Pesquisar
Pesquisar

Aumenta a capacidade operacional dos EUA na América Latina e Caribe

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Cubadebate*

Drones

Segundo o relatório, titulado “Hora de escutar: tendências em assistência de segurança dos Estados Unidos para a América Latina e Caribe”, estas Forças Especiais serão cada vez mais empregadas na América Latina para tarefas de capacitação, coleta de inteligência e outras missões militares, sob o rubrica do velho esquema da luta antinarcóticos.

Tais missões cumprem funções que vão muito além da mera provisão de treinamento e permitem que as unidades se familiarizem com o terreno, a cultura e os oficiais chaves nos países onde algum dia poderão operar. Deixa claro que também permitem que o pessoal estadunidense reúna informação confidencial sobre seus países anfitriões.

O estudo acrescenta que o que vem ocorrendo, em grande medida não implica em grandes orçamentos, mas vem encoberto por um véu de mistério, obscuros informes ao Congresso e o público e uma migração do manejo de programas do Departamento de Estado para o Departamento de Defesa.

A capacidade dos Estados Unidos para sair em defesa dos direitos humanos é ruída por seus próprios antecedentes, plenos de defeitos em matéria de direitos humanos: o não cumprir com o fechamento da base de Guantánamo, os vastos programas de vigilância e uma política de utilização de aviões não tripulados com que realiza execuções extrajudiciais.

As intervenções ciber são mais eficazes que a invasões por infantaria As intervenções ciber são mais eficazes que a invasões por infantaria

Esses três centros de estudo coincidem com que a natureza da participação dos Estados Unidos na região está mudando. No lugar de construir bases, empregar a Quarta Frota ou lançar pacotes de ajuda de “grande envergadura” como o Plano Colômbia ou a Iniciativa Mérida, o envolvimento das forças armadas estadunidenses está se tornando mais ágil e flexível, mas menos ainda transparente.

Como se pode ver, as notícias são pouco alentadoras para os povos latino-americanos e caribenhos. Este ajuste responde à atual estratégia estadunidense de “intervenção encoberta” de baixa visibilidade pública que lhe possibilita pouca presença de tropas terrestres e maior emprego de aviões não tripulados, ataques cibernéticos e forças de Operações Especiais com capacidade de movimento pronta e rápida.

Esta evidente uma mudança de tática para mascarar sua agenda militarista, ensaiada anteriormente com a política do “Bom Vizinho” da administração de Franklin Delano Roosevelt (1933-1945), que garantir manter um controle, visivelmente menos intervencionista sobre os exércitos latino-americanos, mas que na prática priorizou as ações encobertas de desestabilização em uma época de depressão econômica e guerras, nada mais parecido que a atualidade. Daí que a Grande Estratégia imperial se mantém intacta.

Original de Cubadebate


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri