Pesquisar
Pesquisar

Atilio Boron: EUA prepararam golpe no Chile muito antes de Allende vencer eleição

Pânico começou a se espalhar em Washington quando percebeu que o país sul-americanos tinha chances de ser governado por um líder socialista
Redação Pátria Latina
Pátria Latina
Buenos Aires

Tradução:

Os Estados Unidos preparavam o golpe muito antes de Salvador Allende ser eleito presidente, disse Atilio Borón, que nesta quarta-feira (6) visita o Chile por ocasião do quinquagésimo aniversário do colapso da democracia.

Numa conferência aqui oferecida, o cientista político argentino afirmou que em 1958, quando Allende perdeu as eleições por apenas 30 mil votos contra Jorge Alessandri, o pânico começou a se espalhar em Washington com a possibilidade de um candidato de esquerda chegar ao poder.

Revisionismos sobre Allende ignoram ação dos EUA para causar colapso no Chile, diz professor

Ele lembrou que no Chile as empresas norte-americanas tinham interesses em cobre e outros recursos.

1958

Em 1958 os Estados Unidos começaram a centrar o seu olhar neste país, com o aparecimento no Sul do continente de uma coligação que estava prestes a vencer, ultrapassando também Eduardo Frei Montalva, disse.

Segundo o sociólogo argentino, esta obsessão acentuou-se com o triunfo da Revolução Cubana em 1959 e as suas profundas reformas em matéria econômica, social e política.

Continua após o banner

O governo dos EUA, destacou, temia que uma vitória da esquerda no Chile se tornasse um exemplo para toda a região e começou a construir uma alternativa ao que previam como quase certo.

“O caso chileno não foi suficientemente estudado”, disse o professor e escritor argentino, que viveu e estudou no país entre 1967 e meados de 1972.

Sociólogo que viu de perto golpe no Chile afirma: Allende foi derrubado porque triunfou!

Atilio Borón assistiu à apresentação do número 52 da Revista Araucária na sede da Central Unitaria de Trabalhadores, que contribui para o debate e reflexão sobre os acontecimentos que levaram à ruptura com o quadro institucional.

O analista político oferecerá uma série de conferências em Concepción, Valparaíso e Santiago do Chile no âmbito do cinquentenário do golpe de estado de 11 de setembro de 1973 contra o governo da Unidade Popular.

O golpe, liderado por Augusto Pinochet, deu origem a um dos episódios mais sombrios da história deste país.

Estima-se que existam mais de 40 mil vítimas desse regime, incluindo mortos, detidos, desaparecidos e torturados, sem contar os mais de 200 mil exilados.

Redação | Prensa Latina
Tradução: Pátria Latina


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Pátria Latina

LEIA tAMBÉM

Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri
Xi Jinping - Putin
Encontro de Xi e Putin fortalece relação histórica e aliança contra ofensiva “dupla” dos EUA
Alvaro-Uribe
Colômbia: Uribe pode ser condenado a 12 anos de prisão em julgamento por suborno e fraude
Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU