Pesquisar
Pesquisar

Após desmaiar em reunião, morte do primeiro-ministro da Costa do Marfim é confirmada

Amadou Gon Coulibaly era candidato as eleições que aconteceriam em outubro
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Abidjan

Tradução:

A morte do primeiro-ministro da Costa do Marfim, Amadou Gon Coulibaly, confirmada hoje pelo governo, além do vazio no gabinete, deixa o partido da Assembléia Republicana (no governo) sem um candidato à presidência.
Gon Coulibaly, 61, vice-primeiro ministro em 2017, retornou ao país no início deste mês após uma estadia de dois meses na França, onde passou por tratamento médico para uma doença desconhecida do público.
Amadou Gon Coulibaly era candidato as eleições que aconteceriam em outubro

Reprodução: Prensa Latina
Amadou Gon Coulibaly, primeiro -ministro da Costa do Marfim

“Com muita dor, anuncio que o primeiro-ministro Amadou Gon Coulibaly, chefe do governo, nos deixou no início da tarde, depois de participar da reunião de gabinete”, disse Patrick Achi, lendo uma declaração do presidente Alassane Ouattara. 

Apenas em março passado, ele foi indicado como candidato nas eleições agendadas para outubro próximo, substituindo o atual presidente, Alassane Ouattara, que não pode concorrer à reeleição após dois mandatos no comando do Poder Executivo.

A morte do primeiro-ministro da Costa do Marfim foi surpreendente, pois na quarta-feira de manhã ele desmaiou enquanto presida uma reunião de gabinete com os ministros do país.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
Palestina- Gaza
Relatório do Repórteres Sem Fronteiras minimiza crimes de Israel contra jornalistas palestinos