Pesquisar
Pesquisar

Argentina abre as portas à cooperação entre Rússia e América Latina

Empresas russas têm interesse em investir no país sul-americano, em especial nos setores elétrico, bancário, do gás, do petróleo e da indústria química
Juan Pablo Duch
La Jornada
Moscou

Tradução:

Os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e da Argentina, Alberto Fernández, em reunião ontem no Kremlin coincidiram que é necessário dar renovado conteúdo ao acordo, firmado por ambos os países em 2015, que elevou a relação bilateral e “associação estratégica integral” e que está chamado a impulsionar a cooperação em todos os âmbitos. 

“Estamos dando um passo muito importante para que a Argentina e a Rússia possam irmanar e aprofundar seus laços”, destacou Fernández ao fazer uso das palavras no que os anfitriões denominaram “declaração para a imprensa”, sem permitir perguntas aos jornalistas. 

China e Rússia anunciam nova ordem mundial e a chegada do mundo multipolar

Fernández e Putin dirigiram uma breve mensagem ao terminar seu encontro a portas fechadas, foi marcado pela cordialidade e o agradecimento recíproco, horas antes de que ambos os mandatários viajassem a Pequim para assistir à abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno como convidados do líder chinês, Xi Jinping, com quem terão conversações por separado. 

“Argentina é um dos sócios chaves da Rússia na América Latina, nossos países estão unidos por boas relações de amizade. Aspiramos potenciar nossa cooperação e buscar novos campos de interação”, afirmou Putin e mencionou que as empresas russas têm interesse em investir no país sul-americano, em especial nos setores elétrico, do gás, do petróleo e da indústria química, assim como estreitar a colaboração bancária.

Empresas russas têm interesse em investir no país sul-americano, em especial nos setores elétrico, bancário, do gás, do petróleo e da indústria química

Casa Rosada
Rússia está grata à Argentina por ser o primeiro país do hemisfério ocidental a registrar a vacina Sputnik V

Porta de entrada da Rússia na América Latina

O presidente argentino disse: “Creio que a Argentina de alguma maneira pode ser a porta de entrada da Rússia na América Latina. Poderíamos ser a plataforma para que a Rússia desenvolva a cooperação com outros países latino-americanos. O exemplo das vacinas é significativo, nós nos convertemos na plataforma para distribuir a vacina russa no Equador, Peru, Paraguai e isso é muito importante”.

O titular do Kremlin aproveitou a presença de seu colega argentino para deixar constância de que a Rússia “está muito agradecida'' à Argentina por ser o primeiro país do hemisfério ocidental a registrar a vacina Sputnik V.

Das 20 milhões de doses contratadas, já foram entregues 15 milhões, e é muito satisfatório que já esteja funcionando aí a produção da Sputnik V

“Vacina para toda humanidade”: The Lancet valida eficácia da Sputnik V em 91,6%

Fernández, por sua parte, disse que a “Argentina tem uma dívida com a Federação Russa porque foi a primeira que se preocupou para que os argentinos tivessem vacinas, nos permitiu esse primeiro acesso à Sputnik V e ter os níveis de imunidade que os argentinos registram hoje.

Isso demonstrou, além do mais, que podemos favorecer um intercâmbio tecnológico que nos permita começar a produzir não apenas vacinas, mas outras coisas em conjunto”.

Juan Pablo Duch é correspondente de La Jornada em Moscou
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Juan Pablo Duch Correspondente do La Jornada em Moscou.

LEIA tAMBÉM

Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
GSsXOjIXgAA0ChY
Gustavo Petro assina reforma da previdência para melhorar condições dos idosos na Colômbia
000_346Y7KJ
Eleição na Venezuela: chavismo aposta na mobilização social; oposição se anima com pesquisas eleitorais
20140517por-ramiro-furquim-6030
O que explica a baixa participação nas eleições primárias no Uruguai?