Pesquisar
Pesquisar

Após jovem assassinar nove pessoas em escola na Rússia, Putin ordena revisão de decreto para compra de armas

que há alguns dias “recebeu um sinal que o fez saber que era Deus”
Juan Pablo Duch
Diálogos do Sul
Moscou

Tradução:

Um irracional ataque com arma de fogo em uma escola da cidade de Kazán, capital da república russa de Tatarstán, deixou ontem um saldo de pelo menos sete alunos, uma professora e uma funcionária mortos, assim como mais de vinte feridos de bala. 

O autor do massacre, Ilnaz Galiabiyev, de 19 anos de idade, formado há quatro anos na mesma escola e estudante de uma instituição de educação superior, proclamou-se através das redes sociais como “Deus” cuja missão, anunciada horas antes de começar a disparar a torto e a direito dentro da edifício era “hoje vou matar uma grande quantidade de biolixo e depois tirarei minha vida”. 

Antes de cumprir o plano de suicidar-se, o atacante rendeu-se aos policiais que acudiram primeiro ao pedido de ajuda da escola, minutos antes que chegassem unidades especializadas em atentados e sequestros do FSB (sigla em russo do Serviço Federal de Segurança) e elementos da Guarda Nacional.

Apenas duas semanas antes, Galiabiyev adquiriu de forma legal uma arma – teoricamente para ser usada em caçadas, mas equiparável por sua perigosidade a um rifle de assalto – que ele utilizou contra pessoas indefesas sem outra finalidade que tirar suas vidas.

À raiz desta tragédia, o titular do Kremlin, Vladimir Putin, após expressar suas condolências aos familiares das vítimas, ordenou revisar os requisitos e estabelecer um controle mais rigoroso para a compra desse tipo de armamento ou, em última instância, o que pode ou não ser vendido a civis.

que há alguns dias “recebeu um sinal que o fez saber que era Deus”

Lusa
Dono dos disparos declarou que há alguns dias “recebeu um sinal que o fez saber que era Deus”.

O ataque na escola de Kazan foi de tal forma inexplicável que gerou todo tipo de rumores: que eram dois os atacantes, que um morreu durante o assalto das forças de segurança, que um conseguiu escapar e se está procurando identificá-lo, e assim por diante… até o que presidente de Tatarstán, Rustam Minninjamov, deu a conhecer a versão oficial, embora preliminar, dos fatos. 

Minninjamov informou, após decretar um dia de luto, que o número de mortos ascende a nove – 7 alunos, uma professora e uma funcionária – e o de feridos a mais de 20, consequência do ataque de uma pessoa aparentemente fora de si, que se encontra detida.

O atacante começou a fazer declarações disparatadas – segundo pode ser escutado nas declarações da própria polícia na Internet – entre outras, que há alguns dias “recebeu um sinal que o fez saber que era Deus” e que, por momentos, sentiu-se exultante como tal, e em outros como “monstro” que devia “aniquilar a quem se pusesse na frente dele”.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Juan Pablo Duch Correspondente do La Jornada em Moscou.

LEIA tAMBÉM

Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso
Rafah-ataque-Israel
Fepal: Como Alemanha nazista, Israel deve ser parado pela força das armas
Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu