Pesquisar
Pesquisar

Análise: 4 pontos para você entender a reaproximação dos EUA com a Venezuela

Visita mostra que governo paralelo de Juan Guaidó é coisa do passado, já que deixou o único lugar onde era forte: o repertório discursivo de Washington
Ociel Alí López
Resumen LatinoAmericano
Caracas

Tradução:

A alta comissão enviada pelos EUA à Venezuela, que visitou o Palácio Miraflores no sábado passado, levou ao surgimento de cenários que até poucas horas atrás eram insuspeitos.

Deve-se notar que este início de conversações não implica uma mudança extrema na política de Washington, que já vinha fazendo mudanças em sua estratégia em relação ao país latino-americano. Mas com esta visita, a reviravolta “pós-Trump”, que havia sido lenta no período que antecedeu as eleições de meio-termo em novembro, foi precipitada em um contexto de guerra e de aumento incontrolável dos preços do petróleo.

Visita mostra que governo paralelo de Juan Guaidó é coisa do passado, já que deixou o único lugar onde era forte: o repertório discursivo de Washington

Wikimedia
O presidente da Venezuela Nicolas Maduro

Uma vez que o presidente Joe Biden, em declaração na noite de terça-feira, saudou o gesto de Caracas de libertar dois cidadãos norte-americanos, um novo tipo de relações entre os dois países poderia ser iniciado, pelo menos por enquanto, em um mundo em rápida mudança.

Além disso, esta visita é uma prova de que o governo paralelo de Juan Guaidó é coisa do passado, não por sua força real, que sempre foi fraca, mas porque surgiu do único lugar onde era forte: o repertório discursivo de Washington.

Os Estados Unidos rebaixaram seu relacionamento altivo com a Venezuela ao ponto de outras coisas importarem agora. Diante da nova situação econômica e militar global, Washington não teve dúvidas sobre apressar o fim do ciclo trumpista na Venezuela, mesmo que isso signifique a remoção dos atores encarregados do “provisório”.

Pelo contrário, outro cenário foi imposto em que a imagem da Venezuela e do próprio governo é “racionalizada”, se preferir, “humanizada”, pelo mesmo escritório que a criminalizava e a patologizava.

Desta forma, a reunião de Miraflores traz novos cenários que mudam a imagem e a diatribe que existia sobre a Venezuela.

1. Reconhecimento “de facto” da presidência de Maduro

A comissão estadunidense foi liderada por Juan González, que é o representante da Casa Branca para as Américas, o que significa que sua visita a Miraflores fala do reconhecimento pelo gabinete presidencial de Biden da presidência de Maduro, que Washington se recusava a reconhecer desde 2019.

A partir disto, poderia esperar-se uma recuperação gradual, ainda que lenta, das relações entre os dois países, incluindo o retorno das embaixadas, e todo um caminho de protocolo. Mas isso pode esperar ou levar um processo lento.

O que está em questão agora é o retorno da Venezuela como uma fonte confiável de petróleo para os EUA nos anos vindouros. E para Caracas, uma provável normalização de sua principal atividade econômica com tudo o que isso implica, após oito anos de grave crise na qual sua indústria passou de uma fadiga a uma crise quase terminal: sancionada, endividada e envolvida.

Assim, Maduro tem agora a chance de terminar seu segundo mandato com um país estabilizado e uma clara melhoria econômica.

A Venezuela quer recuperar seu mercado e os EUA seu fornecedor geograficamente próximo.

Portanto, o reconhecimento de Maduro é ao mesmo tempo um reconhecimento do país, sua importância geoestratégica e sua capacidade instalada.

2. O realinhamento na oposição

Outra das modificações interessantes trazidas por esta reunião é interna à própria oposição.

Há alguns dias, o embaixador dos EUA na Venezuela, James Story, reuniu-se com os governadores da oposição e com o líder Stalin González, próximo ao ex-candidato presidencial Henrique Capriles.

Guaidó não é mais um protagonista. Em seu lugar, aparecem novos atores que estão ganhando interlocução. Pode-se dizer que este é o fim definitivo dos líderes radicais do ‘interinato’ (a maioria deles no exterior) e o surgimento, agora consentido por Washington, de uma oposição moderada que vive no país.

Em qualquer caso, a negociação não é mais mediada por figuras do governo paralelo, mas agora está cara a cara entre a Casa Branca e Miraflores.

Por sua vez, Maduro falou de uma “reformatação” do diálogo com a oposição que irá determinar os próximos desenvolvimentos políticos no país.

3. Realinhamento geopolítico

Este realinhamento é obviamente geopolítico, decorrente da intervenção da Rússia na Ucrânia.

Se a administração Biden quiser superar o trumpismo e aumentar sua influência na região, terá que reconhecer uma nova realidade que, pelo menos por enquanto, é muito diferente da gerada pelo Grupo Lima.

Os EUA recuperarão o que sempre consideraram seu “quintal”, só que ainda não o podem fazer com o clube. A América Latina é uma região que vem mudando politicamente e agora há uma mudança para a esquerda em seus governos.

Se a administração de Biden quer superar o trumpismo e aumentar sua influência na região, terá que reconhecer uma nova realidade que, pelo menos por enquanto, é muito diferente da gerada pelo Grupo Lima e do estilo dos governos que basearam suas relações com a Venezuela nos mandatos de Washington.

A neutralidade do presidente brasileiro Jair Bolsonaro é um sinal do desalinhamento da região com Washington.

4. Petróleo e Venezuela

A coisa mais significativa sobre o início deste diálogo, como comentei anteriormente, é a contemplação da Venezuela como fonte de petróleo para os EUA, como tem sido nos últimos 100 anos até que a política de isolamento e sanção de Trump começou.

A dependência do petróleo determinou os impulsos e bustos da história econômica deste país caribenho. Após vários anos de crise em sua indústria e de sanções de Washington, o Ocidente se lembra que as principais reservas de petróleo estão na Venezuela. A Venezuela tem uma capacidade instalada que poderia ajudar a aliviar a pressão sobre os mercados, que atualmente reagem às sanções contra a Rússia. Além disso, ela poderia voltar a ser um fornecedor confiável.

Isto tem consequências inestimáveis para a Venezuela, onde a vida econômica do país, caracterizada nos últimos anos por hiperinflação e profunda crise econômica, poderia ser regularizada em um processo mais rápido do que o esperado.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Ociel Alí López

LEIA tAMBÉM

PascualHernandezCUC
“Do genocídio praticado contra indígenas na Guatemala surgiu o termo palestinização”, afirma CUC
Peru-mulheres-indigenas-rio-maranon
Mulheres indígenas enfrentam petroleira para proteger Rio Marañón, no Peru
Cuba-bloqueio
EUA mantêm Cuba como patrocinadora do terrorismo para afogar projeto cubano de soberania
medicos-Cuba
Em 60 anos, médicos cubanos já socorreram 165 países e resistem à perseguição dos EUA