Pesquisar
Pesquisar

Após derrota de Trump, republicanos lançam propostas para restringir direito ao voto

Propostas de reformas foram apresentadas principalmente em Estados onde Donald Trump perdeu por uma margem mais estreita de votos
Redação Poder 360
Poder 360
São Paulo (SP)

Tradução:

Republicanos eleitos nos EUA lançaram 165 iniciativas legislativas nas 6 últimas semanas, em 33 Estados, com o intuito de restringir o direito ao voto. O dado é de relatório do Brennan Center for Justice. A maioria das propostas visa a limitar a votação por correio, fórmula para a qual, por ocasião da pandemia, foram feitas instalações em todo o país em 2020.

Propostas de reformas foram apresentadas principalmente em Estados onde Donald Trump perdeu por uma margem mais estreita de votos na eleição presidencial (Arizona, Geórgia e Wisconsin), bem como em territórios especialmente contestados, como Pensilvânia, Flórida e Texas.

Na Geórgia –onde Trump perdeu por menos de 12.000 votos para Joe Biden, o primeiro democrata a vencer lá desde 1992–, as propostas são especialmente agressivas. “O objetivo deve ser restaurar a confiança em nosso sistema eleitoral para o público”, disse o republicano Barry Fleming, membro da Câmara Baixa do Estado.

Propostas de reformas foram apresentadas principalmente em Estados onde Donald Trump perdeu por uma margem mais estreita de votos

Poder 360
Colégio Eleitoral em Harrisburg, Pensilvânia

Republicanos querem obstaculizar votos

Os republicanos propõem, por exemplo, eliminar a possibilidade de votar antecipadamente no fim de semana anterior à eleição. Essa mudança afeta diretamente a tradição da comunidade afro-americana de ir às urnas após a missa de domingo.

“Essa lei nada mais é do que mais uma tentativa de suprimir o voto negro. É racista”, afirmou o bispo Reginald Thomas, da Igreja Episcopal Metodista Africana da Diocese da Geórgia.

Sua igreja, frequentada principalmente por negros, colabora com as tradicionais campanhas que incentivam os paroquianos a votar no domingo.

O fechamento de locais de votação nos Estados do sul nos últimos anos tornou mais difícil para alguns eleitores chegarem às urnas, por isso há voluntários para transportá-los em carros.

A votação é secreta, mas muitos recorrem a essas táticas. Os republicanos, por exemplo, o fazem nas áreas mais religiosas, como em localidades da Pensilvânia.

Embora existam medidas que levantam algum consenso, na Geórgia a iniciativa dividiu os conservadores. Nem a contagem de 3 votos, nem a auditoria nem as alegações apresentadas no tribunal mudaram o resultado, nem encontraram evidências da fraude relatada por Trump.

Republicanos moderados negam que há um problema e duvidam que este é o caminho a seguir para recuperar o Estado. A discussão ilustra a divisão interna do partido por trás de Trump.

Redação Poder 360

Edição: João Baptista Pimentel Neto


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Poder 360

LEIA tAMBÉM

Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Palestina-EUA-Israel
EUA tentam se safar! Israel usa, sim, armas estadunidenses para matar palestinos em Gaza
Bandeira-Geórgia
Geórgia: lei sobre “agentes estrangeiros” aumenta tensão entre governo e oposição