Pesquisar
Pesquisar

Assinado por Governo Lula, reajuste de 15% no piso dos professores é fundamental à educação

Com aumento, remuneração dos profissionais do magistério público da educação básica vai de R$ 3.845,63 para R$ 4.420,55
Murilo da Silva
Portal Vermelho
São Paulo (SP)

Tradução:

O ministro da Educação, Camilo Santana, anunciou na segunda-feira (16) que assinou uma portaria que elevou o Piso Nacional para os profissionais do magistério público da educação básica de R$ 3.845,63 para R$ 4.420,55. O aumento representa um reajuste de 15%.

Com isso, Santana cumpre o que estabelece a Lei nº 11.738 (2008) sobre o piso para os professores em início de carreira que coloca um reajuste anual em janeiro. A correção acontece conforme aumenta o valor anual mínimo por aluno referente aos anos iniciais do ensino fundamental urbano. Este valor tem base no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) que indicou o reajuste de 15% para 2023.

Educação arrasada em todos os sentidos: há que recorrer aos mestres para as soluções

“A valorização dos nossos profissionais da educação é fator determinante para o crescimento do nosso país”, disse o ministro no Twitter.

O reajuste é fundamental para que a educação nacional avance, uma vez que a remuneração dos profissionais é parte essencial neste processo. Com o aumento, o ministro cumpre a tarefa legal de acompanhar o percentual colocado pelo Fundeb. No entanto, muitos estados e municípios não cumprem com o que é estabelecido. Como não está prevista nenhuma punição, a situação se arrasta pelo país.

De acordo com a Pesquisa de Informações Básicas Estaduais (Estadic) 2021, feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com base na jornada de 40 horas, as redes estaduais de Pará, Ceará, Paraíba, Rio de Janeiro e São Paulo não cumpriam com o piso. Acre, Minas Gerais e Mato Grosso indicaram não terem profissionais com a jornada, porém é notório que não cumprem com o estabelecido, ainda que proporcionalmente.

Como noticiado em agosto de 2022 no Portal Vermelho, as redes municipais têm dificuldade em cumprir com o piso, sendo que um em cada quatro municípios não ofereceu reajuste ao magistério público de 2021 para 2022. Nos municípios que ofereceram reajuste, grande parte desconsiderou o aumento de 33,2% indicado pelo Fundeb e apenas reajustaram os salários com base na inflação, sem ganho real,  muitos pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) calculado em 10,16% na época.

Murilo da Silva | Portal Vermelho


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:



As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Murilo da Silva

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização