Pesquisar
Pesquisar

As eleições de 2020 nos Estados Unidos entre duas palavras: fascismo e socialismo

É importante sublinhar que o “socialismo” neste contexto se refere mais ao tipo praticado por social democratas em países europeus
David Brooks
La Jornada
Washington

Tradução:

Como jornalistas dedicados a reportar sobre os Estados Unidos, há duas palavras que até pouco tempo nunca imaginamos necessitar para relatar a conjuntura neste país: fascismo e socialismo.

Embora já tínhamos comentado anteriormente, vale repeti-lo agora ao começar o longo caminho para as eleições de 2020, já que essas duas palavras – e continua sendo assombroso dizê-lo – definirão de alguma maneira o que está vindo.

Leia também:
Diálogos do Sul lança campanha de assinaturas colaborativas no Catarse 

Por um lado, com o bufão perigoso na Casa Branca expressa-se um tipo de “neofascismo”: a tomada do poder por uma figura populista direitista promovida por um setor retrógrado da cúpula econômica do país, que emprega o racismo e a xenofobia para nutrir o temor e o ódio e que convida os setores, sobretudo brancos, assustados com as mudanças em seu país, a um glorioso passado que nunca existiu. Ao mesmo tempo, busca minar a credibilidade das instituições, dos meios não leais e de qualquer opositor, acusando-os de ser “inimigos do povo” ou parte do complô de um “estado profundo”.

Talvez o mais arrepiante da declaração de Michael Cohen, o ex-advogado pessoal de Trump que denunciou durante horas o comportamento criminoso de seu ex-chefe perante o Congresso na semana passada, foi o final, em que afirmou que “dada minha experiência trabalhando para o Sr. Trump, temo que se ele perder a eleição em 2020, nunca haverá uma transição pacífica do poder, e é por isso que aceitei me apresentar a vocês hoje”.

É importante sublinhar que o “socialismo” neste contexto se refere mais ao tipo praticado por social democratas em países europeus

Youtube
Para derrotar “o presidente mais perigoso da era moderna” e resgatar os princípios e os avanços democráticos

John Dean, que foi advogado de Richard Nixon e testemunhou contra ele ante o Congresso, adverte, em um artigo no New York Times, que Trump é o primeiro presidente “autoritário” depois de seu ex-chefe e sublinhou o que disse Cohen.

Ou seja, estão alertando que o atual presidente poderia recusar pela primeira vez desde a Guerra Civil a transição pacífica do poder político, pilar fundamental da democracia estadunidense.

A outra palavra, socialismo, renasceu – depois de ser uma palavra quase proibida ou como identificação de um inimigo histórico – como antídoto a estas tendências neofacistas. De repente, ser “socialista” está na moda, principalmente entre os jovens. Duas das figuras políticas mais influentes e com maior presença popular neste país se identificam como “socialistas democráticos”: o senador Bernie Sanders que acaba de estrear sua segunda campanha aos 77 anos de idade, e a legisladora novata Alexandria Ocasio-Cortez, com seus 29 anos de idade, a mulher mais jovem a chegar ao Congresso.

É importante sublinhar que o “socialismo” neste contexto se refere mais ao tipo praticado por social democratas em países europeus. Não propõem o fim do capitalismo, mas uma série de reformas fundamentais para fortalecer o sistema de bem-estar social para as maiorias, denunciar a concentração de riqueza e de poder político “do 1%” e estabelecer maior “justiça política, econômica, racial e ambiental”.

Agora, no arranque da contenda presidencial de 2020, tudo indica que grande parte da batalha girará em torno a estas duas palavras.

Os republicanos já decidiram que sua estratégia é pintar de vermelho os democratas, Trump declarou na semana passada diante de uma organização conservadora que “o socialismo se trata apenas de uma coisa: chama-se poder para a classe governante. Todos estamos aqui hoje porque sabemos que o futuro não pertence àqueles que creem no socialismo… cremos no sonho americano, não no pesadelo socialista”.

Seu vice-presidente, Mike Pence, usou o mesmo roteiro: “a decisão que enfrentamos hoje… é entre a liberdade e o socialismo… no momento em que a América se torne um país socialista é o dia em que América deixa de ser América”.

Sanders e seus aliados nunca dizem que sua luta é pelo “socialismo”, mas afirmam que é para derrotar “o presidente mais perigoso da era moderna” e resgatar os princípios e os avanços democráticos deste país, o fruto de suas grandes lutas trabalhistas, de direitos civis e anti-guerra, e agora, pelo futuro ambiental do planeta.  

Talvez seja o momento, entre estas duas palavras de traduzir Bella Ciao ao inglês.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação