Pesquisar
Pesquisar

Aprovação de impostos para “super-ricos” escancara isolamento político de Piñera no Chile

Se chegar a concretizar-se, atingirá os patrimônios a partir de 22 milhões de dólares, provavelmente em 2%
Aldo Anfossi
La Jornada
Santiago

Tradução:

O recalcitrante rechaço do presidente Sebastián Piñera a uma terceira retirada de 10% das economias previdenciárias, reinstalou na oposição chilena a acusação constitucional para destituí-lo, ao mesmo tempo que se quebra ainda mais o respaldo do oficialismo ao governante, que vai ficando isolado politicamente e repudiado socialmente. 

Uma mostra disso se deu novamente hoje, quando 26 deputados direitistas deram seu voto a favor de um imposto ao “super ricos”, aprovado por 105 deputados, cuja arrecadação seria destinada a uma renda básica de emergência.

Se chegar a concretizar-se, atingirá os patrimônios a partir de 22 milhões de dólares, provavelmente em 2%. O governo o rechaça, embora diga que está disposto a discutir opções tributárias.

Na terça-feira, mal concretizou Piñera sua ameaça de ir ao Tribunal Constitucional (TC) para bloquear a terceira retirada – que tudo indica que será aprovada no dia 22 no Senado com votos oficialistas – a esquerdista Frente Ampla acordou promover a acusação constitucional, à qual se somou o Partido Socialista.

Não é fácil conseguir aprová-la, pois requer 78 votos dos 155 deputados em exercício e de dois terços (29 votos) no Senado, onde o oficialismo tem 15 das 43 cadeiras.

Leia também
“Inação irresponsável”: Aprovação de Piñera despenca com situação crítica da pandemia no Chile

Mas a obstinação presidencial caldeia os ânimos, e o clima social se deteriora. A Central Unitária de Trabalhadores (CUT) convocou uma greve geral para 30 de abril e a União Portuária do Chile anunciou que avançará para uma “paralisação progressiva” dos terminais.

Os estivadores citaram dados da revista Forbes dando conta do enriquecimento dos milionários chilenos durante a pandemia, entre eles o de Piñera cuja fortuna passou de 2 bilhões e 60 milhões de dólares para 2 bilhões e 900 milhões de dólares, o que “demonstra como a crise só prejudicou os mais pobres, situação que a este governo não só não incomoda, mas a reforça e insiste com decisões como a de acudir ao TC”

Se chegar a concretizar-se, atingirá os patrimônios a partir de 22 milhões de dólares, provavelmente em 2%

Wikimedia Commons
O presidente Sebastián Piñera

A Federação de Trabalhadores do Cobre chamou seus filiados “a manter-se vigilantes e permanecer preparados para mobilizar-nos em apoio às justas e necessárias demandas da cidadania, pelo total ausência do governo que se nega a outorgar proteção a milhões de compatriotas, em meio da pior crise econômica do presente século”. 

A noite de terça-feira foi uma jornada de panelaços massivos em múltiplas cidades, municípios e bairros do país, acompanhado de bloqueio de ruas, barricadas incendiárias e ataques a delegacias.

Alguns dirigentes advertem que se o bloqueio à terceira retirada se concretizar, será a mecha de uma nova explosão social, em alusão à revolta de outubro de 2019 e que a peste da Covid conseguiu soterrar. 

Luis Messina, porta-voz da Coordenadora de Trabalhadores “No+AFP” (acrônimo de Administradoras de Fundos de Pensões), publicou um vídeo afirmando que “é necessário, preciso e urgente que o Congresso em uso de suas faculdades destitua Piñera, não podemos seguir sob a tutela de um sujeito que está absolutamente enfocado em levar adiante suas políticas contrárias à grande maioria”

Mas o maior abandono a Piñera vem pelo lado de seus parlamentares, que apoiam a terceira retirada e lhe advertem que os bônus e ajudas focalizadas, com requisitos de difícil cumprimento e com montante abaixo da linha da pobreza, são insuficientes. 

Leia também
“Constituinte é a chave da construção do Chile independente e soberano”, diz advogado chileno

Quando na semana passada foi aprovada a terceira retirada com 120 votos favoráveis na Câmara de Deputados, 42 votos eram de parlamentares opositores, apenas 19 votaram contra. No Senado são requeridos 26 votos (3/5) dos 43 senadores, que se superam com os cinco direitistas que comprometeram seu respaldo.

Mario Desbordes, candidato presidencial da Renovação Nacional e ex-ministro da Defesa do mandatário, dizia claramente ontem: “Creio que meu governo comete um erro, creio que se um TC resolver bloquear esse projeto, o derrotado não vai ser a deputada, o deputado, o candidato ou a candidata. São as pessoas da classe média que não estão recebendo ajudas do Estado ou não lhes chegam em quantidade suficiente”.

Aldo Anfossi, especial para La Jornada desde Santiago do Chile

La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Aldo Anfossi

LEIA tAMBÉM

Lopez-Obrador-Claudia-Sheinbaum (2)
Eleições no México: sob legado de Obrador, esquerda caminha para vitória com Claudia Sheinbaum
Cópia de DIREITA TERÁ FORÇA PARA DERROTAR CONSTITUIÇÃO(124)
Roberto Requião: Saí do PT porque adotaram liberalismo econômico do Guedes
Luis Abinader
Política de Abinader contra refugiados do Haiti é contradição que ameaça economia dominicana
Carlos Rodríguez
"Milei provocou uma das recessões mais rápidas e profundas da história", diz ex-braço direito