nada terem constatado em Coelho, os peritos identificaram lesões que teriam sido feitas com instrumento contundente em Clésio de Castro. Semanas depois, a Polícia Militar do Distrito Federal encontrou a pistola Glock e prendeu os verdadeiros bandidos, que nada tinham a ver com Coelho e Castro.”

Casos como esses não são nada estranhos ao grupo de amigos da família Bolsonaro ou mesmo dos componentes de seu governo. Com a escalada de militares nos ministérios, cabe lembrar que tal instituição nunca foi punida pelos casos comprovados de torturas, assassinatos e perseguições durante o período da ditadura.

Leia também
Das drogas à falta de vacinas: Os problemas nos ministérios encabeçados por militares

Práticas aterrorizantes, como a própria tortura, seguem existindo até hoje nas vilas e favelas do país, bem como dentro dos presídios, como denunciam inúmeras instituições de direitos humanos.

Não deixe de ler
Cannabrava | Militares não se movem na guerra contra coronavírus, em contrapartida, recebem aumento de R$ 7 bi

O uso abusivo da LSN vem na esteira do autoritarismo protagonizado pelo governo para buscar calar as vozes de todos os que criticam a gestão criminosa e assassina da pandemia e que vem agravando a enorme crise econômica no país.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Esquerda Diário

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização