Pesquisar
Pesquisar

Após diálogo político convocado por Maduro, Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela é renovado e eleições são convocadas

Oposição manifestou apoio ao novo Conselho. Ainda este ano serão realizadas mega eleições no país para substituir 23 governadores e 335 prefeitos
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Caracas

Tradução:

A nomeação do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) para o período 2021-2028 é uma resposta ao amplo processo de diálogo promovido na Venezuela a favor da paz e da reconciliação, concordaram os atores políticos.

Em sessão extraordinária realizada na Assembleia Nacional (Parlamento) da Venezuela na última quarta-feira (5), Pedro Calzadilla, Alexis Corredor, Tania D ‘Amelio, Enrique Márquez e Roberto Picón, bem como os 10 suplentes prestaram juramento aos cinco principais reitores da CNE.O chefe do Legislativo, Jorge Rodríguez, destacou a reafirmação do quadro institucional e da ordem democrática através da renovação do órgão eleitoral máximo, que atuará de forma autônoma, independente e mais nobre para salvaguardar o voto de cada eleitor, disse.

Oposição manifestou apoio ao novo Conselho. Ainda este ano serão realizadas mega eleições no país para substituir 23 governadores e 335 prefeitos

Reprodução: Freepik
Apoiadores de Maduro nas ruas durantes a campanha de 2013

“Saúdo os deputados da Assembleia Nacional que, cumprindo o que está estabelecido na nossa Constituição, nomearam os novos reitores (…) do Poder Eleitoral. Trabalho que o povo venezuelano lhes agradece”, disse o Presidente Nicolás Maduro a este respeito, na rede social Twitter.

Por sua vez, o chanceler Jorge Arreaza qualificou este acontecimento como uma vitória para a paz e para a consolidação das instituições democráticas venezuelanas.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros expressou o seu apreço à equipe da CNE e festejou a “derrota definitiva para aqueles que nos quiseram conduzir ao caminho da violência e da dependência”, disse.

Em comunicado conjunto, as organizações políticas da oposição representadas na Assembleia Nacional sublinharam o seu apoio à nomeação do corpo eleitoral, fruto da decisão dos atores políticos de percorrer a rota eleitoral, com distanciamento e sem posições extremistas. O grupo de oposição afirmou que o novo Conselho Nacional Eleitoral tem uma responsabilidade histórica e o dever de transcender as diferenças e os confrontos políticos, transmitir confiança ao eleitorado e dar a sua contribuição para a paz e a reconciliação do país.

Após a renovação do CNE e a recente revogação da Lei dos períodos constitucionais dos poderes públicos, abriram-se as portas à celebração de mega eleições na nação sul-americana para eleger 23 governadores e 335 prefeitos ao longo de 2021.

A diretiva anterior do mais alto órgão eleitoral da Venezuela foi nomeada em meados de 2020 pelo Supremo Tribunal de Justiça, perante o desacato e a nulidade legislativa da Assembleia Nacional, dominada por setores radicais da oposição no período 2016-2021.

De acordo com o regulamento da CNE, o novo conselho de administração deve reunir-se para designar a Presidência e Vice-presidência, bem como a distribuição da Junta Nacional Eleitoral, da Comissão de Participação Política e Financiamento e da Comissão de Registro Civil e Eleitoral.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei