Pesquisar
Pesquisar

Articulação entre países latinos e asiáticos é caminho para estreitar relações no sul global

Em um cenário em que o comércio e os investimentos do Sudeste Asiático crescem constantemente, o mais importante é o relacionamento com a China
Hiromi Iijima Cruz
ALAI / Agência Latino America de Informação
Cidade do México

Tradução:

Com a recente formalização da Associação Econômica Integral Regional (RCEP), a América Latina e o Caribe (ALyC) tem a oportunidade de acessar o maior bloco econômico do mundo, que representa 30% do PIB mundial. Os países da AL&C têm feito esforços, individualmente, para acessar o mercado asiático por meio de acordos bilaterais. Alianças como o Tratado Abrangente e Progressivo de Parceria Transpacífica ou TTP-11 e a Aliança do Pacífico (PA) não conseguiram estabelecer tratados em nível inter-regional. O RCEP é uma oportunidade e alternativa para os blocos ALyC coordenarem e utilizarem este novo mercado como catapulta para a recuperação da crise derivada do COVID-19.

Com a realização do RCEP em novembro de 2020, fica evidenciada a clara intenção da associação em expandir suas relações comerciais intra e interregionais. Em um cenário em que o comércio e os investimentos do Sudeste Asiático crescem constantemente, o mais importante é o relacionamento com a China, parceiro comercial cada vez mais importante para a América do Sul. Isso se deve ao aumento das importações de matérias-primas e ao investimento estrangeiro direto em energia renovável e infraestrutura na sub-região. Por outro lado, a China é o segundo maior fornecedor do México.

Em um cenário em que o comércio e os investimentos do Sudeste Asiático crescem constantemente, o mais importante é o relacionamento com a China

cxcglobal.com
Os países da ALyC têm feito esforços, de forma individual, para aceder ao mercado asiático através de acordos bilaterais

Apesar de não ter sido celebrado nenhum acordo comercial até o momento entre a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) ou o RCEP e nenhum bloco da América Latina, nas últimas duas décadas diversos acordos bilaterais de comércio e investimentos, como pode ser visto no gráfico a seguir.

O comércio entre as duas regiões aumentou consideravelmente nas últimas duas décadas. De acordo com estatísticas do BID , em 2000, a Ásia respondeu por um em dez dólares do fluxo comercial da AL&C; em 2018, esse número chegou a um em cada quatro. Da mesma forma, as exportações da ALC para os países da ASEAN aumentaram a uma taxa média anual de 11,8%, no mesmo período, enquanto para a China foi de 20,4%. É um sinal claro que as relações comerciais entre as duas regiões se fortaleceram consideravelmente.

Apesar da relação comercial quase nula entre o México e a China, a AP é um dos acordos entre a ALC e a Ásia que mais ressoou na economia mundial, do qual México, Colômbia, Peru e Chile são membros. Em outubro de 2020, a AP e a ASEAN reuniram-se virtualmente para desenvolver um novo Plano de Trabalho da Aliança ASEAN-Pacífico (2021-2023), com o qual procuram cooperar em vários assuntos.

 

O TTP-11 é o projeto de integração econômica mais ambicioso da Bacia do Pacífico. O acordo antecessor, o Acordo de Cooperação Econômica Transpacífico (TPP), planejava ser a entrada dos Estados Unidos no mercado asiático e servir de obstáculo para a China no continente americano. A retirada daquele país, durante o governo Trump, deixa a China com o campo livre de que tem aproveitado para a organização e assinatura do RCEP.

 

Existem diversos projetos de integração e cooperação na região, como MERCOSUL, CARICOM, MCCA, CAN e SICA. É importante notar que, nos dois séculos de história da ALC, houve repetidos esforços de integração econômica e cooperação multilateral que não se concretizaram em um projeto. A integração foi truncada por uma combinação de fatores internos, como o conflito entre o primeiro exportador e os setores industriais e o princípio da devida obediência que obriga o pan-americanismo. Como resultado, o desenvolvimento econômico da região oscilou durante grande parte do século 20 entre a industrialização, com o desenvolvimento do mercado interno, e o crescimento do setor primário-exportador. Os EUA têm acordos comerciais bilaterais com todos os países da ALC, exceto MERCOSUL, orientado para o crescimento das exportações dos EUA, ao invés do desenvolvimento de um complexo aparato de exportação latino-americano. A demonstração mais evidente é a divisão entre os países da Bacia do Caribe, SICA e T-MEC e os da América do Sul, onde os primeiros exportam mão-de-obra barata em forma de indústria maquiladora e os segundos basicamente grãos e minerais. Ao contrário, os EUA exportam gasolina refinada para todos os países do hemisfério, que é seu principal produto vendido no exterior. onde os primeiros exportam mão-de-obra barata na forma de indústria maquiladora e os segundos basicamente grãos e minerais. Ao contrário, os EUA exportam gasolina refinada para todos os países do hemisfério, que é seu principal produto vendido no exterior. onde os primeiros exportam mão de obra barata na forma de indústria maquiladora e os últimos basicamente grãos e minerais. Ao contrário, os EUA exportam gasolina refinada para todos os países do hemisfério, que é seu principal produto vendido no exterior.

 

O Equador é o exemplo mais recente da ingerência dos Estados Unidos na política interna dos países da região. A United States International Development Finance Corporation se comprometeu a desembolsar US $ 3,5 bilhões ao governo de Lenín Moreno, politicamente alinhado com o governo dos EUA, para saldar parte de sua dívida com a China, desde que a Huawei e outras empresas chinesas sejam excluídas da construção de a rede 5G e iniciar um processo de privatização de ativos estatais financiados pela China para empresas norte-americanas.

 

A articulação dos mercados da América Latina e Caribe com os países asiáticos do RCEP é uma forma de estreitar as relações no sul global para enfrentar o novo mundo que emerge após a mudança definitiva do eixo econômico do Oceano Atlântico para o Pacífico em o ano de 2020.

 

Nº 6, ano de 2021, 22 de fevereiro

 

– Hiromi Iijima Cruz , Faculdade de Economia, UNAM, membro do obela.org.

– OBELA : Oscar Ugarteche (Coord.), Armando Negrete, Carlos de León, Arturo Martínez, Jorge Zavaleta, Bertín Acosta, Priscila Martínez, Hiromi Iijima.

https://www.alainet.org/es/articulo/211083

As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Hiromi Iijima Cruz

LEIA tAMBÉM

crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor
Javier_Milei_and_Santiago_Abascal_(cropped)
Superávit de Milei é ilusionismo contábil: a verdade sobre a economia Argentina
Desigualdade_FMI_Banco-Mundial
Em Washington, Brasil adverte: FMI e BM seguem privilegiando EUA e outros países poderosos