Pesquisar
Pesquisar

Autoridade Nacional Palestina rejeita acordo Israel-Emirados Árabes mediado por Trump

Presidente da ANP, Mahmoud Abbas classificou acordo para normalizar relações entre Israel e os Emirados Árabes Unidos como uma traição à causa Palestina
Redação I21
i21
Porto Alegre (RS)

Tradução:

Anunciado, nesta quinta-feira (13), com pompa e circunstância, o acordo, mediado por Donald Trump, que normaliza as relações diplomáticas dos Emirados Árabes Unidos (EAU) com Israel foi rejeitado de forma veemente pela Autoridade Nacional Palestina (ANP).

Segundo informou o príncipe herdeiro dos EAU, Abu Dhabi Mohammed ben Zayed Al-Nahyan, em troca da normalização, Israel suspenderá a anexação de “novos territórios palestinos”.

“Em um telefonema entre o presidente Donald Trump e (o primeiro-ministro israelense Benjamin) Netanyahu, um acordo foi alcançado para encerrar qualquer anexação suplementar dos territórios palestinos”, declaro

Presidente da ANP, Mahmoud Abbas classificou acordo para normalizar relações entre Israel e os Emirados Árabes Unidos como uma traição à causa Palestina

South China
Mahmoud Abbas, presidente da ANP

Traição a causa Palestina

No entanto, Mahmoud Abbas, presidente da ANP, classificou o acordo para normalizar as relações entre Israel e os Emirados Árabes Unidos como uma traição à causa Palestina e convocou uma reunião de emergência da Liga Árabe.

“A liderança Palestina rejeita o que os Emirados Árabes Unidos fizeram. É uma traição a Jerusalém e à causa Palestina”, disse a liderança Palestina em um comunicado.

Em maio, Palestina e Emirados Árabes Unidos já enfrentaram um mal estar diplomático. A Palestina rejeitou um material de ajuda humanitária enviado pelos Emirados Árabes Unidos através de Israel para combater o novo tipo de coronavírus.

Na ocasião, o ministro da Saúde da Palestina, Mey Keyle, disse que nenhuma coordenação foi feita com a Palestina em relação aos suprimentos médicos dos Emirados Árabes Unidos.

“A Palestina é um estado. Tudo o que interessa à Palestina deve ser feito em coordenação conosco”, afirmou.

Reportado por agências, fontes palestinas denunciaram, na época, que “esse método de assistência médica foi realizado no âmbito do processo de normalização do mundo árabe com Israel, que nós rejeitamos”.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação I21

LEIA tAMBÉM

Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Palestina-EUA-Israel
EUA tentam se safar! Israel usa, sim, armas estadunidenses para matar palestinos em Gaza
Bandeira-Geórgia
Geórgia: lei sobre “agentes estrangeiros” aumenta tensão entre governo e oposição