Pesquisar
Pesquisar

Ao dizer que chegamos ao limite, nos acostumamos com atrocidades de Bolsonaro

Desde que ele assumiu a Presidência da República passamos a viver e a conviver com a materialidade dos nossos piores pesadelos
Redação Catarinas
Catarinas
Florianóolis (SC)

Tradução:

A naturalização da violência é uma das formas mais potentes de solidificação de uma lógica perversa que nos torna coniventes com as mais diversas atrocidades. Estando atentas a isso, tendemos a fixar limites, marcos éticos e legais que limitam a fronteira entre o que nos permitimos e permitimos aos outros enquanto seres que compartilham o mesmo mundo (a partir de parâmetros de convivência, sociabilidade e respeito) e a barbárie, o desrespeito e a brutalidade. Passar essa linha imaginária, também temos noção disso, impossibilita qualquer projeto de futuro fora dos seus marcos de violência e ódio.

Desde que Jair Bolsonaro assumiu a Presidência da República passamos a viver e a conviver com a materialidade dos nossos piores sonhos. A cada fala proferida em tom de deboche — e elas são tão frequentes que não conseguimos sequer uma trégua para acordar do pesadelo que nos foi imposto — exclamamos: “Agora ele passou dos limites”.

O que não nos damos conta, talvez, é que quanto mais afirmamos que agora é o limite, mais flexível tornamos a fronteira da violência. E aqui é preciso ressaltar que as frases em sua violência simbólica e subjetiva se revertem em violências físicas ao permear uma cultura e um imaginário social já impregnado pelo machismo, racismo e pela LGBTfobia. A violência simbólica é a violência que autoriza que certos corpos sejam considerados indignos de respeito, dignidade e validade, tornando-os sujeitos aos piores tipos de atrocidade. 

Desde que ele assumiu a Presidência da República passamos a viver e a conviver com a materialidade dos nossos piores pesadelos

Foto: Reprodução / Instagram
Rosto de Bolsonaro ilustrou cartaz de show do Pussy Riot, no Festival Sem Censura, que ocorreu em janeiro, em SP

O que não podemos esquecer é que o limite já tinha sido ultrapassado antes mesmo de Bolsonaro vencer as eleições. Não foram poucas as vezes em que o militar demonstrou estar situado do outro lado da fronteira, destilando seu ódio contra a comunidade LGBT, mulheres, indígenas, quilombolas e a população negra.

Suas ações recentes contra a Amazônia também demonstram que a violência não tem como foco somente os humanos, mas a própria floresta, a natureza, o meio ambiente. Vale lembrar ainda que muitos de seus ministros e membros da sua família também destilam cotidianamente seu ódio contra a maioria da população brasileira, sustentados pelo mesmo ideário perverso.

Essa reflexão inicial foi pensada para tratar da nova frase da semana do presidente contra a repórter Patrícia Campos Mello, do jornal Folha de São Paulo. A violência de cunho sexual e grosseiramente misógina, que não será reproduzida aqui, mostra todo o desrespeito e ódio do presidente contra as mulheres e também contra jornalistas. E isso é bastante sintomático da lógica em que se situa a sua mentalidade, utilizar da difamação como arma para causar sofrimento a um suposto inimigo. Sim, nós mulheres jornalistas, críticas ao seu projeto de violência, estamos no rol de seus inimigos. Vamos ter que aprender a lidar com isso juntas. Mesmo assim, não vamos afirmar que Bolsonaro passou dos limites, pois eles foram ultrapassados há muito tempo.

O que podemos sim enfatizar é que a sua fala não se dirigiu apenas à Patrícia, mas a todas as mulheres jornalistas e isso avilta toda a sociedade brasileira. Mulheres jornalistas que têm sido nos últimos tempos a principal resistência dentro do campo jornalístico, recuperando um dos principais e também antigos sentidos da profissão que é a capacidade crítica de enfrentar os poderosos tiranos e a defesa intransigente dos direitos humanos, perfurando uma bolha apática de conivências que muito reflete na crise que o jornalismo vem enfrentando.

Mas esse ataque não vem acontecendo somente no Brasil. A América Latina enfrenta, nos últimos anos, uma ofensiva violenta contra jornalistas e, em especial, contra mulheres jornalistas, feministas, ativistas e defensoras dos direitos humanos. Em maio do ano passado, um encontro promovido pelo grupo Cotidiano Mujer[1], grupo ligado à Articulación Feminista Marcosur, e a GAMAG América Latina, núcleo regional da Global Alliance on Media and Gender (GAMAG)[2], integrado pelo Portal Catarinas, discutiu as perseguições. As ameaças constantes, que resultam até mesmo no assassinato de jornalistas, têm sido uma prática recorrente de grupos anti-direitos em diversos países latino-americanos. Aqui um dos tantos exemplos de que violência simbólica caminha lado a lado com a violência física.

Como afirmaram no evento representantes da Articulação Feminista do Mercosul, os setores anti-direitos e reacionários têm avançado na região questionando o marco dos direitos humanos. As estratégias de disputa de sentido incluem a propagação de mensagens de ódio sexistas, racistas, assim como a circulação de notícias falsas e difamação. Para enfrentar esse contexto, profissionais organizadas em redes autônomas têm construído estratégias que possam frear os ataques, que tanto limitam a nossa liberdade e o exercício da profissão.

Como jornalistas feministas e defensoras dos Direitos Humanos nos solidarizamos com a repórter Patrícia Campos Mello e com todas e todos os jornalistas que têm sido vítimas do ódio e se empenhado em não naturalizar a violência contida nos discursos de Bolsonaro e seus apoiadores, refletida também em seus atos, em seu projeto de destruição do País e do povo.  

[1] https://cotidianomujer.org.uy/sitio/

[2] https://gamag.net/

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Catarinas

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda