Pesquisar
Pesquisar

Bernie Sanders: Mais do que nunca, teremos fortes progressistas na Câmara dos EUA

Democratas alcançaram conquistas significativas nas eleições de meio mandato, incluindo postos historicamente ocupados por republicanos
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

A corrente eleição nacional nos EUA determina qual partido controlará o Congresso e com isso o poder sobre o orçamento e outros assuntos nacionais. Porém, as eleições também oferecem um mosaico de expressões de eleitorado na conjuntura política dos Estados Unidos.

No Colorado, por exemplo, uma das cúmplices mais leais de Donald Trump poderia perder sua cadeira na câmara baixa a um opositor que enfrentou a retórica provocadora da trumpista ao acusá-la de usar a ira como entretenimento. O democrata Gabe Vasquez derrotou um republicano que tem controlado um distrito fronteiriço no Novo México por quase uma década. 

Assista na TV Diálogos do Sul

“Os candidatos progressistas tiveram uma grande noite eleitoral. Agora haverá mais progressistas fortes do que nunca na câmara baixa dos Estados Unidos”, comentou o senador Bernie Sanders em um tuite com uma longa lista destes triunfos, entre os quais se encontram os novatos Summer Lee, na Pensilvânia, e Greg Casar, no Texas

Mas nem tudo foi triunfante para os democratas. Na Flórida, a republicana trumpista Anna Paulina Luna ganhou um assento da câmara baixa federal que havia estado em mãos democratas durante décadas. Luna, que trocou de sobrenome em honra de suas raízes mexicanas, foi batizada como a resposta republicana à deputada progressista de perfil nacional Alexandria Ocasio-Cortez.

A ex-modelo, garçonete e brevemente trabalhadora em um clube de cavalheiros tem meio milhão de seguidores em sua conta do Instagram, onde compartilha imagens dela como Trump. “A política conservadora está transcendendo idade, raça, gênero, conseguimos fazer uma ponte sobre a brecha”, comentou ao New York Times, afirmando que “esta ideia vai além de apenas política – é um estilo de vida”. 

Democratas alcançaram conquistas significativas nas eleições de meio mandato, incluindo postos historicamente  ocupados por republicanos

Remessa OnLine
Análise preliminar dos resultados sugere que a participação eleitoral neste ano foi inferior à das últimas eleições intermediárias




Armas de fogo

Dias antes da eleição na Carolina do Norte, o La Jornada foi informado de que simpatizantes apoiando democratas ou republicanos portaram armas de fogo (embora ninguém tenha disparado até agora) durante as campanhas, e em um posto de votação a polícia foi chamada porque um homem estava obstruindo a votação, acusando os democratas de empregarem a conexão WiFi para manipular os resultados.

A eleição não se tratou só do Congresso Federal. Pela primeira vez em quase 40 anos, em Michigan os democratas conquistaram a maioria do Senado estadual e da câmara baixa. Também se projetou que conquistarão a maioria nos senados estaduais da Pensilvânia e em Minnesota, estados chaves do mapa eleitoral para a eleição presidencial de 2024.

Para beneficiar Trump em 2024, republicanos querem aparelhar sistema eleitoral dos EUA

Em Massachusetts, uma onda progressista derrotou um xerife direitista acusado pelo procurador do estado de abusar sistematicamente de imigrantes sob sua custódia. Em Granville, Carolina do Norte, foi eleito o primeiro xerife afro-estadunidense nos 276 anos de história desse condado, e em um condado próximo foi eleito um legislador estadual graças a uma mobilização de base, o que será chave para frear a ofensiva de maioria republicana. 

Representantes de organizações latinas, afro-estadunidenses, de mulheres e de jovens ressaltam a conquista da participação de suas filas nesta eleição ao sublinhar que isto respondeu à mensagem de que a própria democracia estava em jogo. 

Aparentemente, a salvação de democracia não inspirou a todos, já que a análise preliminar dos resultados sugere que a participação eleitoral neste ano foi inferior à das últimas eleições intermediárias. Os jovens, em particular, participaram em números menores que em 2018.

Independente dos resultados, o Congresso recém-dividido não realizará muito, e o fracasso em abordar as principais questões que mais preocupam o eleitorado apenas alimentará o desencanto e a abstenção no futuro. “Sei que é importante votar, mas, na verdade, o que o Congresso faz? Quase nada”, disse ao La Jornada uma mulher ao votar na Carolina do Norte.

David Brooks | Correspondente do La Jornada em Nova York, com a colaboração especial de Jim Cason.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

milei-argentina-espanha
Ataques de Milei deixam relação diplomática Espanha-Argentina na corda bamba
Ebrahim Raisi (1)
Ebrahim Raisi, Robert Fico, Prigozhin e Gaza: dois pesos e duas medidas na imprensa internacional
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda