Pesquisar
Pesquisar

Após golpe contra Evo, ao menos 53 rádios comunitárias foram fechadas na Bolívia

Algumas delas viram as suas instalações e equipamentos serem destruídos por polícias, militares e apoiantes do governo golpista
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
São Paulo (SP)

Tradução:

O encerramento foi denunciado pela própria emissora nas redes sociais, que revelou que os equipamentos nas instalações de Buena Vista (no Norte do departamento de Santa Cruz) foram desligados definitivamente por ordem do Ministério da Comunicação do governo golpista.

De acordo com a fonte, as emissões da Kawsachun Coca estavam a ser interrompidas há mais de uma semana, mas voltavam a ser reestabelecidas após protestos dos moradores.

Mas agora foi de vez, afirmam, ao mesmo tempo que denunciam a censura e os ataques contra órgãos de comunicação e jornalistas – os que mostram a repressão militar e a perseguição a dirigentes políticos do Movimento para o Socialismo (MAS) – como um elemento constante do governo a que preside a autoproclamada Jeanine Áñez.

Desde o golpe de Estado, consumado em 10 de Novembro último, pelo menos 53 rádios administradas por comunidades originárias e organizações sociais foram silenciadas. Algumas delas viram as suas instalações e equipamentos serem destruídos por polícias, militares e apoiantes do governo golpista, refere a Alahednews Spanish.

Em declarações ao diário La Razón, o dirigente do movimento agrícola Rodolfo Machaca afirmou que, desde então, nenhuma transmite serviços noticiosos, algumas apenas música e outras cortaram as emissões por completo. Citado pela Prensa Latina, Machaca explicou que o sector está a fazer um levantamento de dados sobre as emissoras silenciadas, destruídas, saqueadas ou protegidas, para defender os equipamentos.

Também em declarações ao diário La Razón, um dirigente da Central Obrera Boliviana, Juan Carlos Huarachi, mostrou-se preocupado com o facto de o governo golpista ter apresentado o projeto “La recuperación de la libertad de expresión en Bolivia”, que mexe na atribuição de licenças de rádio aos povos originários, alegamente, para “ampliar o direito de acesso à informação”.

Huarachi entende que o chamado “governo de transição não pode tocar em normas porque isso não é da sua competência; eles apenas devem convocar eleições, não podem decidir que as rádios deixam de funcionar”.

Um governo golpista, não “de transição”

Dois dias depois de, no passado dia 10 de Novembro, Evo Morales ter sido obrigado a renunciar ao cargo, a senadora da oposição Jeanine Áñez autoproclamou-se “presidente interina” da Bolívia, com o apoio da extrema-direita, dos militares e de Washington.

Seguiram-se dias de intensa repressão policial e militar nas ruas, que provocou mais de 30 mortos, perseguição a apoiantes de Evo Morales e membros dos seus governos, bem como mudanças significativas na política externa e econômica do país andino.

É neste cenário que se integra a perseguição à imprensa, a censura, a intimidação a jornalistas – incluindo a ameaça de processamento judicial por “sedição” caso “não façam o seu trabalho” – e a suspensão do sinal de cadeias estrangeiras incômodas, como a RT e a TeleSUR.

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri
Xi Jinping - Putin
Encontro de Xi e Putin fortalece relação histórica e aliança contra ofensiva “dupla” dos EUA
Alvaro-Uribe
Colômbia: Uribe pode ser condenado a 12 anos de prisão em julgamento por suborno e fraude
Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU