Pesquisar
Pesquisar

Ataques à democracia, corrupção, insatisfação popular: Sistema nos EUA está caindo?

Vale perguntar se talvez país não deveria ser convidado à próxima Cúpula das Américas até conseguir resolver suas tendências autocráticas
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Quando o país mais poderoso e rico do mundo, com a maior economia e as forças militares mais potentes, anuncia que enfrenta uma grave emergência na qual o comandante em chefe invoca a Lei de Produção de Defesa (que outorga poderes de emergência para obrigar a produção de produtos essenciais) e anuncia a “Operação Voa Fórmula” para usar aviões federais para obter produtos no estrangeiro, a gente supõe que é problema existencial. Mas quando percebe que tudo isso é porque de repente há uma carência de fórmula para bebês, é um sinal de que algo anda muito mal.

Quando se revela que a esposa de Clarence Thomas, um dos nove integrantes da Suprema Corte, participou diretamente nos esforços para fomentar um golpe de Estado e tentar anular o voto presidencial, e seu marido finge que pode ser “imparcial” ao avaliar casos relacionados com o processo eleitoral, é outro sinal de que algo está muito mal. 

Contra empresas bilionárias, trabalhadores voltam a se organizar em sindicatos nos EUA

Que os multimilionários exerçam seu enorme poder financeiro para definir eleições, e seus gastos milionários em campanhas eleitorais sejam oficialmente considerados como “liberdade de expressão”, foi qualificado pelo ex-presidente Jimmy Carter, há sete anos, como um Estados Unidos convertido em “uma oligarquia com suborno político ilimitado”, e as coisas se deterioraram deste então.

O ex-secretário de Trabalho e professor de políticas públicas na Universidade da California, Robert Reich, afirmou recentemente que Estados Unidos se apresentam como o farol da democracia em contraste com as autocracias da China e da Rússia, “mas a democracia estadunidense está em perigo de sucumbir ao mesmo tipo de economias oligárquicas e nacionalismo racista que prospera em ambos esses poderes”.

Vale perguntar se talvez país não deveria ser convidado à próxima Cúpula das Américas até conseguir resolver suas tendências autocráticas

Pixabay
Isso pode ser chamado de um sistema democrático?

Divertindo Freud

Ao mesmo tempo, enquanto o presidente e seu secretário de Estado e os líderes legislativos insistem que são os guardiões do direito internacional, e como juízes supranacionais advertem que os responsáveis de cometer crimes de guerra serão obrigados a prestar contas, o subconsciente da cúpula política estadunidense os trai de maneiras que teriam divertido Freud.

Na quarta-feira passada o ex-presidente George W. Bush, em um discurso em seu centro presidencial em Dallas, declarou que “foi a decisão de um homem lançar uma invasão totalmente injustificada e brutal do Iraque”, e imediatamente corrigiu e disse que estava se referindo a Putin e sua invasão da Ucrânia, mas com risadinhas, depois disse quase sussurrando, “Iraque também, de qualquer maneira…” antes de continuar.

Sua ex-secretária de Estado, Condoleezza Rice, já havia afirmado em uma entrevista em fins de fevereiro, em referência à Rússia, que a invasão de uma nação soberana é um crime de guerra, sem titubear nem corrigir, mostrando sua incrível incapacidade, como o resto da cúpula estadunidense, de reconhecer sua hipocrisia.

Mudanças no “quintal”

Quando um convite da Casa Branca a mandatários na América Latina e o Caribe já não obriga a todos a se apresentarem na festa para a foto hemisférica com o estadunidense ao centro, algo mudou em seu quintal (embora diga muito amavelmente que já o considera como jardim na frente de sua mansão), outro sinal ainda não percebido por eles que não lhes vai bem. 

Assista na TV Diálogos do Sul

Quando as maiorias desejam direitos à saúde (incluindo o aborto), educação, moradia, salários dignos, o respeito a liberdades civis, e uma reforma migratória, e a cúpula simplesmente não responde… Isso pode ser chamado de um sistema democrático?

Vale perguntar diante de tudo isto se talvez Estados Unidos não deveriam ser convidados à próxima Cúpula das Américas até conseguir resolver suas tendências autocráticas, garantir o sufrágio efetivo e fazer que os responsáveis de minar direitos a liberdades civis e de cometer crimes de guerra sejam julgados e prestem contas tanto ao seu próprio povo como à comunidade internacional.

Há muitos sinais de que o sistema está caindo nos Estados Unidos. 

Bônus Musical 1 | Stevie Wonder – Blowin’ in the Wind


Bônus Musical 2 | Rising Appalachia – Resilient

David Brooks, correspondente de La Jornada em Nova York.
Tradução de Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

milei-argentina-espanha
Ataques de Milei deixam relação diplomática Espanha-Argentina na corda bamba
Ebrahim Raisi (1)
Ebrahim Raisi, Robert Fico, Prigozhin e Gaza: dois pesos e duas medidas na imprensa internacional
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda