Pesquisar
Pesquisar

Batalha de Stalingrado: como há 80 anos, democracia global impõe luta contra o fascismo

Confronto, ocorrido em 2 de fevereiro de 1943, se constituiu como a personificação da incrível coragem, força e heroísmo do povo russo
Alexander Khokhólikov
Prensa Latina
Manágua

Tradução:

Há 80 anos, em 2 de fevereiro de 1943, a derrota total e capitulação do 6º Exército alemão coroou a batalha decisiva mais importante da Grande Guerra Patriótica: a Batalha de Stalingrado entre o Exército Vermelho e a Wehrmacht, reforçada pelos exércitos dos países do “Eixo”.

Durou 200 dias, de 17 de julho de 1942 a 2 de fevereiro de 1943, e se tornou a mais sangrenta da guerra: 2,5 milhões de pessoas morreram, incluindo 1,5 milhão de invasores alemães e seus aliados.

Durante o confronto, as tropas soviéticas demonstraram prodígios de bravura e heroísmo, de lealdade ao dever e à Pátria. Todos conhecem a famosa Casa do Sargento Pavlov em Stalingrado, que foi defendida por soldados soviéticos por longos 58 dias por 25 soldados soviéticos de 11 nacionalidades diferentes, a maioria dos quais feridos, mas apenas três perderam a vida.

E este é apenas um dos muitos exemplos. Para comparar, vamos lembrar que a Alemanha nazista invadiu traiçoeiramente seu recente aliado, a Polônia, em 36 dias, a França, em 43 dias, e a expectativa média de vida de um soldado em qualquer lugar em Stalingrado era de 15 minutos.

A partir daquele dia de fevereiro de 1942, uma mudança fundamental começou na Grande Guerra Patriótica e, de fato, na Segunda Guerra Mundial, que posteriormente teve um impacto em toda a história mundial.

Assista na TV Diálogos do Sul

A iniciativa da ofensiva foi totalmente deixada nas mãos das tropas soviéticas, o mito da invencibilidade do exército alemão foi desfeito.

É simbólico que a contra-ofensiva soviética em Stalingrado iniciada em 19 de novembro de 1942 – uma operação estratégica em três frentes com extensão total de mais de 800 km – tenha sido coordenada pelo lendário marechal soviético Aleksandr Vasilevsky, filho de um padre rural de origem russo-ucraniana, ex-oficial do Exército Imperial Russo, que aceitou a Revolução de Outubro e se destacou por seu heroísmo durante a famosa Ofensiva de Brusilov contra as forças austro-alemãs em 1916.

Outro lendário comandante de batalha soviético sem igual foi o general Andrey Eremenko, natural de Lugansk, que liderou com sucesso a Frente de Stalingrado em 1942.

“Mídia faz guerra suja pró EUA em favor de nazistas na Ucrânia”, denuncia Stella Calloni

Vale ressaltar que no inverno de 1942-43, o Exército Vermelho começou a restaurar as tradições pré-revolucionárias, restaurando dragonas e fileiras militares, o que era altamente simbólico, além de homenagear a memória de ex-heróis nacionais – Aleksandr Nevsky, Bogdan Khmelnitsky , Fedor Ushakov e Aleksandr Suvorov. Foram criadas distinções militares com seus nomes.

E alguns meses depois, Joseph Stalin se encontrou com o sacerdócio ortodoxo, realmente reconhecendo como errado e pondo fim à política radical anti-Igreja dos primeiros bolcheviques.

Não há dúvida de que essa virada conservadora russa foi uma importante contribuição para a Vitória de 1945.

A Grande Vitória sobre a Alemanha de Hitler não teria sido possível se os nossos soldados não tivessem consciência de que lutavam não só pelo camarada Estaline e pela “Terceira Internacional”, pelo marxismo-leninismo e pelos interesses do “proletariado mundial”, mas também pelo sua pátria, coberta com o sangue e o suor de muitas gerações de nossos antepassados, para suas famílias e pessoas próximas, para valores duradouros: fé, história, cultura e língua.

Como naqueles tempos heróicos, hoje é extremamente importante entender bem qual é a luta que a Rússia está travando na Ucrânia.

Não é apenas para desmilitarizar e desnazificar o regime fantoche anti-russo em Kiev, mas também para defender a integridade, segurança e tranquilidade de nosso país, cercado por todos os lados por bases militares da Otan. É uma batalha pela moralidade e pelos valores tradicionais, por uma ordem mundial mais justa e pela libertação da Terra Russa, cujas partes integrantes e inseparáveis sempre foram Novorossiya e Malorosiya.

Confronto, ocorrido em 2 de fevereiro de 1943, se constituiu como a personificação da incrível coragem, força e heroísmo do povo russo

WH
A Batalha de Stalingrado, como a personificação da incrível coragem, força e heroísmo do povo russo

Não cansaremos de repetir que não estamos lutando contra a Ucrânia e os ucranianos, mas contra o regime neonazista em Kiev, e agora também contra os muitos mercenários da Otan que defendem o obsoleto mundo unipolar e as exorbitantes ambições por dinheiro do Ocidente coletivo, que continua a aspirar a controlar à vontade países, povos e continentes inteiros, impondo uma “ordem baseada em regras” que se assemelha ao neocolonialismo.

Como mostra a prática, a natureza da civilização ocidental moderna, infelizmente, permanece colonial e racista. Isto não é ficção. O atual chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, confirmou recentemente isso em termos inequívocos, chamando a Europa e os Estados Unidos de um belo “jardim” e o resto do mundo de uma “selva” bárbara.

Guerra na Ucrânia pode arrastar para toda Europa nazi-jihadismo armado pela Otan

Agora, as mais prestigiadas universidades anglo-americanas, líderes da “opinião pública progressista”, ganhadores do Prêmio Nobel e Pulitzer, filantropos de renome mundial como Anne Applebaum e George Soros, Bernard Levy e Bill Gates, bem como as “canetas de ” ouro” da mídia mais “respeitável”, das fundações e ONGs mais “democráticas”, estão fazendo lavagem cerebral intensiva nos poloneses, tchecos, finlandeses, suecos, ucranianos e habitantes dos países bálticos. Eles são persistentemente doutrinados com a ideia de que são o escudo da Europa, defensores da democracia e da liberdade, que podem ir à guerra contra os bárbaros russos e matá-los, aliás, tendo comprado armas a crédito. Mentalmente, o Ocidente está com eles.

Foi exatamente assim que a Alemanha de Hitler agiu, enviando cinicamente seus vassalos dependentes para a morte certa na Frente Oriental, sacrificando-os implacavelmente se necessário.

Por exemplo, em Stalingrado, no 6º exército de Paulus, além de batalhões inteiros, divisões e corpos de exército de italianos, romenos, húngaros, croatas, finlandeses e voluntários de países escandinavos, cerca de 52 mil lutaram ao lado dos nazistas alemães. Colaboradores-traidores das repúblicas da União Soviética. Ao mesmo tempo, os traidores nacionalistas ucranianos desempenharam um papel especial como gendarmes de campo e punidores cruéis dos soldados soviéticos presos e da população local, e também como os principais executores das diretrizes do comando alemão para o extermínio dos judeus. Esses homens agora glorificam e elogiam as atuais autoridades de Kiev, que destroem monumentos e renomeiam ruas e praças dedicadas aos heróis libertadores dos invasores nazistas.

Como o presidente da Federação Russa, Vladimir Putin, apontou em seu artigo “Sobre a unidade histórica de russos e ucranianos”, as autoridades da Ucrânia independente gostam de se referir à experiência ocidental e considerá-la um exemplo a seguir. Então, por que eles tiram da civilização europeia apenas suas piores manifestações de chauvinismo, intolerância racial e étnica, agressão contra dissidentes dentro da Ucrânia e países vizinhos? Por que em 2014 os ucranianos desencadearam uma guerra civil étnica no Oriente, perdendo para sempre a Crimeia pró-Rússia, bombardeando cidades pacíficas em Donbass e destruindo sua própria economia, forçando a Rússia, que só queria paz e cooperação mutuamente respeitosa entre os países, a intervir militarmente ? Não teria sido melhor ver como a Áustria e a Alemanha coexistem, EUA e Canadá, Suíça e Estados do Benelux, apesar das guerras e contradições do passado? Próximos em etnia, cultura e, de fato, na mesma língua, eles continuam sendo Estados soberanos com seus próprios interesses e políticas externas. No entanto, isso não os impede de desenvolver relacionamentos mais próximos de integração ou aliança. Eles têm bordas nominais e transparentes. Seus cidadãos, cruzando-os, sentem-se em casa, fundam famílias, estudam, trabalham, fazem negócios e juntos construíram a mais próspera economia.

“A Rússia sempre esteve e sempre estará aberta a um diálogo pacífico com a Ucrânia e está pronta para discutir as questões mais difíceis. Mas é importante que entendamos se o nosso parceiro defende os seus interesses nacionais ou serve aos dos outros e é um instrumento nas mãos dos outros para lutar contra nós”, sublinhou o presidente russo.

Quanto à Ucrânia, nem o presidente Volodymyr Zelensky nem o comandante-em-chefe Valery Zaluzhny determinam mais nada lá. Todas as decisões políticas e militares são tomadas por seus guardiões euro-atlânticos. Zelensky concordou em parar o derramamento de sangue e negociar a paz com a Rússia na primavera de 2022, mas foi literalmente proibido de fazê-lo por seus mentores, por meio do primeiro-ministro britânico Boris Johnson, que visitou Kiev às pressas.

Estou convencido de que, como em 1943 em Stalingrado, em 2023 nas terras sofredoras do sul da Rússia, o bem e a paz triunfarão. Nenhuma alternativa. O Ocidente agressivo, racista e colonial será mais uma vez esmagado, derrotado e colocado em seu lugar.

Lavrov: Como Hitler, EUA tentam unir países europeus para “solução final” contra Rússia

Tragédias como a Segunda Guerra Mundial não devem se repetir! Em particular, para este propósito, a Rússia está conduzindo na Ucrânia não uma guerra em grande escala usando todos os meios de destruição, mas apenas uma operação militar especial limitada para estabelecer definitivamente a paz, o que é impossível sem eliminar o caldeirão do nazismo ocidental em nossas fronteiras. Estou confiante de que nossos militares e voluntários concluirão todas as tarefas designadas. Prova disso é a história secular da Rússia, uma das páginas gloriosas e inesquecíveis da qual foi A Batalha de Stalingrado, como a personificação da incrível coragem, força e heroísmo do povo de nosso grande país.

Alexander Khokhólikov | Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da Federação Russa junto à República da Nicarágua e concorrente junto à República de El Salvador e à República de Honduras.
Especial para o Prensa Latina.
Tradução: Guilherme Ribeiro,


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Alexander Khokhólikov

LEIA tAMBÉM

Frida-Kahlo
Anos de ouro: o êxito vivido pela Cidade do México e por Frida Kahlo pós-crise de 1929
Foto de Adrian Swancar na Unsplash
Frei Betto | Refém das redes digitais, juventude grita por socorro! Como evitar o pior?
Vicente Lombardo Toledano
O marxismo de Vicente Lombardo Toledano, fundador da Confederação de Trabalhadores da América Latina
vintage-historic-photos-of-the-battle-of-berlin-1945-bw-10
A batalha de Berlim e a rendição nazista: entrevista com um combatente