Pesquisar
Pesquisar

Argentina vai investigar governo Macri por espionagem e perseguição a sindicalistas e opositores

Há ainda outra investigação e curso sobre suposta espionagem durante gestão de Macri em curso na Justiça Federal de Dolores, na província de Buenos Aires
Redação Sputnik Brasil
Sputnik Brasil
Rio de Janeiro (RJ)

Tradução:

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, informou, nesta terça-feira (4), que ordenou uma investigação contra o governo anterior, de Mauricio Macri (2015-2019), por “espionagem ilegal” e “perseguição judicial contra sindicalistas e opositores”.

O pedido do presidente ocorre após denúncia da inspetora da Agência Federal de Inteligência (AFI) Cristina Caamaño contra funcionários do governo Macri. Ela teve acesso a vídeos de reuniões do então ministro do Trabalho de Buenos Aires, Marcelo Villegas, nas quais ele tratava de ações contra dirigentes sindicais.

A Justiça Federal está investigando uma denúncia que ordenei à Agência Federal de Inteligência [AFI] contra as ações do governo anterior que promoveram a espionagem ilegal e vários processos judiciais contra sindicalistas e opositores.

Há ainda outra investigação e curso sobre suposta espionagem durante gestão de Macri em curso na Justiça Federal de Dolores, na província de Buenos Aires

Reprodução/ Twitter
Ex-presidente Mauricio Macri é acusado de espionar adversários durante seu governo na Argentina

Fernández disse que, no início de seu mandato, denunciou a existência de mais de 100 celulares criptografados fornecidos pela AFI, que incluía os de funcionários públicos e da Justiça e aliados políticos e comerciais do então partido no poder, Cambiemos.

Segundo ele, alguns dos celulares pertenciam a ex-governadora da província de Buenos Aires Maria Eugenia Vidal, ao procurador Julio Conte Grand, ao ex-presidente do clube de futebol Boca Juniors Daniel Angelici, ao ex-ministro da Justiça de Buenos Aires Gustavo Ferrari, ao empresário Nicolás Caputo e ao ex-procurador-geral Martín Ocampo.

Bolívia anuncia investigação a ex-chefe militar acusado de comprar armas irregulares na Argentina sob governo Macri

“Por que esses telefones estavam criptografados? Que segredos os oficiais judiciais e os políticos preservavam com os empresários? Que conversa secreta um empresário do esporte que se transformou em operador judicial teve com oficiais políticos, promotores ou juízes?”, indagou o presidente argentino.

Para Fernández, estas questões requerem uma resposta, pois “o uso do serviço de inteligência do Estado de direito para realizar espionagem interna e promover processos criminais é definitivamente repugnante e, portanto, inadmissível”.

O presidente ressaltou “o dever de pôr o serviço de inteligência a favor dos interesses nacionais” para “acabar com os hábitos ilegais da inteligência ‘macrista’ e reavaliar o Estado de direito e a convivência democrática”.

Na Argentina, há outra investigação de suposta espionagem durante o governo Macri em curso na Justiça Federal de Dolores, na província de Buenos Aires.

Neste caso, o ex-presidente virou réu por espionagem ilegal a parentes da tripulação do submarino ARA San Juan, da Marinha argentina, que afundou em 2017.

Redação Sputnik Brasil


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Sputnik Brasil

LEIA tAMBÉM

PascualHernandezCUC
“Do genocídio praticado contra indígenas na Guatemala surgiu o termo palestinização”, afirma CUC
Peru-mulheres-indigenas-rio-maranon
Mulheres indígenas enfrentam petroleira para proteger Rio Marañón, no Peru
Cuba-bloqueio
EUA mantêm Cuba como patrocinadora do terrorismo para afogar projeto cubano de soberania
medicos-Cuba
Em 60 anos, médicos cubanos já socorreram 165 países e resistem à perseguição dos EUA