Pesquisar
Pesquisar

Ativista Keila Simpson é vítima de transfobia em aeroporto do México e é deportada

Presidentra da Antra integra mesa de palestra do Fórum Social Mundial para debater violência contra população trans
Guilherme Ribeiro
Diálogos do Sul
Bauru (SP)

Tradução:

Keila Simpson, ativista pelos direitos da população trans e presidentra da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), foi vítima de transfobia e impedida de entrar no México ontem (1), por sua expressão de gênero não corresponder ao nome presente em sua documentação.

Após desembarcar no aeroporto internacional da Cidade do México, ela foi detida no departamento de imigração e, após 10 horas isolada, foi obrigada a retornar ao Brasil. Keila compõe a delegação brasileira que integra o Fórum Social Mundial de 2022, realizado de 1 a 6 de maio no país mexicano, e participaria de uma mesa de debate sobre violência contra a população trans na próxima quarta-feira (4).

Tanto Keila como os demais membros da delegação apresentaram os documentos necessários para entrada no país, como passaporte, convite oficial do evento, formulário de imigração e reserva do hotel. Mesmo assim, apenas ela foi barrada e deportada. Ela observou também que a apresentação dos comprovantes não era solicitada a outros viajantes.


Segundo nota conjunta da Antra e mais cinco organizações ligadas ao apoio e proteção da comunidade LGBTQIA+, o México não está qualificado com os princípios mais modernos e parâmetros internacionais de direitos humanos e não possui protocolo para tratamento adequado quanto ao reconhecimento de identidade de gênero.

Entidades de diversos países, presentes no fórum, declararam solidariedade a Keila Simpson, que participará do debate no dia 4, porém de forma virtual. A Antra reivindica respostas do Itamaraty e do México sobre a transfobia e a violação de direitos humanos sofrida pela ativista: “A violência institucional, simbólica e psicológica que Keila sofreu deve ser reparada e as instâncias institucionais do governo devem pedir retratação do México”.

Presidentra da Antra integra mesa de palestra do Fórum Social Mundial para debater violência contra população trans

Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra)
Entidades de diversos países declararam solidariedade a Keila Simpson, que participará de debate no dia 4, porém de forma virtual

Confira a carta em resposta ao episódio na íntegra

NOTA CONJUNTA ABGLT, ABONG E ANTRA SOBRE TRANSFOBIA SOFRIDA PELA ATIVISTA KEILA SIMPSON

Não admitimos violência transfóbica em nenhuma parte do mundo!

Exigimos reparação pelo caso sofrido pela ativista Keila Simpson neste domingo, 1 de maio de 2022, no aeroporto da Cidade do México, quando foi impedida de entrar no país e participar do Fórum Social Mundial.

Keila é parte da delegação brasileira que está participando do evento internacional, que ocorre no México este ano, e iria palestrar numa mesa que debate violência contra a população Trans representando a Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais (ABONG), a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABGLT), além de estar presidenTRA da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA).

Ao desembarcar no aeroporto internacional da Cidade do México, Keila foi detida no departamento de imigração e teve sua entrada no país “inadmitida por inconsistências”, sendo determinado seu retorno imediato no próximo voo ao Brasil. Durante todo o processo, por quase dez horas, ficou isolada, incomunicável e sem direito a acesso de nenhuma das demais pessoas da delegação. Foram acionadas ativistas e autoridades locais, que fizeram a denúncia ao Conselho Nacional de Direitos Humanos mexicano, que imediatamente elaborou nota e medida cautelar. Porém, quando conseguiram acesso ao departamento de imigração, não houve mais tempo hábil para impedir o retorno compulsório de Keila ao Brasil.

Causa espanto a celeridade no processo de retorno, ainda mais considerando o fato de a ativista ter apresentado todos os documentos necessários para sua entrada no país como passaporte, convite oficial do evento, formulário de imigração, voucher de reserva em hotel na Cidade do México (mesmo que coletivo da delegação). Estes foram os mesmos documentos apresentados pelo restante da delegação brasileira e nenhuma outra pessoa teve seu ingresso no país inadmitido. Além disso, na fila da imigração, Keila observou que estes documentos não eram solicitados a nenhum outro viajante. Outro fator importante é que Keila, por decisão própria, exerce seu direito ao uso do nome social, uma vez que não retificou documentos, o que respeitamos por conta da autodeterminação de gênero e pela individualidade. No entanto, esse direito ao nome social, em nenhum momento, foi respeitado pelos funcionários da imigração mexicana.

De acordo com informações de ativistas mexicanas, a normativa do Instituto Nacional de Migração do país não está harmonizada com os mais altos princípios e parâmetros internacionais de direitos humanos. O protocolo de recepção de pessoas migrantes ou turistas por vias aéreas, marítimas ou terrestres não conta com um regulamento para o pessoal de fronteira que indique prioridade ou tratamento adequado quanto ao reconhecimento da identidade de gênero.

Reiteramos que é inadmissível que o acolhimento e acesso a direitos a pessoas Trans sejam condicionados a sua situação documental retificada, ignorando o direito ao uso do nome social, incorrendo numa violação a princípios fundamentais que garantem às pessoas Trans de serem quem são. Temos que respeitar a autonomia e considerar que há questões pessoais e subjetivas que precisam ser consideradas nesse processo:

Há pessoas que não podem retificar devido a questões legais e/ou de direitos sucessórios,

Há aquelas que não querem retificar; e

Há aquelas que não conseguem por não ser simples ou barato efetivar esse direito.

Independente do motivo de cada pessoa e de cada caso, a autodeclaração de gênero é um direito humano que independe da anuência estatal.  Respeitar os pronomes, o nome social, a expressão e a identidade de gênero das pessoas Trans deve estar acima de qualquer norma formal.

Organizações de todo mundo, presentes no evento, declaram solidariedade a Keila Simpson e a mesa da qual participaria presencialmente, que ocorrerá no próximo 4 de maio às 9h (horário do México), manterá sua participação de forma virtual e servirá como denúncia sobre o episódio e cobrança de retratação do país.

Enquanto organizações da sociedade civil, solicitamos repostas e ações do Itamaraty e do México sobre a violação dos direitos humanos, além de mobilizar esforços para ações de reparação pelo ocorrido.

A violência institucional, simbólica e psicológica que Keila sofreu deve ser reparada e as instâncias institucionais do governo devem pedir retratação do México.

Assinam esta nota:
Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais (ABONG)
Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABGLT)
Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA)

Co-assinam esta nota:
GADvS – Grupo de Advogados pela Diversidade Sexual e de Gênero
Instituto Pólis
Conselho Nacional Popular LGBTI

Quer co-assinar a nota?
Acrescente sua organização, coletivo ou rede no documento: encurtador.com.br/avxIN

Guilherme Ribeiro é colaborador da Diálogos do Sul.



As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Guilherme Ribeiro Jornalista graduado pela Unesp, estudante de Banco de Dados pela Fatec e colaborador na Revista Diálogos do Sul.

LEIA tAMBÉM

Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel