Pesquisar
Pesquisar

Após mais de 1 ano de Guerra na Ucrânia, Zelensky ainda cobra entrada na Otan

“Necessitamos algo mais que o formato atual de nossas relações", afirmou presidente ucraniano após o anúncio de um novo pacote de armas
Juan Pablo Duch

Tradução:

Na véspera de que Estados Unidos e seus aliados se reúnam de novo na base militar de Rammstein, Alemanha, para acordar o novo pacote de armamento à Ucrânia, o secretário geral da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), Jens Stoltenberg, visitou nesta quinta-feira (20) Kiev para reiterar o respaldo da Aliança ao governo do presidente Volodymyr Zelensky.

Continua após o banner

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, declinou comentar a visita de Stoltenberg e se limitou a recordar que um dos objetivos da “operação militar especial” que a Rússia leva a cabo é “precisamente impedir o ingresso da Ucrânia à Otan, o que seria uma grave ameaça para a segurança de nosso país”.

A expansão da Otan para o leste é uma das principais preocupações do Kremlin, Mesmo sem a Ucrânia, com a recente adesão da Finlândia, no começo deste mês, a fronteira terrestre com a Rússia de países membros da Otan se duplicou: aos 1.200 quilômetros que tinha com Estônia, Noruega, Letônia, Lituânia e Polônia, os finlandeses aportaram outros 340 quilômetros.

E agora em aberto desafio a Moscou, o secretário-geral da Otan viajou a Kiev pela primeira vez desde que começou a guerra.

“A Otan está com a Ucrânia hoje, estará amanhã e o tempo que seja necessário”, afirmou Stoltenberg em uma entrevista coletiva ao término de sua visita à capital ucraniana.

Segundo o emissário da aliança, todos os membros estão de acordo que a Ucrânia, no futuro, deve formar parte da “família euro-atlântica da Otan”, e vaticinou que “com o tempo nosso apoio contribuirá para fazer isto realidade”.

Continua após a imagem

“Necessitamos algo mais que o formato atual de nossas relações", afirmou presidente ucraniano após o anúncio de um novo pacote de armas

Otan/Flickr
Para Zelensky, a próxima cúpula da aliança, a ser celebrada em julho em Vilna, Capital da Lituânia, será um “evento histórico”

Mas agora, matizou Stoltenberg, o mais importante é ajudar a Ucrânia a ganhar esta guerra”, já que só assim poderá seguir sendo um país independente e terá sentido solicitar sua adesão ao bloco militar.

Por isso, os aliados “estamos fornecendo agora mais aviões, tanques, veículos blindados, e o fundo da Otan para a Ucrânia oferece apoio urgente. E tudo isto, no presente, marca realmente a diferença nos campos de batalha”, precisou também o ex-primeiro-ministro da Noruega.

Segundo Stoltenberg, os países da aliança, desde fevereiro de 2022, “já outorgaram 150 bilhões de euros de ajuda à Ucrânia”. Ele se mostrou confiante de que na reunião desta sexta-feira na base militar de Rammstein “poderemos conhecer novos anúncios sobre apoio militar específico à Ucrânia, que claramente servirão para complementar toda a assistência sem precedentes que já foi prestada”.

Por sua parte, o anfitrião Zelensky agradeceu a presença em Kiev do secretário geral da Otan e lhe pediu que mediasse com os sócios da Ucrânia para “superar os tabus” em matéria de fornecimento de armas de longo alcance e aviões modernos. 

Continua após o banner

“Vemos esta visita de Jens Stoltenberg, a primeira desde que começou a guerra, como um sinal positivo no sentido de que a aliança está disposta a começar um novo capítulo nas relações com a Ucrânia, um capítulo de decisões mais ambiciosas”, apontou.

E, sem meias palavras, colocou: “necessitamos algo mais que o formato atual de nossas relações. Apreciamos que os países da aliança norte-atlântica nos ajudem com armas, mas queremos entender quando estará a Ucrânia na Otan”. 

Segundo o presidente ucraniano, “já é hora de que os dirigentes da aliança definam a perspectiva de ingresso da Ucrânia à Otan, elaborem o algoritmo de avanço da Ucrânia para essa meta e ofereçam as garantias de segurança para nosso Estado durante o período até nossa adesão”.

Para Zelensky, a próxima cúpula da aliança, a ser celebrada em julho em Vilna, Capital da Lituânia, será um “evento histórico”, no qual espera que anunciem passos “específicos e concretos” sobre o futuro da Ucrânia na Otan, algo que “nenhuma barreira objetiva” pode impedir.

Juan Pablo Duch | La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Juan Pablo Duch Correspondente do La Jornada em Moscou.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação