Pesquisar
Pesquisar

Banco Mundial: PIB brasileiro terá o menor crescimento da América Latina, superando apenas o Haiti

Recuperação do emprego também está estagnada: “México e Bolívia então em recuperação, mas a situação permanece difícil em Brasil, Colômbia e Equador"
Redação Focus Brasil
Focus Brasil
São Paulo (SP)

Tradução:

A deterioração da atividade econômica brasileira, resultado direto da inércia do desgoverno de Jair Bolsonaro e de seu ministro da Economia, Paulo Guedes, continuará a produzir desemprego e aumento da pobreza em 2022.

Nesta terça-feira (11), relatório do Banco Mundial cortou a estimativa de crescimento do Brasil de 2,5%, feita em junho de 2021, para 1,4%. É a menor taxa em um ranking de 18 países. Entre um conjunto de 28 economias da América Latina e do Caribe, o país deve superar apenas o Haiti, cuja projeção de atividade é de estagnação.

“A economia brasileira deve desacelerar para 1.4% em 2022 – graças ao fraco sentimento dos investidores, à erosão do poder de compra em decorrência da alta inflação, às restrições da política macroeconômica, à redução da demanda pela China, e à queda nos preços do minério de ferro – antes de alcançar 2.7% em 2023”, destaca o documento Perspectivas Econômicas Globais – América Latina e Caribe, divulgado pelo Banco Mundial.

Se confirmadas as projeções do Banco Mundial, o Brasil estará em uma situação menos catastrófica do que indicam estimativas do mercado financeiro e do próprio Banco Central. O Boletim Focus, por exemplo, aponta um crescimento do PIB de apenas 0,28% neste ano. Já o BC prevê 1% de crescimento.

Assista na TV Diálogos do Sul

Banco Mundial aponta ainda para um crescimento dos emergentes em torno de 4,6%, apesar do cenário de desaceleração da economia mundial. “Após uma forte recuperação em 2021, a economia global está entrando em uma forte desaceleração em meio a novas ameaças de variantes de covid-19 e aumento da inflação, da dívida e da desigualdade de renda, que podem colocar em risco a recuperação das economias emergentes e em desenvolvimento”, observa o relatório.

“A economia mundial está enfrentando simultaneamente a Covid-19, a inflação e as incertezas políticas, com gastos públicos e políticas monetárias em território ainda desconhecido”, declarou o presidente da instituição, David Malpass. “O aumento da desigualdade e os desafios relacionados à segurança são especialmente prejudiciais para os países em desenvolvimento”.

Recuperação do emprego também está estagnada: “México e Bolívia então em recuperação, mas a situação permanece difícil em Brasil, Colômbia e Equador"

Pixabay
Economia brasileira deve desacelerar em 2022

América Latina e Caribe

Do mesmo modo, o Banco Mundial estima que a região da América Latina e do Caribe deve acompanhar a desaceleração mundial da atividade econômica em 2022. A projeção, de 6,7% em 2021, despencou para 2,6% neste ano.

Os fatores, segundo a instituição, são “restrições nas políticas monetária e fiscal, lenta melhoria nas condições do mercado de trabalho, e condições externas menos favoráveis”.

Enquanto Bolsonaro dá show, Guedes trabalha para retirar mais direitos dos trabalhadores

Os indicadores de emprego, que constam de uma pesquisa feita em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), revelam que, apesar de sinais de melhora, houve considerável deterioração na qualidade das vagas, sintoma do aumento da informalidade em países como o Brasil.

“A taxa de ocupação regional está 11 pontos abaixo do período pré-pandêmico, mas alguns países se recuperaram totalmente, como Guatemala, Nicarágua e El Salvador”, informa comunicado das Nações Unidas. “México e Bolívia então em vias de recuperação, mas a situação permanece difícil no Brasil, na Colômbia e no Equador, cujas taxas de ocupação estão muito abaixo da fase anterior à pandemia”, observa o documento.

Da Redação Focus Brasil, com Banco Mundial


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Focus Brasil

LEIA tAMBÉM

marx-ecologia
Marxismo ecológico: como Marx entendia a relação entre mudança climática e capitalismo?
Putin-Xi (1)
Do comércio à segurança, união China-Rússia ganha força e vira dor de cabeça para Ocidente
crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor