Pesquisar
Pesquisar

Após discursos e reuniões, Assembleia Geral da ONU termina sem plano concreto para paz

A verdade é que ninguém esperava que, depois de todas as conversas, houvesse alguma ação sólida
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

O ruído retórico ensurdecedor e o silêncio devido à ausência de ações necessárias para salvar o mundo das suas múltiplas crises existenciais cercaram as atividades da reunião da Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU).

No Conselho de Segurança, os meios de comunicação tentaram aumentar o drama ao antecipar que o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, e o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, estariam na mesma sala pela primeira vez desde o início da guerra. Porém, a coreografia decepcionou os observadores, já que o russo chegou após o discurso do ucraniano, que também não ficou para ouvir Lavrov.

Zelensky, no seu discurso, denunciou a impotência da ONU no conflito e solicitou que retirasse o poder de veto da Rússia. Ele afirmou que é necessária uma ampla reforma para que a organização possa atuar contra as ofensivas, principalmente se o agressor for um membro permanente com poder de veto. Devemos reconhecer que a ONU se encontra num impasse em questões de agressão. A humanidade já não deposita as suas esperanças na ONU quando se trata da defesa das fronteiras soberanas das nações, observou. Ninguém se virou para olhar para o Ministro dos Negócios Estrangeiros dos EUA, Antony Blinken, que representa o país membro permanente que mais recentemente invadiu outro país – o Iraque – em violação da Carta da ONU.

Continua após o banner

Havia uma longa lista de palestrantes no fórum – incluindo a Ministra das Relações Exteriores do México, Alicia Bárcena – mas ninguém esperava que, depois de toda a conversa, houvesse alguma ação concreta, e foi difícil avaliar se foram ou não tomadas medidas em direção ao que todos disseram ser seu objetivo: a paz.

Na “Cúpula de Ambições de Clima” convocada pelo Secretário-Geral da ONU, António Guterres – parte do processo rumo à próxima cúpula mundial do clima conhecida como COP, marcada para 30 de novembro no paraíso petrolífero do Dubai –, foram repetidos os seus avisos sobre o que muitos acreditam ser a crise mais significativa que o mundo enfrenta e a urgência de tomar medidas colectivas imediatas. “A humanidade abriu as portas do inferno” ao permitir que a crise climática continuasse a acelerar, declarou Guterres ao abrir a cimeira. Acrescentou que embora tenha sido promovida a transferência de combustíveis fósseis para fontes renováveis, “estamos atrasados em décadas”. Ele sublinhou: “Temos de nos apressar para recuperar o tempo perdido com o ritmo lento, a pressão exercida e a ganância nua e crua de interesses arraigados que geram milhares de milhões com os combustíveis fósseis”.

Mas aqui novamente não estiveram presentes os líderes dos países que mais produzem e utilizam combustíveis fósseis e que mais contribuem para o efeito de estufa – incluindo o presidente dos EUA, bem como os seus homólogos da China, Rússia, Índia, Japão, França e Grã-Bretanha.

Por seu lado, o Reino Unido decidiu anunciar em Londres que iria revogar o seu compromisso com os objectivos de redução das emissões poluentes. Entretanto, a influente newsletter digital Semafor destaca que o Reino Unido não está sozinho: “os planos sobre clima do México foram para trás em anos recentes, dando prioridade a combustíveis fósseis e desmantelando políticas climáticas”, reportou.

A verdade é que ninguém esperava que, depois de todas as conversas, houvesse alguma ação sólida

Foto: ONU
As emergências globais não interromperam diversos eventos e jantares elegantes de chefes de estado, diplomatas e empresários

A Casa Branca de Biden decidiu que era um bom momento para anunciar que está lançando algo chamado American Climate Corps, que propõe formar 20 mil jovens para participarem em empregos na economia verde, como parte dos seus esforços ambientais. No entanto, embora Biden afirme que a sua administração continua empenhada em alcançar o objectivo do Acordo de Paris de limitar o aquecimento global a menos de 1,5 graus Celsius, a sua administração elogia-se por alcançar níveis sem precedentes de produção de petróleo e gás.

Os seus próprios cidadãos continuaram a protestar contra o que descrevem como posições hipócritas. Além da mega-marcha do passado domingo para acabar com os combustíveis fósseis, as ações de desobediência civil continuaram em Nova Iorque e Washington – incluindo o encerramento de entradas para a sede mundial do Bank of America, a Reserva Federal, durante horas, perturbando um fórum com responsáveis dos EUA e colocar cobertores em frente à Casa Branca – exigindo que Biden declare uma emergência climática e contra o financiamento do sector petrolífero.

Reuniões paralelas

Como sempre, a reunião anual de alto nível da ONU permite uma série infinita de reuniões bilaterais, formais e informais, entre líderes e suas delegações, e também anúncios de projetos e acordos de todos os tipos.

Continua após o banner

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, usou sua presença aqui para se projetar como um líder do sul global, e é o único presidente a obter duas reuniões com Biden. Ambos os líderes anunciaram a formação de uma Associação pelos Direitos dos Trabalhadores que procura criar um esforço global para promover os direitos laborais e reafirmar que os trabalhadores e os seus sindicatos precisam fazer parte dos esforços para enfrentar as alterações climáticas. A propósito, Lula foi o único presidente – tanto quanto se sabe – a enviar uma delegação para se reunir com uma seção do sindicato UAW e expressar solidariedade com a greve dos trabalhadores do setor automotivo nos Estados Unidos.

Por sua vez, Biden manteve outras reuniões bilaterais, incluindo uma com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu.

Enquanto isso, prosseguiu o desfile de 145 chefes ou chefas de Estado e representantes de alto nível do resto das 193 nações membros que sobem ao pódio para falar perante a comunidade internacional durante cerca de 15 minutos cada. O presidente do Chile, Gabriel Boric, começou a sua vez agradecendo à ONU por repudiar o golpe de Estado no seu país há 50 anos, apoiado, observou, pelo então governo de Richard Nixon. Mas a maior parte do seu discurso centrou-se nas questões da democracia e das alterações climáticas, e juntou-se ao coro de países que clamam por justiça na Palestina, bem como pelo levantamento dos bloqueios contra Cuba e Venezuela.

Além de participar de inúmeros eventos paralelos, dentro e fora da ONU, alguns dos líderes se atrevem a visitar outras comunidades desta cidade, como o presidente Gustavo Petro, que foi a uma colônia colombiana no Queens para falar sobre a situação de seu país e o presidente Díaz-Canel, que participou de um evento no Harlem com representantes progressistas e também em homenagem às visitas históricas de Fidel a esse famoso bairro afro-americano.

As emergências globais não interromperam diversos eventos e jantares elegantes de chefes de estado, diplomatas e empresários. Durante esta semana de reuniões e discursos e enquanto prosseguia o desfile de oradores no pódio de mármore da Assembleia Geral, estima-se que mais de 90 mil crianças morreram por causas evitáveis no mundo, 148 milhões de menores continuam a sofrer os efeitos da desnutrição, o planeta continua a perder permanentemente espécies e água e as guerras continuam a produzir números obscenos.

David Brooks e Jim Cason | La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

2560px-Hotel_InterContinental_(Madrid)_01
Grupo que articula ataques a Obrador faz novo encontro da ultradireita global em Madri
netanyahu-genocidio-Palestina
Pogroms, censura, manipulação midiática: o que Ocidente esconde sobre o genocídio palestino
Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso