Pesquisar
Pesquisar

Após Americanas, Ambev: "estrela da 3G" é suspeita de rombo de R$30 bi por sonegação

Associação Brasileira da Indústria da Cerveja, por meio de consultoria, diz ter identificado dívida bilionária em impostos federais, estaduais e municipais
Tiago Pereira
Rede Brasil Atual
São Paulo (SP)

Tradução:

* Atualizado em 03/02/2023 às 15h19.

Depois do rombo de R$ 40 bilhões que colocou as Lojas Americanas à beira da bancarrota, a suspeita agora paira sobre a Ambev. A maior cervejaria da América Latina tem em comum com a rede de lojas a presença da 3G Capital, dos bilionários Jorge Paulo Lehmann, Beto Sucupira e Marcel Telles.

A nova denúncia contra a Ambev partiu da Associação Brasileira da Indústria da Cerveja (CervBrasil). Conforme publicado na revista Veja, nesta quarta-feira (1º), o rombo estimado na companhia seria de R$ 30 bilhões, decorrentes de manobras tributárias por parte da gigante de bebidas.

Nassif: Justiça deve priorizar trabalhadores e fornecedores da Americanas, depois acionistas

A CervBrasil contratou a consultoria AC Lacerda, que identificou dívida bilionária em impostos federais, estaduais e municipais. A associação acusa a Ambev de inflacionar, intencionalmente, os preços dos componentes usados na produção de bebidas, passíveis de isenção e geração de créditos fiscais, na Zona Franca de Manaus.

De acordo com o diretor-geral da CervBrasil, Paulo Petroni, pelo menos desde 2017 relatórios de fiscalização da Receita Federal apontam “bilhões e bilhões de ilícitos tributários cometidos pelos fabricantes de concentrados de refrigerantes na Zona Franca de Manaus”. Os balanços da Ambev, no entanto, não registram essas quantias devidas ao erário público.

A Ambev nega a acusação, pois se coloca entre as cinco maiores pagadoras de impostos no país. “Calculamos todos os nossos créditos tributários estritamente com base na lei. Nossas demonstrações financeiras cumprem com todas as regras regulatórias e contábeis, as quais incluem a transparência do contencioso tributário”, disse a companhia, em nota.

Associação Brasileira da Indústria da Cerveja, por meio de consultoria, diz ter identificado dívida bilionária em impostos federais, estaduais e municipais

Ambev
Antes vistos como “semideuses” do capitalismo brasileiro, Lehmann, Sucupira e Telles enfrentam uma grave crise de reputação




Credibilidade em crise

Escaldados com o escândalo das Americanas, no entanto, os investidores da Ambev acusaram o golpe. Perto do fechamento do pregão, as ações da Ambev caiam 3,59% na Bolsa de Valores de São Paulo (B3), após a divulgação do rombo. Em comparação, as ações das Americanas, cotadas a R$ 12 antes do anúncio do rombo, caíram quase 80% em um mês.

Antes vistos como “semideuses” do capitalismo brasileiro, Lehmann, Sucupira e Telles enfrentam uma grave crise de reputação. Além do ceticismo dos investidores individuais, o trio trava uma guerra judicial contra os maiores bancos do país.

Luis Nassif: 6 evidências sobre o golpe das Americanas, orquestrado ao longo de 10 anos

O Bradesco, por exemplo, afirma que a Americanas, controlada há décadas pelos bilionários, “foi palco para uma das maiores fraudes contábeis da iniciativa privada”. Nesse sentido, as instituições financeiras tentam barrar na Justiça o pedido de recuperação judicial das Americanas.

Em outra ponta, as principais centrais sindicais do país também entraram na Justiça para garantir os direitos dos mais de 44 mil trabalhadores do Grupo Americanas em todo o país. Na ação civil pública, pedem o bloqueio de R$ 1,53 bilhão das contas pessoais dos empresários.

Além disso, pediram a intermediação do governo federal com o objetivo de colocar os empregos e os pagamentos de fornecedores na frente do sistema bancário – já que a cadeia envolve outra dezenas de milhares de empregos. A ação é urgente, pois a Lojas Americanas já começa a cortar trabalhadores terceirizados, no Rio de Janeiro e em Porto Alegre.


“Falsificação”

De acordo com o executivo Jean Van de Walle, da Sycamore Capital, o rombo na Ambev, a “estrela da 3G Capital”, revela mais uma “falsificação”. “Parece que tudo foi engenharia financeira, alavancagem e habilidades de administração escassas”, disse ele, em postagem no LinkedIn. 

Por outro lado, os bilionários da 3G Capital também são os principais beneficiários da privatização da Eletrobras. O processo, concluído pelo governo Bolsonaro em julho do ano passado, resultou em perdas para os cofres públicos de pelo menos R$ 63 bilhões, de acordo com relatório do Tribunal de Contas da União (TCU).


Atualização: nota da Ambev

Por meio de nota, a Ambev declarou que as acusações de fralde veiculadas nos últimas dias são falsas e feitas por cervejarias concorrentes “sem que a veracidade dos fatos fosse devidamente checada e sem que a nossa posição fosse ouvida”.

A declaração afirma ainda que a notícia de “rombo” induz o leitor a erro e que os “litígios são o reflexo da complexidade do sistema tributário brasileiro e uma realidade de muitas empresas”.

Confira a resposta na íntegra:


Tiago Pereira | Rede Brasil Atual


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:



As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Tiago Pereira

LEIA tAMBÉM

crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor
Javier_Milei_and_Santiago_Abascal_(cropped)
Superávit de Milei é ilusionismo contábil: a verdade sobre a economia Argentina
Desigualdade_FMI_Banco-Mundial
Em Washington, Brasil adverte: FMI e BM seguem privilegiando EUA e outros países poderosos