Barão de Itararé

Analista política faz raios-x das eleições do Uruguai e avalia conjuntura da América Latina

Para a uruguaia Nastasia Barceló, o resultado das eleições foi surpreendente principalmente pelo que se viu em campanha

O resultado das eleições uruguaias, realizadas no dia 27 de outubro, não causou surpresa pelo fato de levar a decisão para o segundo turno, natural para um país cujo sistema eleitoral exige maioria absoluta dos votos (ou seja, 50% mais um) para que a disputa seja decidida na primeira volta. O fator surpresa, que contrariou todas as pesquisas e projeções de intenção de voto, ficou por conta da queda na votação do oficialismo.

Mesmo saindo vitoriosa, com o seu candidato à presidência, Daniel Martinez, arrebatando 40,52% dos votos válidos, a Frente Ampla, coalizão de esquerda que governa o Uruguai há 15 anos, vislumbra um páreo complicado para o dia 24 de novembro, quando a população voltará a sufragar. 

A dificuldade será superar um adversário que se anuncia porta-voz de uma aliança entre as diversas forças de oposição. Trata-se de Luis Lacalle Pou, filho do ex-presidente Luis Alberto Lacalle, do Partido Nacional. Dono de 29,77% dos votos, o advogado e político montevideano conta com o reforço de Ernesto Talvi, do Partido Colorado (terceira força mais votada, com 12,79%) e de Guido Manini Ríos, do Cabildo Abierto (quarto colocado, com 11,30%). Ambos expressaram apoio a Pou tão logo confirmou-se o segundo turno.

Primeiro presidente eleito pela Frente Ampla (e atual mandatário), Tabaré Vázquez assumiu o país, em 2005, com um índice de pobreza na casa dos 32,5% da população e, hoje, está na casa dos 8,1%. Além disso, o Uruguai notabilizou-se pelos baixos índices de corrupção e por estar na dianteira da agenda progressista na região, levando a cabo discussões e aprovando legislações no campo da regulação dos meios de comunicação e a legalização da maconha. Na economia, o país também mostra resiliência enquanto seus vizinhos - nada mais, nada menos que os gigantes Brasil e Argentina - naufragam. O aumento da criminalidade, no entanto, tem sido a pauta principal para o sucesso da narrativa à direita no país.

Para a analista política uruguaia Nastasia Barceló, o resultado das eleições foi surpreendente principalmente pelo que se viu em campanha, com muitas mobilizações populares em apoio à Frente Ampla e pesquisas que apontavam uma votação entre 43 e 46%. Além disso, o pleito consolida o Cabildo Abierto, um partido “fardado”, cuja composição é majoritariamente oriunda do campo militar, como uma nova força política no país. 

Mas afinal, há motivo para desespero? A pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP) e doutoranda no Programa de Pós-Graduação Integração da América Latina falou, à reportagem do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé e ao ComunicaSul, sobre os cenários do segundo turno no Uruguai e o rechaço, em plebiscito realizado simultaneamente às eleições do dia 27, à reforma constitucional Viver sem Medo, que pretendia militarizar a segurança pública no país. Barceló também abordou temas como as perspectivas para a cooperação e integração regional após a reeleição de Evo Morales e a vitória do progressismo na Argentina, que podem ter colocado um freio na onda de vitórias neoliberais no continente. Leia a seguir.

Barão de Itararé
A analista política uruguaia Nastasia Barceló

Segundo turno no Uruguai: O que esperar?

O oficialismo, representado pela Frente Ampla, ficou abaixo das expectativas, em especial se levarmos em consideração o último mês de campanha. Não só em Montevidéu, mas em muitas regiões do país ocorreram mobilizações populares de apoio ao governo e contra a reforma constitucional “Viver sem Medo”. Esperava-se uma votação mais expressiva, sobretudo, pelo que se via nas ruas. 

No caso do Partido Nacional, de Lacalle Pou, segundo colocado no primeiro turno, podemos dizer que manteve seu eleitorado e acabou conquistando uma votação maior do que as pesquisas previam. Caiu um ponto em relação à votação que obteve em 2014, é verdade, mas a Frente Ampla caiu sete pontos percentuais, aproximadamente. 

Partido Colorado, o terceiro colocado e que é uma força política bastante tradicional no Uruguai, também manteve seu eleitorado. Ernesto Talvi, que foi seu candidato, é um economista advindo de setores acadêmicos e que iniciou muito recentemente a sua atuação político-partidária. Também esperava-se mais a partir deste movimento de renovação.

É importante destacar, a respeito não só destas eleições, mas da política uruguaia desde o restabelecimento da democracia, após a ditadura, é um “não-partido” que surgiu, chamado “Cabildo Abierto”. É um partido recente, que obteve porcentagem grande de eleitorado (10 a 11%) e seu candidato é um ex-general, comandante militar, chamado Guido Manini Ríos

Esta é a maior novidade primeiro porque é um partido novo. Segundo, porque é um partido de caráter militar, “fardado”*. Sua lista de candidatos é recheada de pessoas que formaram parte das Forças Armadas do Uruguai. O próprio candidato a presidente, Manini, foi eleito senador e é um militar que, neste momento, enfrenta problemas na Justiça. Há uma denúncia contra ele por seu papel descrito a partir da confissão do militar aposentado José Nino Gavazzo diante de um “tribunal de honra militar”. Em seu depoimento, Gavazzo afirma que, em 1973, foi o responsável por descartar o corpo do militante tupamaro Roberto Gomensoro nas águas do rio Negro. Manini, responsável por dar prosseguimento ao julgamento, teria encoberto Gavazzo, mesmo após a confissão. Em setembro, Manini reuniu-se com o general Hamilton Mourão, vice-presidente do Brasil, em Brasília. Bolsonaro, inclusive, já declarou apoio a Lacalle Pou, somando-se à esta aliança da oposição.

Composição Parlamentar e o 24 de novembro

Também diferente das eleições anteriores, a Frente Ampla não obteve maioria parlamentar. Isso deixa, logicamente, o candidato da oposição, Luis Lacalle Pou, como favorito para o segundo turno - isso não quer dizer que a oposição já ganhou, mas os coloca em vantagem.

Eu acredito que a Frente Ampla tem, sim, condições de recuperar parte de seu eleitorado. Mas os resultados para o Parlamento mostram que, mesmo com uma vitória da Frente Ampla na presidência, ou seja, no Poder Executivo, ainda assim será mais difícil governar, pois o parlamento está bastante dividido.

O Uruguai sempre foi um país com partidos muito tradicionais. Com esta nova composição na Câmara de Deputados e no Senado, com forças políticas vinculadas ao passado e aos militares, a dúvida que surge para diversos analistas políticos é sobre as condições de governo da própria Frente Ampla frente a este novo cenário. 

Aliança de oposição

Claro que as dificuldades na correlação de forças também vale para Lacalle Pou, caso o candidato do Partido Nacional vença o segundo turno. Ele tem proposto uma aliança entre todos os partidos da oposição, que vai do Partido Colorado ao próprio Cabildo Abierto. Talvez, esta aliança dê os frutos que ele espera em relação a ser eleito, mas também há muita dúvida se, na hora de governar, vai ser tão fácil assim unir diferentes programas, diferentes visões de país e diferentes projetos.

O candidato da oposição vem mantendo uma estratégia clara desde o início da campanha: “se nós formos a força política mais votada, dentro da oposição, vamos liderar uma aliança entre todas as forças que querem uma mudança de rumo para o país”. Lacalle Pou tem se anunciado, desde o início, como o nome para liderar o conjunto dos partidos da oposição. Tão logo ficou definido o segundo turno, na noite de domingo, 27 de outubro, os candidatos de oposição derrotados já expressaram seu apoio à sua candidatura.

Alguns meses antes, porém, o candidato do Partido Colorado, Ernesto Talvi, questionou algumas declarações e a atuação de Manini Ríos, o que gerou um mal estar entre os dois candidatos. Há uma polarização na oposição. Mesmo que sejam forças que antagonizam com a Frente Ampla, há grandes diferenças entre eles, como esta tensão entre o Partido Colorado e Cabildo Abierto.

Integração e cooperação regional

Com a reeleição de Evo Morales e a volta do peronismo na Argentina, tende a ser possível, num futuro próximo, retomar as políticas de integração na América Latina. Uma integração solidária, que vinha sobrepassando o âmbito econômico e comercial. Há uma grande chance de isso acontecer, até porque a Argentina, ao lado do Brasil, sempre foram os países que estiveram na dianteira do processo. Estamos, certamente, em uma situação melhor do que com Mauricio Macri. Ao lado de Bolsonaro, Macri tornava as posições de Brasil e Argentina, com suas agendas neoliberais, muito mais fortes. 

A agenda da política externa deve, sim, ter novidades, com a vitória de Alberto Fernández. Talvez uma nova configuração dos blocos que já existiam, como União de Nações Sul-Americanas (Unasul) e a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac). A Unasul continua existindo, apesar de a maioria dos países terem se retirado do bloco. Fernández, eleito na Argentina, deve retomar e renovar a participação nestes projetos. O resultado do segundo turno no Uruguai representará uma peça importante para o tabuleiro geopolítico regional.

Influência da região no Uruguai

Em primeiro lugar, o Uruguai não é uma ilha, isolada de seus vizinhos. Sempre olhamos o Uruguai como um país que se mantém firme, progressista, à esquerda. Nos últimos meses, e agora nas eleições, ficou bem evidente que está havendo um avanço rumo à direita na opinião da população uruguaia. Um dos fatores, possivelmente, tenham sido os resultados eleitorais na região. O Brasil influencia muito a política uruguaia. O impeachment de Dilma Rousseff, a prisão de Lula e o triunfo eleitoral de Bolsonaro, de alguma maneira, influenciou a população.

Para compreender o impacto de processos históricos muito particulares, como é o caso do que acontece no Chile, cuja população tem motivos e razões muito sérias e profundas, anteriores às políticas aplicadas pelo atual presidente Sebastián Piñera, ou mesmo para compreender o que está passando nessas eleições no Uruguai, requer um estudo mais aprofundado. Os fenômenos internacionais e regionais não são parte do interesse de todos os cidadãos. Tem um setor da população que se interessa por política, outro que não. Uns consomem notícias e lêem jornais internacionais, mas não são todos que se preocupam em compreender o que ocorre em outros lugares. Se fosse assim, se houvesse, de repente, um interesse “automático”, o que aconteceu na eleição da Argentina, por exemplo, com o rotundo fracasso do neoliberalismo de Mauricio Macri, poderia influenciar de maneira mais decisiva o processo no Uruguai. Inclusive esperávamos números muito parecidos com os da Argentina. Mas na política e nos processos históricos, não acredito que funcione desta maneira, ou seja, uma experiência não atravessa fronteiras de forma “automática”.

Não a Reforma!

O rechaço à reforma constitucional Vivir sin Miedo é um ponto positivo, claro. Certamente a campanha “No a la reforma”, que levou multidões às ruas de Montevidéu, ajudaram a barrar a votação no plebiscito. Foi uma campanha protagonizada, sobretudo, pela juventude do país, somada aos movimentos sociais e à Frente Ampla. No contexto que estamos vivendo na região, foi um sinal importante. O plebiscito, propunha, basicamente, militarizar a segurança pública. Como se sabe, a partir de vários estudos de centros de pesquisa e organizações internacionais, mais militares nas ruas não significa mais segurança. O problema da segurança precisa de outras abordagens. O resultado deste plebiscito também pode ser combustível para a Frente Ampla no segundo turno.

Veja também

Comentários