Pesquisar
Pesquisar

"Aqui não vai ter golpe de Estado, mas eleições livres", diz ministro da Defesa da Venezuela

"Quanto maiores os ataques dos Estados Unidos, mais unido estará o povo da nação bolivariana", reafirmou Vladimir Padrino
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Havana

Tradução:

O ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino, denunciou que um navio da marinha do governo dos Estados Unidos se aproximou a 30 milhas das costas do país. 

Durante o ato de comemoração pelo 199º aniversário da Batalha de Carabobo e da criação do Exército Libertador, Padrino qualificou esse ato – ocorrido na véspera – como uma provocação, “uma atitude arrogante de um governo que pretende acabar com a soberania da Venezuela através da violência”. 

“Estes atos questionam nosso direito marítimo e a vigilância permanente em nossas águas jurisdicionais”, manifestou o ministro, ao mesmo tempo em que alertou o executivo estadunidense a não se atrever a exercer operações militares em águas venezuelanas”.

APOIE A DIÁLOGOS

Em tal sentido, Padrino destacou que a Venezuela necessita uma união nacional sem precedentes diante das agressões do governo estadunidense e assegurou que quanto maiores forem os ataques, mais unido estará o povo da nação bolivariana. 

"Quanto maiores os ataques dos Estados Unidos, mais unido estará o povo da nação bolivariana", reafirmou Vladimir Padrino

Twitter / Reprodução
O ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino

Bicentenário da Batalha de Carabobo

Padrino exortou também aos venezuelanos e a FANB a aumentar o compromisso com a paz nacional, a propósito do início do ano do bicentenário da Batalha de Carabobo.

RECEBA NOSSO BOLETIM

Padrino reconheceu ainda a valentia do presidente constitucional, Nicolás Maduro, ao convocar distintos setores adversos para iniciar um diálogo que leve a garantir a soberania no país. 

“Aqui não vai ter golpe de Estado, nem junta de transição, nem governo de facto. Aqui haverá eleições populares, livres, isso é o que corresponde constitucionalmente”, apontou.

Por sua parte, o comandante geral do Exército Bolivariano, Alexis Rodríguez, ratificou a lealdade dos soldados venezuelanos à independência e soberania do país e recordou a estratégia levada a cabo em 24 de junho de 1821. 

A esse respeito, expressou que não se pode falar de Carabobo sem ter uma visão ampla dos antecedentes que marcaram o processo independentista; “esta batalha mantém a consciência viva do povo venezuelano”. 

Manifestou, por sua vez, que todos os integrantes da FANB estão às ordens do país e organizados para o combate, ao mesmo tempo que ressaltou a decisão do governo e do povo venezuelano de não aceitar a chantagem, a utilização de mercenários, nem bloqueios que atentem contra a segurança nacional.

Rechaço a agressão e cerco dos EUA à Venezuela

O ministro venezuelano de Relações Exteriores, Jorge Arreaza, agradeceu a Rússia pela reação às ações agressivas e ao cerco econômico imposto pelos Estados Unidos ao seu país. 

Ao se reunir com o chanceler russo Serguei Lavrov, Arreaza se referiu, em particular, a duas oportunidades neste ano, quando a missão deste país diante do Conselho de Segurança da ONU levou a tema da Venezuela.

Um foi para analisar o emprego insólito e injustificado de navios da Marinha de guerra estadunidense no Caribe para uma suposta luta contra o narcotráfico, recordou o chanceler sul-americano. 

A segunda oportunidade foi para condenar uma ação violenta de incursão contra o governo venezuelano com a participação da Colômbia e dos Estados Unidos, indicou o ministro, que assistiu ao desfile na Praça Vermelha em comemoração ao 75º aniversário da vitória sobre o fascismo alemão. 

Nos últimos anos de dificuldade e agressão contra a Venezuela, a Rússia mostrou não apenas sua vontade de defender o direito internacional, mas também sua capacidade para estender sua mão sincera para superar o regime de sanções e o bloqueio criminoso imposto à Venezuela, agregou. 

Arreaza agradeceu, a ajuda da Rússia e pessoalmente a Lavrov, após sua reunião com grupos políticos opositores, o processo de diálogo no país latino-americano, que deu resultados, constatou. 

Contamos com uma nova autoridade eleitoral, legal e legitimamente eleita, e vamos às eleições parlamentares este ano com plena participação dos partidos políticos de diferentes signos na Venezuela, considerou o chefe da diplomacia da nação sul-americana. 

Ao comentar as possibilidade de cooperação bilateral, indicou que os recursos naturais de seu país estão também abertos ao investimento justo e legal da Rússia e a todas as capacidades científicas que este estado desenvolveu nos últimos anos. 

Em referência ao desfile desta jornada, Arreaza considerou que “há 75 anos (a União Soviética) garantia a paz do mundo e 75 anos depois, a Rússia, seu governo e seu povo voltam a garantir a paz do orbe”. 

 

Prensa Latina, de Caracas e de Moscou, especial para Diálogos do Sul

Tradução: Beatriz Cannabrava /Ana Corbusier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei