Pesquisar
Pesquisar

Após agressão sexista do Vox contra ministra da Espanha, ultradireitista zomba da acusação

Deputada do partido afirmou que único mérito da ministra da Igualdade, Irene Montero, é ter "estudado a fundo" Pablo Iglesias, fundados do UP
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

Na última quinta-feira (24), o ultradireitista partido Vox zombou de acusações de violência política contra a ministra da Igualdade, Irene Montero, depois que uma deputada do partido, Carla Toscano, afirmou sobre Montero: “Seu único mérito é ter estudado a fundo Pablo Iglesias, o fundador de seu partido, Unidas Podemos (UP), e seu companheiro sentimental”.

Na sessão parlamentar, Montero tomou a palavra e denunciou a “violência política” da qual foi objeto, e foi aplaudida durante mais de um minuto pelos legisladores de esquerda e nacionalistas. O presidente do governo, Pedro Sánchez, defendeu na véspera a ministra, como também o fizeram os mandatários da Argentina, Alberto Fernández, do Chile, Gabriel Boric, e da Colômbia, Gustavo Petro, além do líder da esquerda francesa, Jean-Luc Mélenchon.

Segundo a Europa Press, o deputado do Vox Víctor Sánchez del Real aproveitou sua intervenção na última jornada do Debate de Orçamentos para justificar as críticas de Toscano ao currículo “escasso, nefasto, ridículo e ausente” não só de Montero, mas de todo o governo de coalizão do Partido Socialista Obrero Espanhol e do Unidas Podemos (UP).

Vox, partido de extrema-direita da Espanha, inicia primeiro governo em comunidade do país

Toscano reiterou seu ataque a Montero com uma mensagem em tom irônico: “Gostaria de pedir desculpas por minha intervenção de ontem. Ninguém deve duvidar que a senhora ministra tem uma excelente preparação. Comprova-se em sua defesa da pedofilia, a soltura de estupradores, o aumento dos ataques a mulheres e em todos os seus grandes êxitos”.

A secretária geral do conservador Partido Popular, Cuca Gamarra, afirmou que “ninguém” deve sofrer ataques como o do qual Montero foi objeto, mas recordou que o UP fez algo similar quando Iglesias afirmou que a ex-prefeita de Madri, Ana Botella, carecia de preparação e só obteve o posto por ser esposa do ex-presidente do governo José María Aznar.

Armando G. Tejeda | Correspondente do La Jornada em Madri.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação