Pesquisar
Pesquisar

“Ayiti paka respire”: A mulher haitiana na pandemia, outra expressão de terror a enfrentar

O coordenador humanitário residente da ONU, Bruno Lemarquis, indicou que 4.6 milhões de pessoas necessitam de assistência no Haiti
Rosa María Fernández
Telesur
Porto Príncipe

Tradução:

Abre seus olhos na penumbra; demora para fazê-lo porque sabe o que vai ver. Estira a boca pulposa e boceja, o gesto comprime mais seu nariz largo. Ao sei lado há sete meninos, mas a maioria dorme.

Só um lhe sorri. Sandrine a devolve com uma careta que o faz rir sem amanhecer. É preciso levantar-se, como sempre. Sim, está sozinha com tudo. O que ganha ao dia, não dá pra nada! – sabe – é pro aluguel.

Ela tinha uma casinha, que com a do lado, caiu aos pedaços quando do terremoto. Esse menino que sorri está vivo de milagre, porque com um ano de nascido caiu um moro em cima dele e esteve sangrando por um tempo.

Agora tem dez e cuida dos outros. Nesta casinha quando chove há goteiras, mas se vence o mês e não paga, o dono tranca a porta. Se levanta sem desculpas. Neste vida já viu de tudo. Maltrato, assassinato e violação. Se vende no mercado, pode negociar até certo ponto, porque os chefes lhe tiram a mercadoria.

Às vezes tem que viver agachada, porque lhe batem, a empurram. Não, não sabe assinar. Talvez necessite dinheiro para pagar a escola, o hospital, com esse vírus. Não lhe dão um remédio sem cobrar. Eu me pergunto e vejo tão longe a resposta – diz Sandrine – vivemos na calamidade.                 

“As mulheres pertencem às categorias mais pobres, mais exploradas na sociedade haitiana”, afirma em entrevista exclusiva para teleSUR, Colette Lespinasse, que há algo mais de 20 anos continua lutando contra uma forma moderna de escravidão, violência social e étnica que sofrem as dezenas de milhares de trabalhadores haitianos, emigrados ou não. “Aqui no Haiti, a Covid-19 está aumentando. Estamos observando um rápido crescimento da doença nesse últimos dias (quase 100 casos por dia) e isto é preocupante”.

As mulheres andam muito mais longe para encontrar e vender mercadorias, aumentando o risco de contágio pelo vírus.

“É que nosso Estado baseia todas as suas estratégias sobre as do sistema neoliberal que não se importa com as pessoas mais necessitadas, os trabalhadores e trabalhadoras, mas sim com as que têm dinheiro e poder.  A pandemia do coronavírus contribui para fortalecer essa tendência, a não considerar certos grupos da sociedade”.                                     

Tal como afirma a líder haitiana, o adverte Médicos Sem Fronteiras (MSF). É que no Haiti não houve quarentena estrita, não há medidas preventivas, porque as pessoas saem cada dia para ganhar a vida. Sandra Lamarque, diretora da missão dos MSF no Haiti, afirma que este é “o país com o menor Produto Interna Bruto (PIB) per capita da América, e 70% de sua população imersa na pobreza, deve lidar, além disso, com as carências de sua infraestrutura sanitária.

Na realidade, as medidas anunciadas pelas autoridades, como o toque de recolher e a proibição de reuniões, não estão sendo aplicadas nem reforçadas pelas autoridades. Os locais públicos, como os mercados, estão repletos de gente. As únicas medidas exitosas são o fechamento de escolas e igrejas”.

“A maioria dos haitianos não tem acesso à água potável e saneamento, e muitos vivem em casas lotadas onde a quarentena e o isolamento são um desafio. Ademais, existe o risco de que a crescente insegurança alimentar provoque fome geral”, afirma Carissa Etienne, diretora da Organização Pan-americana da Saúde.

O coordenador humanitário residente da ONU, Bruno Lemarquis, indicou que 4.6 milhões de pessoas necessitam de assistência no Haiti

Foto: Ledevois
Os primeiros casos do coronavírus foram relatados no Haiti em março de 2020

Mulheres-sobrevivência-família

Colette Lespinasse é ativista dos direitos dessa maioria feminina no Haiti. Os dados de 2018 representam quase 6 milhões, 50,65% do total. “No Haiti, no contexto da Covid-19, nenhuma estratégia específica foi desenvolvida em favor de grupos específicos, como crianças, idosos, deficiências. , agricultores ou outros grupos vulneráveis. Tampouco nada a favor de mulheres que assumem grande parte da sobrevivência da família. As pessoas começam a ficar assustadas. Mas o comportamento dele realmente não mudou.

O governo emitiu um decreto muito crítico que limita severamente as liberdades individuais. Na realidade, o decreto não está sendo respeitado, mas poderia ser usado a qualquer momento para reprimir a população. O decreto poderia incentivar abuso e corrupção por parte da polícia “.

“Embora se fale muito sobre confinamento, muitas mulheres precisam sair todos os dias para trabalhar como vendedores em mercados públicos lotados, domesticos em casas particulares, etc. Eles pegam transporte público sem máscaras e ninguém leva isso em conta. Não há mensagens específicas para as mulheres, a quem a sociedade patriarcal confia a responsabilidade de cuidar dos doentes e de toda a família. Assim, as mulheres representam um dos grupos mais expostos à doença. ”

Confira a entrevista

TeleSur – O que dizem as estatísticas sobre contágio por gênero?

Bruno Lemarquis – “Eles mostram que há mais homens do que mulheres que têm o coronavírus no Haiti. Segundo relatos publicados até 12 de junho, entre 4165 casos positivos detectados, 40,4% eram mulheres e 59,6% homens. (CF SITREP N0108, do Ministério da Saúde, 12 de junho de 2020) ”.

“A zona franca é composta por 70% de mulheres. Em meio à pandemia, o governo decidiu reabrir as fábricas fechadas quando os dois primeiros casos positivos foram detectados no país. Foi dito que as pessoas são necessárias para trabalhar para exportação e que existe demanda. As zonas francas do Haiti agora representam a principal fonte de divisas para o país. Assim, eles sacrificam os trabalhadores, pois mais tarde foram encontrados vários casos de coronavírus nas zonas francas”.

A fome persegue os novos desempregados no Haiti, que estão saindo da pandemia, porque 70% do desemprego foi registrado em 2019. 

Qual é a atual situação de desemprego?

“A sociedade haitiana está passando por uma situação de desemprego muito grande. A maioria das famílias sobrevive fazendo algo no setor informal. É neste setor onde a maioria das mulheres trabalha. Com a paralisação das atividades econômicas, muitas mulheres não conseguem alimentar sua família. Muitos deles são famílias monoparentais, com uma mulher solteira. Sem nenhum apoio estatal, essas mulheres têm muitos problemas”, continua a ativista humanitária de direitos humanos.

Quais são os maiores desafios nesse contexto?

Os desafios são muitos. Na saúde, o efeito da crise da pandemia começou a impactar as mulheres desde que o Ministério da Saúde emitiu uma declaração pedindo que todos os centros de saúde recebessem apenas casos de emergência.

Desde aquela época, as mulheres grávidas que tinham fitas todos os meses não conseguem consultar um médico. Você é solicitado a vir apenas se não se sentir bem. Portanto, há mulheres que esperaram até que sua situação se tornasse muito séria para pedir ajuda.

Por esse motivo, muitas mulheres dão à luz em casa e não vão a um centro e quase perdem a vida se tiverem problemas no parto. Além disso, os centros de planejamento familiar são quase inoperantes. Nesse contexto, teremos gravidezes indesejadas, principalmente de mulheres jovens. Essa crise também carrega muitos traumas para mulheres grávidas “.  

“Quanto à comida, as mulheres têm uma dupla responsabilidade agora. Há mais pessoas durante o dia em casa, porque elas não saem muito, meninos e meninas não vão à escola. Eles precisam de muito mais recursos para alimentar a família, enquanto suas atividades econômicas são reduzidas “.

O também coordenador da organização não governamental haitiana Groupementd ‘Appuiaux Retatriés et Réfugiés (GARR), afirma que, em termos de economia, “muitas mulheres vivem a negócios para sobreviver. No entanto, por causa do coronavírus, todo mundo tem medo um do outro, clientes também. Isso reduz as atividades comerciais, principalmente as relacionadas à alimentação.

Os restaurantes não funcionam todos os dias como antes. Por exemplo, um restaurante que vendia cerca de 30 pratos por dia, agora apenas dez ou 12. As mulheres que vendiam cupcakes tiveram que suspender os negócios, porque as escolas estão fechadas “. 

O acesso à água é um grande problema. Notícias do Vaticano

“O acesso à água é um grande problema. Assim, o trabalho das mulheres aumenta, pois são elas e as crianças que buscam água e, sobretudo, as que utilizam esse recurso no trabalho doméstico. Agora, estamos passando por uma estação seca prolongada. Há pouca água nas fontes, ou seja, as mulheres devem fazer muito mais esforço para encontrar água. Para evitar o Covid-19, você deve limpar a mão com muita frequência e lavar a roupa no caminho de casa. Isso significa usar muita água “. 

“Sobre o risco de contaminação, imagine que as mulheres andem muito para ir ao mercado. Como a fronteira foi fechada, eles não podem comprar e vender. Eles andam muito mais longe para encontrar e vender mercadorias. Isso representa um grande risco de contaminação para eles “. 

Que valor você atribui às redes de solidariedade durante a pandemia?

“Apesar de tantas dificuldades, as mulheres, especialmente as mulheres organizadas, fazem muitos esforços para se defender nesta situação. Existem áreas em que estão listadas para que eles possam comprar recipientes que disponibilizam a todos para limpar as mãos. Outros fazem máscaras que distribuem em áreas populares, nos mercados. Mais alguns estão envolvidos na sensibilização de outras mulheres “.  

“As mensagens de proteção tendem a se isolar e transmitir medo ao outro. Muitas reuniões não podem ser organizadas. Isso traz um certo isolamento que as mulheres tentam controlar, para poder manter contato e apoiar. No Haiti, todos estão cientes que, sem solidariedade entre nós e nós, não vamos superar essa doença. A pandemia de coronavírus nos mostrou a face egoísta do sistema neoliberal que não tem amigo senão interesses e que agora está preocupada apenas com seus interesses e não com os do povo. ”

“Enquanto isso, a insegurança está aumentando nas favelas do centro de Porto Príncipe. Martissant aparece no noticiário todos os dias devido a mortes, ferimentos, incêndios. O mesmo vale para a parte norte da capital, especialmente Cité Soleil. “Esses incidentes graves têm várias origens, e os pedidos de ajuda da população indefesa que vive nesses bairros não parecem comover ninguém”.

“Localmente, as pessoas fazem o melhor possível: estão fazendo máscaras, bebem muito chá. Um grupo de médicos propôs que o tratamento da doença seja organizado ao nível comunitário. 

Algumas comunidades já começaram a cuidar de pessoas doentes, mas também para evitar estigmatização e agressões contra pacientes. Apesar do número crescente de casos do Covid-19, vários hospitais públicos e unidades de saúde ainda estão em greve. Houve vários casos de infecção em instituições públicas, incluindo a Polícia Nacional. O governo parece estar paralisado “. 

“No Haiti, apesar da grande contribuição das mulheres na vida do país, não há um reconhecimento real de sua contribuição. As organizações de mulheres devem lutar muito para obter um pouco de reconhecimento. O Estado ignora seus compromissos, tanto ao nível nacional quanto internacional, em favor dos direitos da mulher. As mulheres pertencem às categorias mais pobres e mais exploradas da sociedade haitiana”, conclui Colette Lespinasse pelo teleSUR, mas não antes de responder a uma pergunta muito pessoal.

Quem é você, Colette?

Uma mulher haitiana que, durante a ditadura de Jean Claude Duvalier, trabalhou na Rádio Soleil, uma estação da Igreja Católica que havia desempenhado um papel muito importante na queda da ditadura. 

Tenho experiência em educação radiofônica, com formação acadêmica em administração, mas com muita experiência em assistência social, jornalismo e militância de direitos humanos. Na prática, sempre trabalhei para a participação de grupos excluídos, camponesas, mulheres, migrantes.  

Sou o fundador de uma organização para promover os direitos dos migrantes denominada GARR (Grupo de Apoio a Migrantes e Refugiados). Agora, estou acompanhando uma organização que trabalha pela libertação de crianças no trabalho doméstico. Ao mesmo tempo, ocasionalmente eu facilito oficinas para grupos de mulheres em Porto Príncipe e em todo o país.

Eu sou casado. Eu tenho três filhos, dois biológicos e um adotado. Minha mãe de 85 anos mora comigo, eu venho de uma família de oito irmãos. Eu sou o único que vive no Haiti. Na minha casa, somos seis pessoas e há mais duas que acontecem todos os dias.

Como você experimenta pessoalmente a pandemia de coronavírus?

“Desde o início, seguimos as medidas de proteção. Compartilhamos informações e conselhos com todos. Não saímos muito, mas de vez em quando você precisa comprar coisas para toda a família. Gosto muito de ir ao mercado, porque isso me dá uma idéia melhor de como as pessoas vivem, principalmente as mulheres, o que pensam do coronavírus. ”  

“É impressionante ouvir como as pessoas não dão muita importância a isso. Eles dizem que entre morrer de fome e morrer de coronavírus, eles preferem ficar de pé para lutar pela vida. ”

“Quando você sai, antes de entrar em casa, se lava. Felizmente, temos água. Vivemos em uma área onde há água no chão e com uma bomba podemos obtê-la. Temos pouca eletricidade. Às vezes, três horas a cada seis a oito dias. Uso o sol para obter energia, mas o que tenho não é suficiente para acionar a bomba. Muitas vezes eu tenho que usá-lo manualmente. Apesar disso, tenho oportunidades, porque a maioria dos meus vizinhos não pode. Então, compartilho com muitos deles um pouco de eletricidade para carregar telefones celulares. Às vezes, os jovens chegam em casa para ativar seus computadores ou assistir a um filme. Esses jovens ficam muito cansados porque não há escola. Eles têm medo de perder o ano inteiro ”.  

“Embora haja poucas reuniões, continuamos trabalhando, participando da Internet em muitas reuniões. Estamos acompanhando com grande ansiedade a deterioração da situação econômica, social e alimentar da população e, sobretudo, da política. O governo está tentando usar o contexto do coronavírus para fortalecer seu poder, alguns pensam em fabricar uma nova ditadura no país. É difícil mobilizar, mas tentamos “, conclui.

Crise humanitária agora!

Enquanto isso, a OPAS faz um anúncio. “Estamos especialmente preocupados com o Haiti e quero alertar para uma crise humanitária iminente”, disse Carissa Etienne, diretora da Organização Pan-Americana da Saúde. Há 17.000 haitianos que retornaram da República Dominicana, onde há transmissão comunitária, e esse número deve chegar a 55.000 em duas semanas.

Existem poucos leitos para tratar pacientes com Covid-19, um número insuficiente de profissionais de saúde e também equipamento de proteção individual insuficiente “, bem como” a segurança dos hospitais designados para Covid-19 e a segurança de a saúde é uma grande preocupação “.

O ano de 2019 caracterizou um Haiti problemático. Corrupção contra a miséria. O protesto contra a violência e vice-versa. Dizem que eles não viam mobilizações tão massivas há mais de três décadas, com o fim da luta contra o bebê Doc Duvalier.

O presidente do Haiti, Jovenel Moise, nomeou um novo primeiro-ministro em março de 2020: Joute Joseph. Foi uma tentativa de conter a crise política que o país vivia há um ano, caracterizada por insegurança social, acusações de corrupção contra o presidente e problemas econômicos. Jouthe assumiu o cargo sem a aprovação do Parlamento haitiano, conforme estabelecido pela nação da Constituição do Caribe, porque essa instituição não estava em operação.

O coordenador humanitário residente das Nações Unidas, Bruno Lemarquis, descreveu a crise: “Hospitais sem suprimentos e remédios, basicamente movimentos congelados de pessoas e bens e dificuldades no mercado para funcionar. Cerca de 4,6 milhões de pessoas precisam de assistência, 40% da população e mais de 80% em comparação a 2019. Os mais vulneráveis são estimados em 2,1 milhões de pessoas e são alvo do #HRP revisado em 2020 “.

Grafite de Moïse Jerry Rosembert em Port-au-Prince em George Floyd. I Foto: Cortesia

Apenas em março de 2020, foram relatados os primeiros casos de coronavírus. Não se sabe se o medo atinge os haitianos que estão se esquivando da morte desde o nascimento do terror de um passado que volta. 

As últimas palavras de Georges Floyd, alerta nas redes sociais #Haitian #Creole: Haiti, não consegue respirar, “Ayiti paka respire”. Enquanto isso, Sandrine e Colette acordam todos os dias, enfrentando sua única opção, lutar. Respire, mulher, respire.

Rosa María Fernández, para a TeleSur

Tradução: Beatriz Cannabrava

As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Rosa María Fernández

LEIA tAMBÉM

Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza