Pesquisar
Pesquisar

Após fracasso para retomar sanções contra Irã, EUA podem anunciar afastamento da ONU

São crescentes os rumores de que na Assembleia Geral da ONU, Trump anunciará uma redução nos fundos ou a retirada dos EUA do órgão que completará 75 anos
Thalif Deen
IPS
Nova York

Tradução:

Em 1998, o senador norte-americano Jesse Helms, um republicano de direita do estado norte-americano da Carolina do Norte, realizou uma virulenta e pessoal campanha de ódio contra as Nações Unidas (ONU) e sua própria presença em Nova York.

Helms, presidente em tempo integral do poderoso Comitê de Relações Exteriores do Senado e agressor em meio período da ONU, reclamou publicamente que fornecer fundos para o organismo multilateral era como “jogar dinheiro em uma ratoeira”. Helms queria que a ONU deixasse a icônica torre de vidro de Nova York para sempre

Em 2020, o mesmo fantasma retorna

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, planeja se dirigir pessoalmente à Assembleia Geral da ONU no dia 22 de setembro, o que certamente o tornará o único chefe de Estado a participar fisicamente da fase de alto nível do máximo órgão interno, que este ano foi organizado para se desenvolver virtualmente devido à pandemia Covid-19.

Um boato crescente é que o governante dos EUA usaria essa aparição na Assembleia Geral do fórum mundial de 75 anos para ameaçar sua retirada da ONU (muito improvável), antecipar cortes nas contribuições financeiras dos EUA (provável) ou reduzir a presença do maior contribuinte no corpo (muito provavelmente).

Mas com um presidente que já se mostrou altamente imprevisível, tudo está no ar sobre o futuro de Washington na ONU, enquanto nas últimas semanas a hashtag #DesfinanciaralaONU se espalhou entre os círculos de direita. 

O porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, disse em 8 de setembro que “eu vi o rótulo”, também conhecido pelo nome em inglês: hastag.

“Todos os dias demonstramos o valor de investir nas Nações Unidas para a melhoria das pessoas em todos os lugares e o valor que isso traz, seja para ajudar durante a pandemia ou o que estamos fazendo ao redor do mundo, o que estamos fazendo em nossas missões de paz… É por isso que fazemos todo o possível para mostrar nosso valor todos os dias com o trabalho que fazemos”, Dujarric respondeu a essa campanha.

São crescentes os rumores de que na Assembleia Geral da ONU, Trump anunciará uma redução nos fundos ou a retirada dos EUA do órgão que completará 75 anos

Foto: Anton Uspensky/ONU
Um clima sombrio paira sobre a sede envidraçada da ONU em Nova York.

Retaliação por humilhação

Para os observadores das questões da ONU, uma medida de Trump sobre cortes ou subfinanciamento do órgão multilateral seria, seria percebida como uma retaliação do governante pelo fracasso no Conselho de Segurança de uma resolução proposta por Washington para retomar as sanções contra o Irã.

A delegação dos Estados Unidos ao Conselho de Segurança ficou isolada e humilhada quando apenas um de seus 15 membros, a República Dominicana, votou com ela no órgão mais poderoso da ONU. China e Rússia votaram contra e 11 outros membros, incluindo Alemanha, França e Reino Unido, se abstiveram.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, descreveu a votação como “decepcionante” e garantiu que “privadamente, cada líder mundial, cada um dos meus homólogos me diz que os Estados Unidos estão fazendo a coisa certa”, pelo que considerou “incompreensível” que eles não apoiaram publicamente a resolução.

“Ficar do lado dos russos e chineses nessa questão importante neste momento importante da ONU, eu acho, é realmente perigoso para o mundo”, disse Pompeo.

Se o suposto subfinanciamento finalmente entrar em vigor, será um golpe devastador para a ONU quando ela completar 75 anos em 24 de outubro, porque os Estados Unidos atualmente contribuem com 22% de seu orçamento.

Como um unilateralista convicto, Trump tem sido abertamente antagônico às instituições multilaterais desde que chegou à Casa Branca.

Desde que assumiu o cargo em janeiro de 2017, a administração Trump retirou  ou reduziu o financiamento de várias agências da ONU, instituições afiliadas ou tratados multilaterais.

Isso inclui a Organização Mundial da Saúde (OMS), justamente quando trata da pandemia, a Agência das Nações Unidas para os Refugiados Palestinos no Oriente Médio (UNRWA), a Organização Mundial do Comércio (OMC), a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o Conselho de Direitos Humanos da ONU e o Tribunal Penal Internacional (TPI), entre outras instituições.

Um relatório do The New York Times de 4 de setembro afirma que é altamente provável que Trump se retire da icônica aliança militar de 71 anos da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), se ele ganhar um segundo mandato como presidente, nas eleições. 3 de novembro.

O jornal cita ex-autoridades dos EUA dizendo que seria uma das maiores mudanças estratégicas no cenário mundial em gerações e representaria uma grande vitória para o presidente russo, Vladimir Putin.

Uma relação tóxica

Norman Solomon, diretor executivo do Institute for Accuracy in Public Information, com sede em Washington, disse à IPS que a administração Trump é uma equipe de demolição que busca minar, se não demolir, instituições internacionais que não atendem aos caprichos idiossincráticos de Trump, ou não são úteis aos interesses dos Estados Unidos e seu complexo militar-industrial.

A maioria dos governantes e líderes dos EUA, disse ele, vê as Nações Unidas como um instrumento para promover os interesses geopolíticos do país, mas vários deles também apoiaram seu papel multilateral, humanitário e promotor do desenvolvimento. 

“Trump não vê mais as coisas dessa maneira”, disse o prestigioso jornalista e especialista em serviço público.

“O regime de Trump tem operado quase inteiramente com base em um interesse próprio estritamente definido, a ponto de que deve ser entendido como a mais grave ameaça não apenas para a ONU, mas para o mundo como um todo”, disse Solomon, autor. de “Torne a guerra fácil. Como presidentes e especialistas continuam nos girando até a morte”.

“Quando avaliamos as instituições internacionais, elas não devem ser colocadas no mesmo plano. As Nações Unidas e seu potencial estão longe de ser comparáveis à OTAN”, insistiu.

Ele ressaltou que a ONU tem aspirações e objetivos louváveis, embora sua forma de operar e algumas de suas medidas sejam “profundamente falhas” e necessitem de uma reestruturação urgente.

Em vez disso, a OTAN “é muito mais uma ameaça à paz do que uma defensora”.

“A hostilidade de Trump ao conceito das Nações Unidas é em muitos aspectos direta, enquanto sua crítica intermitente à OTAN é inconsistente e em grande parte uma função de nacionalismo desequilibrado”, disse Solomon. 

O especialista espera que o mundo esteja “sofrendo” os últimos meses de Trump, cuja liderança considera um coquetel tóxico de ganância, estupidez calculada e prerrogativas narcisistas do suposto “excepcionalismo estadunidense”.

Oportunidade em crise

Ian Williams, presidente da Associação de Imprensa Estrangeira de Nova York e autor de “O que não foi contado: a verdadeira história das Nações Unidas na paz e na guerra”, disse à IPS que o sistema da ONU está em uma situação muito triste ao chegar aos 75 anos.

Os Estados Unidos agem como se odiassem a organização, mas os outros membros não parecem amá-la o suficiente para entrar nessa batalha e defendê-la, argumentou.

Historicamente, os Estados Unidos promoveram a dependência da organização do dinheiro de Washington, como demonstrado quando os Estados Unidos rejeitaram a proposta do primeiro-ministro sueco Olaf Palme em 1985 de que a contribuição máxima dos países seria limitada a 15% da seu orçamento.

Mas o problema “vai além das finanças”, disse que também foi presidente da Associação dos Correspondentes das Nações Unidas (Unca).

“A atitude ilegal dos Estados Unidos tem se mostrado contagiosa. Se os Estados Unidos e seu aliado Israel podem desafiar as resoluções, então, porque a Rússia não pode quebrar as regras na Ucrânia, ou Pequim no Mar da China, ou a Índia na Caxemira?”

Para o especialista em assuntos multilaterais, se Trump tiver sucesso nas eleições de novembro, “a ONU deveria ter planos de contingência para continuar sem os Estados Unidos”.

Na pior das hipóteses, talvez de forma realista, a Assembleia Geral deveria estabelecer um Mecanismo Residual Internacional para supervisionar as obrigações coletivas da ONU até que os membros dêem sinais de retomar suas responsabilidades de forma eficaz, disse Williams.

Barbara Adams, presidente do Conselho do Global Policy Forum, disse à IPS que “talvez a suposta ameaça de Trump seja contraproducente (para o presidente) e mobilize vozes dentro dos Estados Unidos para gerar um efeito semelhante ao do USPS (serviço postal Americano)”, reforçado por sua crítica.

“Isso poderia desencadear uma reação de “cuidado com o que você deseja” no nível nacional e entre os Estados membros, cuja retórica do multilateralismo não corresponde às suas ações?”

A crise que Trump poderia provocar também representa uma oportunidade de “exigir uma governança mundial genuinamente democrática e iniciar a tão esperada transição” na ONU, para retornar ao propósito para a qual foi criada: “liderar o caminho para a paz, a justiça e direitos humanos sustentáveis”. 

Thalif Deen | correspondente da IPS junto as Nações Unidas

IPS, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados

Tradução: João Baptista Pimentel Neto


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Thalif Deen

LEIA tAMBÉM

Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri