Pesquisar
Pesquisar

Após manobra em edital, Temer entrega satélite de defesa aos EUA

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Imagem: Divulgação TeleBras

Os operadores de telecomunicações no Brasil decidiram ir à Justiça contra a parceria entre a Telebras e a estadunidense Viasat. A polêmica ocorre porque o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) da Telebras tem caráter estratégico no país.

Redação (*)

O SGDC recebeu R$ 2,7 bilhões em investimentos do governo e será utilizado para a implementação do Plano Nacional de Banda Larga, além de ter parte de seus recursos destinado para uso das Forças Armadas.

“Como é que um satélite de defesa brasileiro vai ser operado por uma empresa americana?”, esse é o questionamento feito por Ronaldo Tiradentes, presidente da Via Direta Telecomunicações por Satélite e Internet, de Manaus, em declaração ao jornal Valor Econômico.

O contrato estratégico prevê que a empresa com sede na Califórnia use 100% da capacidade em banda ka (que tem mais velocidade e menor custo com relação a outras bandas) do SGDC da Telebras, como parte do programa Internet para Todos, do governo federal.

Apesar de o sindicato que representa as operadoras de satélite, SindiSat, ainda não ter se decidido sobre ir ou não à justiça (a reunião será dia 28 de março), o Sinditelebrasil, que representa telefonia móvel e fixa vai recorrer da decisão.

“Como uma empresa estatal, com ações na bolsa, depois de fazer uma licitação que não deu certo, firma um acordo com uma das empresas que participaram dos road shows, e que compraram o edital? É preciso que se explique, no mínimo, por que o acordo foi com essa empresa, e não com qualquer outra”, diz, ao site Telesíntese, uma fonte que preferiu não se identificar.

 

Edital

 

No ano passado, a Telebras publicou edital para contratar uma empresa para prestar o serviço de banda larga. Não apareceram candidatos. De acordo com empresários do setor, as condições do edital eram ruins, com muitas exigências, inclusive cobertura nacional com 100% por banda ka, o que nenhum prestador oferece.

Com a ausência de candidatos, a Telebras fez um acordo com a Viasat, fato criticado por empresários que consideram que as exigências foram mitigadas em favor da Viasat. Outro fator de descontentamento é que o edital previa a divisão entre três prestadores de serviços, enquanto a Viasat ficou com a totalidade da banda.

“Se as condições que antes estavam no edital foram flexibilizadas, por que não foi aberto um novo edital para avaliação de todas as empresas?”, questiona um executivo de uma operadora de satélites, que preferiu ficar no anonimato, em declaração ao Valor Econômico.

(*) com informações do jornal Valor Econômico


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Lula - 1 de maio
Cannabrava | Lula se perdeu nos atos de 1º de maio