Pesquisar
Pesquisar

Aposentados chilenos falam sobre a dificuldade de viver com uma renda medíocre

80% dos aposentados recebem menos que um salário mínimo no Chile, enquanto 44% recebem valores abaixo da linha da pobreza
Leonardo Wexell Severo
ComunicaSul
Santiago

Tradução:

Implementado em 1981, pela ditadura de Augusto Pinochet, o sistema chileno é considerado por especialistas um tremendo fracasso: apesar da promessa de que, capitalizando a poupança, as Administradoras de Fundos de Pensão (AFP) pagariam aos cidadãos cerca de 70%  do valor de seus últimos salários, a taxa de retorno é de 33% para homens e 25% para mulheres.

Em termos de valores, a coisa fica ainda pior: 80% dos aposentados recebem menos que um salário mínimo no Chile, que é considerado o suficiente para sobreviver, enquanto 44% recebem valores abaixo da linha da pobreza.

Clube da Terceira Idade de Valparaíso: unanimidade dos aposentados contra as AFP

Rechaço

É o caso de Pascual Sanchez Espinosa, 72, que trabalhou a vida toda como pedreiro. “As AFP são como piranhas”, dispara. “São como vampiros, que te chupam e chupam”.

Pascual Sanchez Espinoza: “São vampiros que te chupam” 

O sistema imposto por Pinochet tornou-se obrigatório desde o primeiro dia de sua imposição, mas como Pascual começou a contribuir antes, ele recebe a sua pensão através do sistema antigo de Seguridade Social. “Vivo com 150 mil pesos ao mês”, conta – o salário mínimo, atualmente, é de 300 mil pesos.

“Se eu recebesse pelo modelo das AFP, o valor seria de 80 mil pesos”, o que daria, segundo ele, “para tomar chá”.

Victoria del Carmen Sanchez, 67, é outro caso que reflete a realidade de oito em dez idosos do país. A aposentadoria dela, somada a do marido, garante apenas o pagamento do aluguel. Por isso, eles têm de seguir trabalhando.

Victória trabalha 12 horas por dia, seis dias por semana 

“Temos uma filha que estuda arquitetura, então, trabalhamos por ela”, explica. Victoria e Joel são ambulantes, vendendo artigos de brechó em uma praça de Valparaiso. “Estamos aqui das seis da manhã até às sete da tarde, de segunda a sábado”.

Fernando Rios sobre o Brasil adotar o sistema chileno: péssimoFotógrafo profissional durante toda a sua vida, Fernando Rios Palma, 69, foi sucinto quando questionado o que opina sobre a possibilidade de o Brasil adotar o modelo chileno: “Péssimo”.

Fernando, que vive com cerca de 200 mil pesos por mês, valor que ele diz ser suficiente para assegurar a cesta básica, também não perdoa os “algozes” do aposentado chileno.

“O que as AFP fazem é um roubo. Estão roubando as pessoas, é pura sacanagem das pessoas que manejam este sistema”.

*O Coletivo de Comunicação Colaborativa ComunicaSul está no Chile com os seguintes apoios: Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, Diálogos do Sul, Federação Única dos Petroleiros (FUP), Jornal Hora do Povo, Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Sindicato dos Metroviários de São Paulo, CUT Chile e Sindicato Nacional dos Carteiros do Chile (Sinacar). A reprodução é livre, desde que citados os autores e apoios. 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Leonardo Wexell Severo

LEIA tAMBÉM

crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor
Javier_Milei_and_Santiago_Abascal_(cropped)
Superávit de Milei é ilusionismo contábil: a verdade sobre a economia Argentina
Desigualdade_FMI_Banco-Mundial
Em Washington, Brasil adverte: FMI e BM seguem privilegiando EUA e outros países poderosos