Pesquisar
Pesquisar

As relações militares entre Brasil e Israel

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Paulo Cannabrava Filho. Perfil Diálogos NovoTemos denunciado aqui o grande perigo para a segurança nacional e a integridade dos direitos humanos que constitui o verdadeiro contubérnio entre os serviços de segurança e inteligência brasileiros com os serviços de inteligência das potencias belicistas, imperialistas, colonialistas ou a serviço do grande capital financeiro.

Relações militares entre o Brasil e Israel
Relações militares entre o Brasil e Israel

Os acordos de cooperação militar com os Estados Unidos, envolvendo a NSA, CIA e outras agências são geralmente “de fachada” e acobertam atividades ilícitas de espionagem, corrupção, adestramento para tortura. Esses serviços de inteligência não se limitam a grampear as autoridades de governo e as grandes empresas como a Petrobrás, já que se dedicam também a infiltração nos movimentos sociais com finalidade de desestabilização do governo

Denunciamos também que esse tipo de parceria não se limita aos serviços de inteligência estadunidenses e que se estendem também aos serviços de países como Grã Bretanha, França e, fundamentalmente, Israel. Uma associação com entidades gigantescas, com recursos a perder de vista, podem gastar sem prestar contas, dedicadas a matar, impor hegemonia do pensamento único, comprar jornais e jornalistas, financiar campanhas para eleger políticos dóceis ou fieis a seus interesses. Vale reiterar, se dedicam a equipar e treinar as forças policiais que reprimem os movimentos sociais, que torturam os detidos por qualquer motivo.

Campanha contra o Muro que cerca a Palestina
Campanha contra o Muro que cerca a Palestina

Recentemente o sítio da Campanha contra o Muro que cerca a Palestina, publicou um relatório sobre as relações militares entre o Brasil e Israel, do qual publicamos um resumo a seguir.

Esse relatório, datado de 2011, não aponta os fatos recentes nem os relacionados com os serviços de inteligência, mas o que revela é muito importante, suficiente para chamar a atenção dos que se preocupam com a segurança nacional, ou com os direitos humanos. Por menos do que faz Israel com a Palestina, a África do Sul, no tempo do apartheid sofreu sanções e bloqueios por parte da comunidade internacional. Israel, longe de ser punidos, com arrogância e prepotência tripudia sobre os que estão horrorizados com seus crimes de lesa humanidade.

Para ver o documento na íntegra clique aqui.

O apoio do Brasil à indústria armamentista israelense:

Com base nos dados de exportação de armas israelenses de 2005 – 2010, o SIPRI concluiu que o Brasil é o quinto maior importador de armas israelenses1. Vários programas de grande porte assinados entre Israel e Brasil já valem cerca de um bilhão de dólares2

  • O Brasil assinou um acordo de cooperação de segurança com Israel no final de novembro de 2010 para facilitar a cooperação e os contratos militares.
  • As Forças Armadas brasileiras abriram um escritório em Tel Aviv em 2003.
  • O Brasil recebe regularmente de Israel e para Israel delegações políticas e delegações econômicas patrocinadas pelo estado com o objetivo de reforçar os laços militares.
  • A Exposição Brasileira de Defesa LAAD hospeda anualmente as mais importantes empresas israelenses de armas. (Próxima Exposição: abril de 2011, Rio de Janeiro).
  • Autoridades brasileiras declararam publicamente ter ajudado empresas israelenses de armas a entrar em contato com as forças armadas de outros países latino-americanos Interesses dos produtores de armas de Israel no Brasil:

brasil israelEste relatório não abrange todos os interesses dos produtores de armas israelenses, mas apenas tem como objetivo mostrar alguns exemplos.

Elbit Systems:

  • fornece armas que o Exército israelense usa para o assassinato de civis e de “execuções extrajudiciais”. Além disso, fornece equipamentos para o Muro do Apartheid e para os assentamentos.
  • comprou três empresas brasileiras de armas: a AEL, a Ares Aeroespecial e Defesa SA, (“Ares”) e Periscópio Equipamentos Optronicos SA (“Periscópio”).
  • possui inúmeros contratos com as Forças Armadas Brasileiras, inclusive com o prestigioso projeto Guarani.
  • espera conquistar novos contratos para os Jogos Olímpicos e para a Copa do Mundo no Brasil.

Israel Aircraft Industries (IAI):

  • fornece armas que o Exército israelense usa para o assassinato de civis e de “execuções extrajudiciais”. Além disso, fornece equipamentos para o Muro do Apartheid e para os assentamentos.
  • formou uma joint venture denominada EAE com o Grupo Synergy. A subsidiária da IAI, a
  • Bedek , usa os centros de manutenção e de produção da TAP M & E Brazil nos aeroportos do
  • Rio de Janeiro e Porto Alegre.
  • possui inúmeros contratos com as Forças Armadas Brasileiras e, atualmente, tem como objetivo ganhar outros contratos com a Embraer.

Israel Military Industries (IMI):

  • tal como muitas outras empresas israelenses de armas – profundamente envolvida em casos de corrupção e suborno de funcionários públicos
  • deu a licença para a Taurus produzir os seus rifles Tavor no Brasil.
  • O Exército brasileiro compra os rifles Tavor produzidos pela Taurus.

Outras:

  • Muitas outras companhias de armas e de segurança nacional israelenses têm obtido contratos no Brasil e com o Ministério da Defesa.
  • A indústria militar israelense aponta para bilhões de dólares de contratos para a preparação dos jogos da Copa do Mundo de 2014 e para os Jogos Olímpicos de 2016 no Brasil.

Contrariando o quadro econômico, jurídico e político do Brasil

Obrigações legais:

  • O Brasil como signatário do instrumento mais relevante do Direito Internacional, tem a obrigação do não-reconhecimento e não-assistência à violações do Direito Internacional.
  • As atuais relações militares entre Brasil e Israel implicam uma violação das obrigações de Estados terceiros em relação às violações do Direito Internacional:

o O Brasil facilita benefícios econômicos para empresas que violam diretamente a IV Convenção de Genebra, contribuindo assim para a manutenção de uma situação ilegal.

o O Brasil hospeda representantes de empresas que violam diretamente a IV Convenção de Genebra e, em alguns casos, de pessoas acusadas de crimes de guerra.

o O Brasil facilita a presença no seu território de empresas que violam diretamente a IV Convenção de Genebra, entrando assim em cumplicidade direta ou indireta com as violações do Direito Internacional.

o O Brasil facilita as relações entre a sua própria economia e cidadãos e empresas diretamente envolvidas em violações da IV Convenção de Genebra.

  • A exportação é o que sustenta a indústria israelense de armas – até 70% das armas israelenses são produzidas para exportação. Sem a indústria armamentista israelense Israel não seria capaz de manter a ocupação ou continuar a liderar guerras, como a guerra contra o Líbano em 2006 e contra a Faixa de Gaza em 2008 / 9, ambas fortemente condenadas pelo Brasil.

Interesses políticos do Brasil:

  • O Brasil reconheceu o estado Palestino nas fronteiras de 1967. A indústria armamentista israelense está conscientemente lucrando com a continuada ocupação dos TPO’s, uma vez que desenvolve suas armas, graças às “experiências” acumuladas com a ocupação. O apoio para a indústria de armas israelenses, portanto, contraria claramente o apoio declarado do governo brasileiro para a criação de um Estado palestino nas fronteiras de 1967.
  • O mundo árabe é potencialmente um importante destino de exportação de armas brasileiras. Um círculo através do qual Israel usa o Brasil para produzir armas – ou participar na produção de armas – que serão vendidas para o mundo árabe, provavelmente suscitará sérias preocupações das populações e de alguns governos.
  • Reforçar os laços com os produtores de armas israelenses e empresas privadas de segurança militar (PSMC – da sigla em inglês), estabelece um péssimo precedente em termos de accountability, considerando o apoio de Israel a regimes repressivos e seu papel nos lucros e no fomento à instabilidade nas décadas de 60, 70 e 80. Em segundo lugar, os laços militares com Israel implementam elementos que podem justificar ou formar atividades opressivas e anti-governamentais mais extremas em determinado país. Finalmente, mesmo que os laços militares não representem uma ameaça para a estabilidade de um país, o apoio à indústria militar de Israel põe em dúvida o compromisso do governo com os Direitos Humanos.

Recomendações:

Face ao exposto, solicitamos ao Estado brasileiro interromper todas as relações militares com Israel e, em particular:

  • Não ratificar e cancelar o acordo de cooperação de segurança com Israel.
  • Fechar os escritórios das Forças Armadas Brasileiras em Israel.
  • Modificar a regulamentação dos contratos do Exército Brasileiro para garantir que as empresas que violam o Direito Internacional sejam excluídas dos contratos.
  • Barrar empresas envolvidas em violações do Direito Internacional de se estabelecerem em território brasileiro através de aquisições de empresas, joint ventures ou licenciamento
  • Certificar-se de que empresas que violam o Direito Internacional sejam excluídas dos contratos para a Copa do Mundo e para as Olimpíadas , pois um esporte que premia criminosos de guerra não pode ser “jogo limpo”
  • Barrar empresas que violam o Direito Internacional de participar na Exposição de Defesa
  • Devidamente processar suspeitos de crimes de guerra e crimes contra a humanidade israelenses quando são encontrados em seu território.

dilma rompaFazer negócios com a indústria armamentista israelense prejudica gravemente o apoio do Brasil aos direitos políticos e humanos dos palestinos, assim como qualquer contrato que apóie diretamente a construção de assentamentos e do Muro, que garante que um Estado palestino não seja estabelecido e que presta apoio financeiro e incentivo para as empresas intimamente ligadas com as violações dos Direitos Humanos levadas a cabo pelos militares israelenses. Isso garante que o colonialismo e a ocupação permaneçam rentáveis, permitindo que estas empresas continuem a lucrar com os crimes de guerra israelenses, enquanto que põe em dúvida o compromisso do governo brasileiro com os Direitos Humanos e suas alianças e interesses na região. É inaceitável que o Brasil entregue o dinheiro de seus contribuintes para essas empresas e, no final, uma decisão deverá ser tomada entre negociar com Israel ou se colocar ao lado do povo Palestino.

Para seguir lendo clique aqui

Fontes:

1 http://armstrade.sipri.org/armstrade/html/export_values.php

2 http://defense-update.com/wp/20110321_brazil_defense_cooperation.html

Pare o Muro:

http://www.stopthewall.org/es

Para seguir lendo clique aqui


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri
Xi Jinping - Putin
Encontro de Xi e Putin fortalece relação histórica e aliança contra ofensiva “dupla” dos EUA