Pesquisar
Pesquisar

Apesar de aplicar sanções contra Rússia, Biden deseja estabelecer diálogo de “estabilidade estratégica” com Putin

De acordo com o chefe da Casa Branca, é o momento de reduzir a tensão entre os dois países e seguir um caminho baseado em um processo diplomático
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Washington

Tradução:

Funcionários dos Estados Unidos vêm mantendo discussões de alto nível com homólogos da Rússia para uma possível reunião dos presidentes dos dois países, informou a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki.

Por outro lado, o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, informou sobre um encontro bilateral na embaixada norte-americana em Moscou depois que a Rússia anunciou a expulsão de 10 diplomatas nesta sede como resposta a uma decisão similar de Washington.

Além desta ação, os Estados Unidos impuseram em 15 de abril uma ordem executiva novas sanções ao país euroasiático com o pretexto de supostos ciberataques e da presumida ingerência nas eleições de 3 de novembro de 2020.

Como parte da disposição presidencial, o Departamento do Tesouro impedirá que as instituições financeiras estadunidenses comprem bônus do Banco Central, do Fundo Nacional de Riqueza e do Ministério de Finanças da Rússia depois de 14 de junho e concedam empréstimos de fundos a essas instituições.

De acordo com o chefe da Casa Branca, é o momento de reduzir a tensão entre os dois países e seguir um caminho baseado em um processo diplomático

Kremilin/Flickr Joe Biden
Os vínculos bilaterais deterioraram-se crescentemente desde que Biden assumiu a presidência em 20 de janeiro.

A administração norte-americana também castigou seis empresas russas de alta tecnologia, que, segundo argumenta, apoiam as operações de inteligência, junto com 32 pessoas envolvidas nos esforços para influir nas mencionadas eleições.

No mesmo dia das sanções, o presidente Joe Biden afirmou que não tem a intenção de aumentar o conflito com o Kremlin e que pretende manter uma relação estável e previsível.

De acordo com o chefe da Casa Branca, agora é o momento de reduzir a tensão entre os Estados Unidos e a Rússia, e seguir um caminho baseado em um diálogo reflexivo e em um processo diplomático.

No entanto, Biden justificou as sanções, pois disse que “não podemos permitir que uma potência estrangeira interfira em nosso processo democrático impunemente”.

Afirmou ainda, sem apresentar provas concretas, que se a Rússia continuar interferindo nos assuntos estadunidenses estará preparado para adotar mais ações, como indica sua responsabilidade de mandatário.

Também comentou que um encontro pessoal com Putin poderia ocorrer no próximo verão em um país da Europa e seria uma oportunidade para estabelecer um diálogo de estabilidade estratégica.

Os vínculos bilaterais deterioraram-se crescentemente desde que Biden assumiu a presidência em 20 de janeiro passado e o governante norte-americano qualificou Putin de assassino em uma entrevista com a ABC News, o que motivou um enérgico repúdio de Moscou.

* Tradução de Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Palestina-EUA-Israel
EUA tentam se safar! Israel usa, sim, armas estadunidenses para matar palestinos em Gaza
Bandeira-Geórgia
Geórgia: lei sobre “agentes estrangeiros” aumenta tensão entre governo e oposição
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas