Pesquisar
Pesquisar

Anote na agenda: Paulo Cannabrava lança a obra “A Nova Roma” neste sábado (10), em SP

Livro-reportagem mostra como Washington se transformou em um Império por meio da exploração da fé religiosa de países da América
Redação Diálogos do Sul
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

O jornalista e editor da Revista Diálogos do Sul, Paulo Cannabrava Filho, lança neste sábado (10), o livro “A Nova Roma: Como os Estados Unidos se Transformam numa Washington Imperial através da Exploração da Fé Religiosa”. O evento será na livraria Cabeceira, em São Paulo, a partir das 16h.

Na nova obra, publicada pela editora Appris, Cannabrava expõe o uso da religião na estratégia de dominação e captura do poder, enfatizando como, no construir da hegemonia, os EUA foram se sobrepondo à Igreja de Roma e se constituindo como uma Nova Roma, Imperial, com sede em Washington.

Tarso Genro: É uma honra apresentar a obra de Paulo Cannabrava, “A Nova Roma”

Na ótica do escritor, os métodos não mudam, aperfeiçoam-se, no uso da boa-fé do crente para dominá-lo, explorá-lo e expandir a hegemonia do novo império. Já não é mais a Igreja dos Papas e das paróquias, são agora miríades de pequenos “templos” de centenas de denominações de Igrejas que têm a Bíblia – transformada em arma para combater ideologias – como a Palavra de Deus.

Livro-reportagem mostra como Washington se transformou em um Império por meio da exploração da fé religiosa de países da América

Editoria Appris
Paulo Cannabrava Filho é autor de "No Olho do Furacão – América Latina nos anos 60/70" e "Chile: Anatomia de um Golpe"

Vida e olhar atentos à América Latina

Paulo Cannabrava Filho nasceu em 1936 e iniciou no Jornalismo em 1957. Foi repórter nos principais jornais de São Paulo e Rio de Janeiro. Sensível às questões sociais, aliou o jornalismo à militância política. Em 1968, deixou o país para escapar da repressão. Acompanhou processos revolucionários em seus êxitos e fracassos, assim como o surgimento de ditaduras repressivas e regressivas nos países de Nossa América. 

Integrou a equipe da Cadernos do Terceiro Mundo desde a fundação (1975) até a extinção (2015). Hoje, dirige a revista virtual Diálogos do Sul, continuidade da Cadernos. Seus livros refletem a realidade de povos explorados e em luta, com a emoção de quem estava lá: Militarismo e Imperialismo in Brasile (1969); Breve storia della politica di aggressione USA in America (1975); Sulla Strada di Sandino – Nicaragua 1978 (Jaca Book, Milano, 1978); Militarismo e Imperialismo em el Brasil (Tiempo Contemporáneo, Buenos Aires, 1970); Chile: Anatomia de um Golpe (Editorial Horizonte, 1974); Em el Ojo de la Tormenta – América Latina en los años 60/70 (Plaza y Valdez, México/Espanha, 2003); No Olho do Furacão – América Latina nos anos 60/70 (Cortez, São Paulo, 2003); A Governabilidade Impossível – Reflexões sobre a partidocracia brasileira (2018) e Resistência e Anistia – a história contada por seus protagonistas (Alameda, 2020).

Anote na agenda

Quando: 10 de dezembro de 2022, sábado, às 16h
Onde: Livraria Cabeceira – Praça Alfredo Weiszflog, 38, Vila Romana, São Paulo (SP).

Adquira seu exemplar de A Nova Roma: Como os Estados Unidos se Transformam numa Washington Imperial através da Exploração da Fé Relisiosa” no site da editora Appris, clicando aqui.

Redação | Diálogos do Sul


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)
Hipátia de Alexandria
O assassinato de Hipátia de Alexandria, a mulher filósofa