Pesquisar
Pesquisar

Beatriz Bissio e os “Diálogos Jackson Lago”

Beatriz Bissio

Tradução:

Beatriz Bissio e Clay Lago. Foto G.Ferreira
Beatriz Bissio e Clay Lago. Foto G.Ferreira

O Instituto Jackson Lago, em parceria com a Universidade Federal do Maranhão, promoveu nesta segunda-feira (12), a 3ª edição dos Diálogos Jackson Lago. O evento aconteceu no auditório do Palácio Cristo Rei (Praça Gonçalves Dias). 

Nesta edição, o Diálogos contou com palestra e o lançamento do livro “O mundo falava árabe: a civilização árabe-islâmica clássica através da obra de Ibn Khaldun e Ibn Battua”, da jornalista Beatriz Bissio, professora do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal do Rio de Janeiro e presidente do Espaço Cultural Diálogos do Sul.

Os “Diálogos Jackson Lago” objetivam, através de entrevistas com pessoas que trabalham as mais variadas correntes, estabelecer um debate diferenciado na sociedade sobre os diversos assuntos que permeiam o País e o mundo. O tema da palestra foi “Oriente Médio e Norte da África: que frutos dará a primavera?”, que visa provocar uma reflexão sobre os fatos e as perspectivas dos levantes populares no mundo árabe.

No livro “O mundo falava árabe”, a autora Beatriz Bissio procura traçar, a partir de uma espécie de cruzamento dos textos do historiador Ibn Khaldun (1332-1406) e do viajante Ibn Battua (1304-1368), um diagrama da civilização do islã clássico, neles encontrando os elementos característicos do autêntico amálgama cultural operado pelos árabes, uma das maiores comunidades de imigrantes radicadas em São Paulo.

“Nós convidamos a Beatriz Bissio pelo seu vasto conhecimento e longa trajetória, além de possuir um currículo riquíssimo e de ter sido assessora de Jackson Lago e possuir grande ligação com nossa família e nossa história”, comenta a presidente do Instituto Jackson Lago, Clay Lago.

çrabe_Capa testeA autora – Beatriz Bissio além de doutora em História pela Universidade Federal Fluminense – UFF e professora adjunta do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, como correspondente de vários meios de comunicação latino-americanos e como fundadora, diretora e editora das revistas Cadernos do Terceiro Mundo (1974-2006), Ecologia e Desenvolvimento (1991-2006) e Revista do MERCOSUL (1992-2006), percorreu, ao longo de três décadas, a América Latina, África e Ásia, em particular o Oriente Médio, fez a cobertura de momentos marcantes da história contemporânea como a Guerra de Libertação e a Independência de Angola e Moçambique, a luta contra o Apartheid na África do Sul, o conflito árabe-israelense, a guerra no Líbano, a questão do Iraque, as Conferências do Movimento Não Alinhado e da ONU (Beijing sobre a Mulher etc).

Nascida no Uruguai, e é naturalizada brasileira, morou na Argentina, Peru, México e Portugal. É consultora em Relações Internacionais (foi a Coordenadora do Comitê de Relações Internacionais do Governo do Maranhão, na gestão do Dr. Jackson Lago 2007-2009) e é responsável pelas articulações dos projetos de cooperação junto ao Itamaraty. Também preside o Instituto Cultural Brasil-Uruguai (ICBU), a Câmara de Comércio Brasil-Uruguai e o Espaço Cultural “Diálogos do Sul” e recebeu os prêmios Vladimir Herzog e Golfinho de Ouro 2000 de Jornalismo.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Beatriz Bissio

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia